29 de novembro de 2010

Clube do Livro (Novembro) - Notas adicionais sobre Stardust

O tema de novembro no clube do livro foi mitos, lendas e contos de fadas e o título escolhido dessa vez pela maioria (e amém, irmãos, não houve empate dessa vez...) foi Stardust, do Neil Gaiman.

Agora, eu já escrevi sobre esse livro quando estava fazendo o especial sobre o Gaiman, de forma que vou apenas colocar aqui hoje algumas notas adicionais de coisas que percebemos nessa nova leitura coletiva.

1. O que é o mundo além do Muro?


O Mundo além do muro é Faërie, traduzido por Tolkien (que, lembremos, foi um dos maiores estudiosos das línguas anglo-saxônicas do século XX) no Sobre Histórias de Fadas como 'Fair Kingdom', ou o "Belo Reino" (A própria palavra Fair -- belo -- teria em sua origem o Faierie médio-inglês), ou 'Enchanted Realm', ou "Reino Encantado".

Ao contrário do que normalmente pensamos, fadas não são seres diminutos que espalham pozinho dourado por aí, enquanto voam com asas translúcidas. E nem todas as fadas são do sexo feminino. Infelizmente, não temos, na língua portuguesa, palavras específicas para designar realmente Faërie e seus habitantes.

De onde, exatamente, vieram as fadas, é difícil precisar. São muitas as raças existentes em faëries e muitas as origens que folcloristas costumam lhes dar.

Primeiro, há a idéia de que os habitantes do Reino Encantado sejam os mortos, o Povo Silencioso, como aparece no livro Lud-in-the-mist. Algumas pessoas, após a morte, seriam levadas para o Reino Encantado, e lá desenvolveriam habilidades mágicas. Tornar-se-iam criaturas como as banshees e os brownies da mitologia escocesa.

Ou eles seriam ainda representantes dos elementos, como visto por diversos alquimistas. Há criaturas no Reino Encantado que têm poder sobre o fogo, sobre a água, sobre a terra e sobre o ar. Existem as sílfides e as sereias, as hamadríades, os kelpies, as selkies, os dragões, os gnomos, os pixies... E cada um deles tem seu elemento, seu poder.

Há claro, as teorias de que eles são anjos caídos ou demônios. Goblins, hobglobins, orcs... criaturas das trevas.

A idéia original dos elfos, aliás, em sua vertente alemã e na mitologia nórdica, não têm nada a ver com as criaturas diminutas e miseráveis de Harry Potter; em porte e magnificência, são como os descritos por Tolkien, mas, a bem da verdade, essa aparência seria resultado de um feitiço, o glamour. Nos contos folclóricos, eles estão muito mais interessados em roubar crianças humanas - seja para criá-las, seja para comê-las.

E, claro, há os sidhé da mitologia irlandesa, freqüentemente referidos como faërie, deuses dos Tuatha Dé Dannan, que vivem sob as colinas; que volta e meia roubam humanos - como o faziam Titânia e Oberon em Sonho de uma Noite de Verão - para viver em seus castelos, como amantes, criados, amigos.

Na mitologia celta e no folclore escocês, as fadas são ainda divididas em cortes: a Corte Seelie, de criaturas mais benéficas, capazes de atos de gentilezas com os humanos (mas que nem por isso deixam de ser perigosas) e a Corte Unseelie, com criaturas mais propensas à malignidade. No entanto, isso é bem relativo, porque, de uma forma geral, encaramos as criaturas do Reino Encantado como seres que se guiam principalmente pelo instinto - são egoístas, na medida em que sempre fazem aquilo que é melhor para elas; mas não se pode dizer exatamente que sejam boas ou más, uma vez que são amorais.

Aliás, pelo final da história, cita-se o fato de que Tristan foi um dos responsáveis por derrotar o poder da Corte Unseelie...

Stormhold é apenas um dos muitos reinos existentes dentro do mundo de Faërie - que está loteado e dividido entre raças e criaturas poderosíssimas. Boa parte da história de Stardust se passa em Stormhold (e o resto, no mundo humano..)

2. Por que Primeiro de Maio? E por que nove anos?

A Feira do outro lado do Muro ocorre uma vez a cada nove anos, em Primeiro de Maio, data essa que, no hemisfério norte, é o festival de Beltane na mitologia celta e também a Noite de Walpurgis, que é um festival alemão.

É o início do verão para os Tuatha Dé Danann e uma noite de bruxas na Alemanha - no Fausto de Goethe, há uma cena do nosso bom doutor no Festival de Walpurgis. Acendem-se grandes fogueiras e, de uma forma geral, são feitos rituais em busca de fertilidade.

Tristan foi concebido em Primeiro de Maio (E Mordred também... hehehe). Há um significado na data, um destino já em vista para nosso jovem herói.

O ponto dos nove anos foi respondido pela Tayla (ou, pelo menos, a teoria dela fazia muito mais lógica que a minha, que fui parar no tributo ateniense a Creta e o Minotauro...). Como ela bem lembrou, "na numerologia o número nove é o mais mágicos de todos os números! Isto porque ele é formado por 3 vezes 3 (e 3 é o número mais sagrado. Tanto que todas as religiões tem a sua trindade) e porque todos os seus múltiplos irão resultar em nove quando somamos os algarismos. O nove também indica a finalização de um ciclo e o início de um novo. E, assim como o 7 e 12, ele é muito utilizado para indicar elementos sagrados e mágicos."

3. Época Vitoriana?

A história do livro começa em 1839 - estamos em pleno período vitoriano. Gaiman poderia ter escolhido qualquer época para ambientar sua história é claro, mas talvez seja interessante notar que a Era Vitoriana, ao mesmo tempo em que tem como marco a Revolução Industrial, foi também uma época em que houve um enorme interesse no sobrenatural. Havia todo tipo de crença - ressurreição de ritos druídicos, pesquisas sobre ciências ocultas e, claro, um enorme interesse em fadas.

Não acho que tenha sido por acaso que Stardust se passa no período vitoriano e não no, digamos, período regencial ou georgiano ou seja lá qual outro for. Gaiman não é o tipo de autor que deixa passar coincidências assim.

4. Lembre-se de ter boas maneiras, não aceitar presentes, nem comer ou beber nada que lhe oferecerem

Há um comentário de Tolkien sobre isso naquele ensaio sobre os contos de fadas. Ele explica que uma grande maioria das histórias traz uma proibição, um lugar onde você não deve entrar, ou onde não deve estar em determinado momento, algo que não deve comer, uma passagem proibida... não apenas sob o risco de ficar em débito com aquela pessoa, mas de arriscar a própria centelha daquilo que o faz humano.

A parte da comida e bebida, na minha opinião, vem de um ponto mais antigo da mitologia: o rapto de Perséfone por Hades. Depois de Deméter quase enlouquecer atrás da filha, Zeus conversou com o irmão, e Hades disse que Perséfone poderia voltar, desde que ela não tivesse comido nem bebido nada em seu mundo. No entanto, ela comera seis ou sete sementes de romã (depende da versão da história, já vi contado das duas maneiras).

Sinceramente, se era para passar o resto da eternidade passando seis meses no Inferno, ela deveria ter comido um pouco mais que sementes de romã... Essas coisas nem são gostosas e, se não me engano, servem como um remédio para problemas gastro-intestinais. Já vi alguém recomendando sementes de româ para gases.

O que, sem dúvida, explica muita coisa...

5. Significado do nome Dunstan, do pai de Tristan

Essa lembrança é inteiramente crédito da Tayla e eu concordo plenamente com o que ela disse, sobre a questão de que faltou uma nota sobre o assunto na tradução. Se bem que, a se considerar que a minha edição é em inglês, tal nota não valeria muito para mim...

O caso é que... Dunstan é o nome do santo patrono dos ferreiros e ourives, tendo ficado famoso pelo conto sobre como derrotou o diabo, beliscando-o no nariz com uma pinça de ferreiro em brasa.

Essa história explicaria o comentário da bruxa ao conhecer Dunstan:

— E ainda por cima um nome honesto — disse ela, com um sorriso de provocação. — Onde estão suas tenazes, Sr. Dunstan? Quer pegar o diabo à unha?


Na Inglaterra, St. Dunstan é bastante conhecido, então a referência não se perderia para um leitor inglês. Obviamente, para nosotros é mais difícil encontrar quem tenha tal conhecimento.

Bem, essas foram as notas que advieram da discussão do mês. Dezembro o tema é natal e o livro escolhido pela turma foi O Natal de Poirot. Final de mês que vem, vamos trocar figurinhas sobre assassinatos natalinos. XD



A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog