9 de fevereiro de 2018

Lendo ainda mais ensaios: A Slip of the Keyboard

Real fantasy is that a man with a printing press might defy an entire government because of some half-formed belief that there may be such a thing as the truth.
- Discurso no Prêmio Carnegie Medal, 2002
Ando numa daquelas minhas fases em que é mais fácil digerir a leitura de não-ficção. Não sei explicar (ainda) o motivo dessas minhas periódicas mudanças de humor literárias, porque, na maioria das vezes, os livros com que acabo curando minhas ressacas de ficção não são mais fáceis ou menos densos que os calhamaços que volta e meia fazem lar na minha cabeceira.

Seja como for, dei-me conta recentemente que ainda não tinha lido A Slip of the Keyboard, ainda que o livro estivesse no meu radar desde que foi lançado, pouco antes do falecimento de Pratchett. Sinto uma imensa falta de ter volumes novos da série Discworld com que me deleitar; ainda tenho alguns romances inéditos por aqui (e agora que descobri que sir PTerry considerava Nation seu melhor livro, é possível que ele vá para o topo da minha lista de prioridades), mas parece que falta alguma coisa, que estou esquecendo de algo importante toda vez que penso no Cara de Chapéu. Eu me acostumei a começar meu ano sempre com um título novo do Pratchett e 2018 foi a primeira vez em muito tempo que não segui com a tradição (mas fiz uma releitura de Homens de Armas, então, tenho pelo menos esse consolo…).
Words turn us from monkeys into men. We make them, change them, chase them around, eat them, and live by them—they are workhorses, carrying any burden, and their usage is the skill of the author’s trade, hugely versatile.
- A Genuine Absent-minded Professor, 2010
Alguns dos textos que encontrei em A Slip of the Keyboard me eram familiares - inclusive cheguei a traduzir aqui no blog a palestra Porque Gandalf nunca se Casou -, mas a maioria eu nunca tinha lido antes. São textos bastante pessoais, até biográficos, que falam de sua infância, seu trabalho como jornalista e, mais tarde, relações públicas de uma usina de energia nuclear, até começar a fazer sucesso com suas histórias. Isso com boas doses de humor… e tantas outras de fúria - uma fúria da qual Neil Gaiman, amigo de longa data de Pratchett, nos alerta logo ao prefácio, fúria contra injustiça, contra irracionalidade e intolerância, contra fundamentalismos e preconceitos.
I began to open my eyes which led to a terrible tendency to question authority, because authority that cannot be questioned is tyranny and I will not accept any tyranny, even that of heaven.
- A Genuine Absent-minded Professor, 2010
Ao final do volume, descobri que estava de olhos embargados. Não tanto pelo conteúdo; embora a última parte seja de textos escritos após Pratchett descobrir que tinha uma forma rara de Alzheimer, quando começou a advogar pelo direito de morrer com dignidade, e esses ensaios toquem alguns dos meus próprios botões. Mas porque eu me senti trapaceada. Trapaceada porque sei que nunca terei oportunidade de conhecer a figura humana por trás dos livros; porque sei que não haverá mais novos títulos e porque (e isso pode parecer estranho) sinto uma falta imensa de alguém que nunca cheguei a conhecer.

Sir Terry Pratchett foi - e, na verdade, continua a ser - um dos meus autores favoritos. O universo de suas histórias é uma fantasia absurda e, ao mesmo tempo, o mais verdadeiro dos mundos. Nenhum outro autor contemporâneo com quem eu tenha tido contato merece mais o título de humanista, seja no sentido do conhecimento seja na forma como crê no homo sapiens como ser racional, essa ideia que é um grande delírio.
Fantasy is more than wizards. For instance, this book is about rats that are intelligent. But it is also about the even more fantastic idea that humans are capable of intelligence as well. Far more beguiling than the idea that evil can be destroyed by throwing a piece of expensive jewellery into a volcano is the possibility that evil can be defused by talking. The fantasy of justice is more interesting than the fantasy of fairies, and more truly fantastic. In the book the rats go to war, which is, I hope, gripping. But then they make peace, which is astonishing.
- Discurso no Prêmio Carnegie Medal, 2002
Ele nunca se formou numa universidade, mas sua curiosidade e sede de conhecimento fizeram com que ele se aventurasse por todos os campos, dos mais obscuros aos mais complexos. Pratchett foi capaz de falar de física quântica e teatro elisabetano, alquimia e supercomputadores, tudo num mesmo fôlego. Ele é o cara que, quando recebeu o título de Cavaleiro da Rainha, aprendeu como mexer com metais para forjar a própria espada. E, de forma extremamente corajosa, ele foi capaz de falar de seu próprio declínio - lembrando que ele foi diagnosticado com menos de sessenta anos - e o que esperava de sua morte.

A Slip of the Keyboard não é apenas mais um livro de ensaios, mas um volume de memórias, uma história sobre um dos grandes contadores de histórias de nossa época. Talvez não seja um livro tão impactante para quem nunca se aventurou por seus mundos, embora eu duvide muito que qualquer um passe incólume aos seus escritos sobre a doença e sobre ser capaz de decidir morrer com dignidade, antes que a demência pudesse roubar sua identidade (‘você só pode derrotar os monstros depois de ter coragem de dizer o nome dele em voz alta’). Mas, para um leitor habitual de Pratchett, é um encontro direto com o autor, sem o filtro de sua ficção: um encontro doloroso, até melancólico, mas também luminoso, em todos as definições da palavra.
Why does the third of the three brothers, who shares his food with the old woman in the wood, go on to become king of the country? Why does James Bond manage to disarm the nuclear bomb a few seconds before it goes off rather than, as it were, a few seconds afterwards? Because a universe where that did not happen would be a dark and hostile place. Let there be goblin hordes, let there be terrible environmental threats, let there be giant mutated slugs if you really must, but let there also be hope. It may be a grim, thin hope, an Arthurian sword at sunset, but let us know that we do not live in vain.
- Let There Be Dragons, 1993

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: A Slip of the Keyboard - Collected Nonfiction
Autor: Terry Pratchett
Editora: Anchor
Ano: 2015

Onde Comprar

Amazon || Cultura


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog