25 de agosto de 2018

A Vertigem das Listas: Oito Personagens Azarados


Dizem as más línguas que agosto é o mês do desgosto. Aparentemente, a má fama vem do tempo das grandes navegações, vez que, sendo um mês de muitos ventos, agosto era quando as caravelas deixavam os portos europeus para cruzar os mares. Os marinheiros se casavam com suas noivas antes de viajar e logo em seguida as deixavam sozinhas - e, potencialmente, viúvas. Destarte, casar em agosto era um sinônimo de desgosto, pelo que o dito popular chegou até nós.

Há outros motivos pelos quais as pessoas considerado agosto de mau agouro, mais especificamente, a coincidência de várias datas trágicas, como o início da Primeira Guerra Mundial, as bombas atômicas no Japão, ou, cá no Brasil, o suicídio de Vargas.

Pessoalmente, (acho que) não tenho problemas com agosto, mas decidi aproveitar o gancho para puxar a lista do vertigem desse mês, de Oito Personagens Azarados. A Ísis ainda está enrolada com o doutorado e a temporada de tufões no Japão (...), então segue só a lista de dona Lu...

1. Os Órfãos Baudelaire - Violet, Klaus e Sunny Baudelaire, de Desventuras em Série, são irmãos desafortunados, órfãos, perseguidos por sociedades secretas e pelo Conde Olaf, ganhando e perdendo guardiães com uma rapidez impressionante. Nos treze volumes dessa série eles enfrentam incêndios criminosos, sanguessugas famintas, monstros mecânicos e variados planos maléficos. O azar dos três é algo impressionante, quase inacreditável, mas tantos perigos pelos quais passam as crianças nos lembram que crianças são seres resilientes, capazes de enfrentar todos os dragões que lhes aparecem pelo caminho.


2. Arthur Dent - o dia de Arthur Dent já não começara muito bem, ao início de O Guia do Mochileiro das Galáxias, mas nunca se pode esquecer que as coisas podem piorar. E o que é a demolição de uma casa perto da demolição… do planeta? Por sorte (será mesmo?), o melhor amigo de Arthur é um alienígena que o leva de carona por uma aventura pelo espaço, ao lado de um robô depressivo, o maluco fugido presidente da galáxia, outra humana que pouco antes dos acontecimentos dera um fora em Dent, tudo isso a bordo de uma nave que utiliza o poder da improbabilidade para navegar. Precisa dizer mais?


3. Rincewind - Se houver chance de alguma coisa dar errado no entorno de Rincewind, o mago, pode ter certeza que ela dará. Personagem recorrente da série Discworld, Rincewind está sempre pronto a fugir da última enrascada em que se meteu (ele provavelmente ganharia qualquer prova de corrida em que o colocassem), mas é certo que, mesmo que ele tente se esquivar, o destino arranjará uma maneira até mais terrível de colocá-lo em apuros - seja jogando-o para fora dos limites do mundo, lançando-o contra dragões, criaturas lovecraftianas do Calabouço das Dimensões, ao alcance da navalha de loucos de toda espécie e por aí afora.

4. Willy Coiote - pessoal da minha geração e mais das antigas certamente vai se lembrar do coitado do Wile E. Coyote (ou Willy Coyote, na versão em português), personagem de Looney Tunes sempre às voltas com planos mirabolantes para capturar o (sacana) galo corredor Papa-Léguas. Problema do Willy é que ele conta com os produtos ACME, que têm o condão de explodir ou se destruir nas situações mais bizarras possíveis, desafiando qualquer tipo de lógica ou mesmo a lei da gravidade. Na minha modesta opinião, Papa-Léguas é um FDP sádico que se delicia em não apenas fugir de seu predador natural (algo bastante normal), mas em assistir Willy Coiote se ferrar das maneiras mais dolorosas e humilhantes possíveis. Eu confesso: queria que, algum dia, o Willy devorasse o Papa-Léguas, ainda que ele seja considerado o ‘vilão’ da história...


5. Harry Dresden - tô devendo de voltar a ler a série Dresden Files, mas mesmo que faça algum tempo que não pego nas histórias desse mago investigador, não tenho sombra de dúvida de que Harry é… um ferrado na vida. Esse é outros daqueles personagens que se metem em problemas dos mais bizarros e se uma situação tem potencial para se transmudar em caos e desordem, com grandes perdas de sangue no processo, então pode ter certeza de que isso vai acontecer. Quando não são vampiros, são fadas de cortes sombrias, templários, ou mafiosos aparentemente simpáticos. Fato é que, não tem jeito, Dresden está sempre se metendo em enrascadas mortais, numa falta de sorte impressionante.

6. Severus Snape - Severus tem… eu nem sei explicar o quanto de azar Severus Snape tem. O professor de poções da série Harry Potter perdeu a mulher amada, tornou-se agente duplo, triplo, duplo, foi humilhado, torturado, teve de passar sete anos protegendo o filho do homem que ele mais odiava no mundo, para depois descobrir que deveria levar o garoto como cordeiro ao sacrifício, chamado de traidor, covarde e assassino, tudo para seguir os planos do (sádico) Dumbledore. O que mais falar sobre o assunto?


7. Macbeth - já passei por literatura infanto-juvenil, ficção científica, fantasia e animações, agora entro nos clássicos. Macbeth é um personagem bem azarado se você pensar na forma como as coisas se desenrolam para ele - como ele é conduzido pelo destino, levado ao assassinato por uma profecia auto-executável, pela esposa ambiciosa e depois fica sendo torturado pela própria consciência, incapaz de aproveitar os ganhos de seu crime. O que é meio irônico é que não só o personagem tem uma sorte trágica: a própria peça tem um histórico conturbado, com montagens cheias de acontecimentos funestos, o que lhe rendeu uma fama de maldição. As peças normalmente envolvidas no teatro não falam de Macbeth como uma peça azarada, mas não costumam se referir a ela pelo nome, mas sim por ‘a peça escocesa’.

8. Santiago - terminando a lista de hoje, vamos ao mais lembrado romance de Hemingway, O Velho e o Mar. Santiago, o velho do título, é um pescador que após uma maré baixa de trabalho, luta com um extraordinário e enorme marlim. Seu embate com o peixe o exaure física e psicologicamente, mas ele consegue vencer. O futuro parece promissor, haverá comida na mesa e moedas no bolso, exceto… exceto que pelo meio do caminho do alto mar para a praia havia todo tipo de outros predadores para fazerem a festa com a carcaça de seu prêmio. A vitória de Santiago é uma vitória vazia, trágica, e talvez melhor seria nunca ter encontrado o marlim, ainda que isso lhe renda o respeito dos outros pescadores da vila.

Assim, aqui termino minha lista de hoje. Que outros personagens azarados vocês têm na memória? Compartilhem suas listas conosco! Mês que vem tem mais, no próximo Vertigem das Listas!


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog