27 de março de 2017

A Vertigem das Listas: Três Cosplays que Gostaríamos de Fazer


Lulu: Ok, então… finais de março, estava aqui pensando com meus botões (meus botões são quase filósofos a essas alturas, de tanto que penso com eles…) qual seria o tema do vertigem dessa vez… quando me lembrei do importante detalhe de que… a CCPX Tour Nordeste está a menos de quinze dias de acontecer. E é claro que eu vou, considerando que de outra feita já viajei até para São Paulo para participar do evento, como poderia não ir quando ele acontece na minha cidade?

Ísis: Lucky you!


____________________________________

 
23 de março de 2017

As voltas e reviravoltas do Labirinto

"Afinal (…), a vida é uma espécie de labirinto, com todas as suas voltas e reviravoltas, seus caminhos retos e seus becos sem saída."
Para além de reprises ad infinitum de A Lagoa Azul, a Sessão da Tarde apresentou-me a alguns dos meus filmes favoritos - histórias que ainda hoje me são caras e próximas do coração, não importa quanto tempo se tenha passado. Já adulta, descobri que alguns deles eram inspirados em livros - A História sem Fim, e A Princesa Prometida, por exemplo. Outros fizeram o caminho contrário das telas para os livros, como a novelização de O Feitiço de Áquila e Labirinto, de que falaremos hoje.


____________________________________

 
21 de março de 2017

Desafio Corujesco 2017 - Um Livro que teve uma Adaptação || O Clube de Leitura de Jane Austen

Não era culpa de Austen o amor dar errado. Ninguém podia nem mesmo dizer que ela não havia avisado. Suas heroínas se saíam bastante bem, mas sempre havia outros personagens no livro que não tinham final feliz – a Eliza de Brandon em Razão e Sensibilidade; em Orgulho e Preconceito, Charlotte Lucas, Lydia Bennet; em Mansfield Park, Maria Bertram. Era nessas mulheres que era necessário prestar atenção, mas ninguém o fazia.
Faz tempo que queria ler esse livro - eu até o tinha em e-book, em inglês, mas sempre havia alguma outra prioridade na lista e ia deixando ele para trás. Esse ano, contudo, ele foi lançado em português e pouco depois consegui solicitá-lo no sistema de trocas do skoob… e aí, aproveitando o tema desse mês para o Desafio Corujesco, cá estamos nós.


____________________________________

 
16 de março de 2017

Com quantas adaptações se faz um Contos de Fadas?


Considerando o número de vezes em que falei de contos de fadas cá no Coruja - por vezes de forma quase obsessiva - é meio surpreendente que nunca tivesse arranjado tempo para escrever sobre minhas adaptações favoritas de contos de fadas. Pensei de usar o tema no Vertigem, mas a verdade é que queria ser egoísta e ter pelo menos metade da lista só para mim.

Finalmente, decidi me aproveitar da deixa que a estreia de A Bela e a Fera deu para tratar do assunto… e aí completei o ‘era uma vez’ convidando a Fernanda, do The Bookworm Scientist, para fazer a lista comigo, já que ela gosta de fantasia, entende de arquétipos e sempre apresenta excelentes insights.

Assim, cá estamos nós para falar sobre as melhores, as mais lembradas, as encantadoras histórias de fadas que fazem parte da nossa memória afetiva ou que nos dizem algo de importante; subversivas ou musicais; na telinha ou nas páginas de um livro!


____________________________________

 
9 de março de 2017

Resultado do Sorteio - Antologia Valquírias

Post rápido hoje, que tem uma pilha de processos para fazer... e acho que o site vai sair do ar hoje por algum tempo para instalar o novo template (ho-ho-ho! Não, não sou o Papai Noel...). Um mês atrás fiz o anúncio do lançamento da Antologia Valquírias, e prometi que iria sortear um exemplar entre os comentários do post. Pois bem, o dia chegou de descobrir que leva o livro!

Rufem os tambores!


____________________________________

 
27 de fevereiro de 2017

Censura e Empatia: Sobre Alertas de Gatilhos e Leitores de Sensibilidade


Faz bastante tempo que quero escrever sobre esse tema, desde que li pela primeira vez o prólogo de Gaiman para Trigger Warning - cá no Brasil traduzido como Alerta de Risco. Certa vez, entrei num debate com alguns amigos sobre o assunto, sobre como a ideia de ter livros trazendo na capa um disclaimer sobre o seu conteúdo parecia com algo saído de uma distopia, um claro primeiro passo rumo à censura. A conversa acabou sendo deixada de lado antes que pudéssemos refletir muito mais sobre o caso, até que, recentemente, ele me voltou à mente quando encontrei um artigo sobre “sensitivity readers - algo que poderíamos traduzir como leitores de sensibilidade - artigo esse que acompanhava vários comentários exasperados sobre como o politicamente correto chegou “para estragar a festa também na literatura”.


____________________________________

 

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog