21 de dezembro de 2011

Desafio Literário 2011: Dezembro - Lançamentos || Hogfather




“All right," said Susan. "I'm not stupid. You're saying humans need... fantasies to make life bearable."

REALLY? AS IF IT WAS SOME KIND OF PINK PILL? NO. HUMANS NEED FANTASY TO BE HUMAN. TO BE THE PLACE WHERE THE FALLING ANGEL MEETS THE RISING APE.

"Tooth fairies? Hogfathers? Little—"

YES. AS PRACTICE. YOU HAVE TO START OUT LEARNING TO BELIEVE THE LITTLE LIES.

"So we can believe the big ones?"

YES. JUSTICE. MERCY. DUTY. THAT SORT OF THING.

"They're not the same at all!"

YOU THINK SO? THEN TAKE THE UNIVERSE AND GRIND IT DOWN TO THE FINEST POWDER AND SIEVE IT THROUGH THE FINEST SIEVE AND THEN SHOW ME ONE ATOM OF JUSTICE, ONE MOLECULE OF MERCY. AND YET—Death waved a hand. AND YET YOU ACT AS IF THERE IS SOME IDEAL ORDER IN THE WORLD, AS IF THERE IS SOME... SOME RIGHTNESS IN THE UNIVERSE BY WHICH IT MAY BE JUDGED.

"Yes, but people have got to believe that, or what's the point—"

MY POINT EXACTLY.

Passei quase metade do ano querendo ler esse livro e me segurando para só pegá-lo agora em dezembro. Comprei-o quase que ‘em pacote’ por volta de abril ou maio (não lembro agora com certeza...) com todos os outros livros de Pratchett que eu ainda não tinha (num total de dezesseis volumes de uma vez).

Sem maiores comentários...

Já conhecia a história de Hogfather pela adaptação em série de 2006 – e é claro que tinha adorado do começo ao fim tudo aquilo. Depois de ler o livro – na ordem correta, com Soul Music antes, embora isso não seja realmente necessário para entender a história... – só o que posso dizer é que requeri uma carteirinha ao fã-clube de Morte. E se ainda não abriram esse fã-clube, acho que está mais que na hora de providenciar um, né?

Ok, agora, antes que eu arranje mais sarna para me coçar e comece a produzir carteirinhas ou agitar pompons, vamos ao que interessa...

O Disco é um mundo fantástico em forma de pizza, apoiado no lombo de quatro elefantes que por sua vez se equilibram em cima da carapaça de uma tartaruga de proporções cósmicas, a grande A’Tuin. De certa forma paralelo ao nosso próprio mundo, o Disco ecoa e reflete várias de nossas crenças, mitos e costumes.

Assim é que começamos Hogfather, o 20º livro da série, às vésperas da Vigília dos Porcos, quando o Hogfather (equivalente ao nosso Papai Noel, mas numa tradução literal, Pai Porco...) sai pelo mundo vestindo uma roupa vermelha, num trenó carregado por porcos descomunais, com uma lista de todas as crianças e notas sobre o comportamento delas, do que dependerá se sairá de seu saco de presentes brinquedos ou carvão.

Até aí tudo bem. O problema é que... o Hogfather foi morto por um associado da Guilda dos Assassinos, Mr. Teatime, por ordem dos Auditores da Realidade (vide O Senhor da Foice)... e, para que a civilização não acabe e o sol nasça outra vez no horizonte, eis que Morte decide assumir a posição, com a ajuda de Albert, elevado à posição de elfo.

E, enquanto Morte percorre o mundo inteiro numa única noite tentando restabelecer a crença no Hogfather (dessa forma salvando a verdadeira entidade antropomórfica símbolo das festividades), sua neta, Susan St. Helit, com a ajuda do Oh! Deus de todas as Ressacas, investiga o que está acontecendo no Reino da Fada do Dente.

Para completar, o vácuo deixado pela morte do Hogfather está fazendo com que todo tipo de criatura imaginada (mas supostamente verossímil, existe uma diferença, como os magos da Universidade Invisível irão descobrir...) – tais como o duende das verrugas e o monstro devorador de meias – apareçam na Realidade.

Entre Morte tentando convencer as crianças de que ele (mas não ele, se é que dá para entender...) existe; um psicopata de mente perversamente genial fazendo seus próprios malucos planos e Susan remexendo em toda a confusão para compreender e resolver o que está acontecendo, essa será, certamente, uma inesquecível Vigília dos Porcos.

E não se esqueça... you better watch out, you better not cry, better not pout, I'm telling you why…

Nota: 5
(de 1 a 5, sendo: 1 – Péssimo; 2 – Ruim; 3 – Regular; 4 – Bom; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Hogfather
Autor: Terry Pratchett
Editora: HarperCollins
Ano: 2008
Número de páginas: 354




A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog