9 de agosto de 2019

Uma introdução à crítica: A Arte da Ficção


Quando um romance começa? A pergunta é quase tão difícil de responder quanto dizer com precisão em que momento o embrião humano se torna uma pessoa. É raro um novo romance começar com as primeiras palavras escritas ou datilografadas. A maioria dos escritores faz algum trabalho preliminar, ainda que apenas de cabeça. Muitos se preparam com todo o cuidado por semanas ou meses, fazendo esquemas da trama, compilando CVs para os personagens, enchendo cadernos de ideias, cenários, situações e piadas a serem usados durante a composição. Cada autor tem seu jeito próprio de trabalhar.

Não consigo me lembrar exatamente o motivo pelo qual esse livro me chamou a atenção - talvez tenha sido só pelo título, ou por indicação em alguma lista. Seja como for, ele estava há tempos na lista de desejados, até que aproveitei uma daquelas promoções de desconto progressivo para enfiá-lo no meio das compras. Comecei a ler praticamente no momento em que o tirei da caixa e terminei no dia seguinte, mal conseguindo largá-lo para ir dormir.

Conclusão: se tivesse descoberto esse livro antes de escrever o ensaio sobre minha biblioteca crítica, ele definitivamente teria entrado na lista.

David Lodge escreveu esses artigos originalmente para uma coluna semanal no The Independent, publicada entre 1991 e 1992. São artigos curtos, de três a cinco páginas, iniciando sempre com um trecho de uma obra escolhida por Lodge para exemplificar o tema do dia; temas que variam de elementos comuns à toda ficção - começo e fim, pontos de vista - a escolas literárias, passando por técnicas características de alguns autores consagrados - Virginia Woolf e o fluxo da consciência, por exemplo.

Sendo um professor de literatura, Lodge é bastante didático, explicando termos técnicos e referenciando outras obras e autores com que se aprofundar (Tzvetan Todorov já estava na minha lista, mas agora fiquei ainda mais curiosa…). Ele peca um pouco pela autopromoção, que chega a soar forçada em alguns capítulos, mas não acho que isso tire o mérito do livro. Cada um tem de vender seu peixe, afinal…

Na verdade, meu maior ‘senão’ ao livro foi mais uma questão da edição que do conteúdo: encontrei-o apenas em versão de bolso e, normalmente, não tenho problemas com livros pocket, mas a letra desse aqui era muito pequena. Isso tornou a leitura um pouco desconfortável - talvez eu tivesse largado o livro com uma dor de cabeça se não tivesse ficado tão absorvida pelos ensaios.

Ao fim, A Arte da Ficção é um bom livro para começar a entender crítica literária e também como apresentação de certos recursos para quem se interessa por escrever. Lodge é técnico sem se tornar indecifrável e pode funcionar como uma base para construção de outros debates e pesquisas. Não se compara ao James Wood - que me deixou apaixonada com Como Funciona a Ficção - mas serve ao propósito de introdução ao universo da crítica.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: A Arte da Ficção
Autor: David Lodge
Tradução: Guilherme da Silva Braga
Editora: L&PM
Ano: 2017

Onde Comprar

Amazon


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog