7 de fevereiro de 2012

Desafio Literário: Fevereiro - Nome Próprio || Baudolino



"Basta que seja verdade, e nós o colocaremos", disse Baudolino, "o importante é contar fábulas".
Estive bastante ansiosa para começar este volume – Eco é um dos meus autores favoritos (mais que favorito, se for para ser sincera: ele flutua num patamar acima dos meros mortais...) e eu já tinha ouvido falar muito bem desse específico título.


Em Baudolino, Eco, mais uma vez, tece em torno de nós uma teia que mistura fato e ficção, romance e História, subvertendo esta para inserir seu protagonista, Baudolino, num furacão de guerras, política, conquista, cruzadas... E, num golpe de mestre, nos apresenta essa história contada por um homem que se auto intitula o maior mentiroso do mundo.

Resgatado por nosso herói pícaro em meio à Invasão de Constantinopla perpetrada durante a Quarta Cruzada, em 1204, é o historiador (e prodigioso gourmet) Nicetas Coniates o grande ouvinte de Baudolino. Enquanto aguardam para fugir da cidade (cristã) arrasada pelos cruzados (que supostamente deveriam estar indo para Jerusalém, retira-la da mão dos infiéis...), Baudolino narra para Nicetas suas aventuras e desventuras desde que era um moleque, quando foi adotado pelo Imperador do Sacro Império Germânico Frederico I, o Barba Ruiva até a viagem pelo Oriente em busca do reino do Preste João.

Baudolino é um poeta, um filósofo, alguém com incrível capacidade para aprendizado de línguas (basta ouvir algumas palavras e ele já começa a falar fluentemente), uma imaginação portentosa e um mentiroso de marca maior. Por todas essas qualidades, acaba ficando a seu cargo criar um reino mítico, imaginário, dos confins do Oriente – reino esse que daria legitimidade ao poder de seu pai adotivo frente ao Papa e às sempre beligerantes cidades italianas (não unificadas e sempre dispostas à briga).

É este o reino do Preste João, cujos domínios compreendem quase que o próprio Jardim do Éden, e cujos súditos perpassam todas as raças – de humanos a sátiros, gigantes a criaturas de um pé só e os próprios Reis Magos (e seus corpos são vendidos como relíquias a certa altura da história) do Antigo Testamento.

Mais que isso: ele é o verdadeiro senhor do mítico Santo Graal, perdido no passado, reencontrado por Baudolino, cuja missão de vida se tornará retornar a relíquia em nome de Frederico I ao todo poderoso Preste João.

Em seu caminho são traçadas mil e uma intrigas políticas, surgem amores proibidos, há ataques de mantícoras e quimeras – e vislumbra-se, de longe, o reino mítico tão procurado, tão aguardado. Ao final das contas, a condição de existência do reino do Preste João é simplesmente ter sido ele imaginado por Baudolino e seus amigos.

Este é um tema recorrente nas obras de Eco – a confusão entre ilusão e realidade, proposital ou não, pelos personagens. Em O Pêndulo de Foucalt temos a construção de uma mentira por um grupo de editores que acaba sendo levada a sério demais por seus clientes; no A Ilha do Dia Anterior há um jovem que pode ou não estar alucinando com um duplo, um gêmeo, a quem responsabiliza por todas as suas desgraças.

Creio, contudo, que em nenhum outro de seus livros, Eco tenha levado tão longe essa mistura. Com seus cheiros e texturas próprias, suas criaturas mitológicas e personagens históricos, o mundo que ele cria para Baudolino é complexo, absurdo, maravilhoso - e para nós, um banquete literário.

Nota: 5
(de 1 a 5, sendo: 1 – Péssimo; 2 – Ruim; 3 – Regular; 4 – Bom; 5 – Excelente)

Título: Baudolino
Autor: Umberto Eco
Tradutor: Marco Lucchesi
Editora: Bestbolso
Ano: 2008
Número de Páginas: 600


A Coruja


____________________________________

 

8 comentários:

  1. Só tenho uma coisa a dizer: Methagalinarii. XD

    ResponderExcluir
  2. Tentei ler um livro do autor e empaquei... mas esse acabou me interessando, pode ser que eu dê uma segunda chance, quem sabe não goste, né??

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Hummm... Curiosidade!

    Nunca li nada do Eco, mas Tô com O Nome da Rosa na minha lista do mês que vem. Vamos ver se me apaixono pelo autor tanto quanto você!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Ótima resenha!

    Comecei a ler Baudolino (para o Desafio Literário desse mês) ontem e não larguei mais o livro, ler Eco é um verdadeiro deleite!

    ResponderExcluir
  5. Ah, não gostei do Baudolino (duas estrelinhas), mas pelo menos consegui terminar, pulando muitas partes... Não foi o caso do "Pêndulo de Focault", que achei tão chato no segundo capítulo que mandei às favas.

    Eco é ótimo em ensaios e "O nome da rosa" é um dos meus preferidos, mas acho que depois ele passou a seguir sempre a mesma fórmula e fica tudo muito, muito sem graça.

    ResponderExcluir
  6. Se fosse julgar o título do livro, acharia o nome estranho e talvez não me interessaria,mas com essa resenha, achei tudo de bom. Quero ler!

    ResponderExcluir
  7. Que legal, até o Santo Graal entra na história! :) deu vontade de ler!!!
    Criei um blog há menos de um mês e estou participando do DL também. Ficarei infinitamente feliz se você puder visitá-lo e, quem sabe, segui-lo e comentar em alguma postagem (entrepalcoselivros.blogspot.com)! Ótima semana pra você! :)

    ResponderExcluir
  8. Está na minha estante. Vamos ver se consegui vencer todas as suas páginas. Bom saber que possa encaixá-lo no tema Mitologia.

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog