31 de julho de 2010

Para ler: The Search for the Red Dragon



Before any of them could elaborate further, they were interrupted by a knock at the study door.

"I'm dreadfully sorry to interrupt," said Warnie, "but it seems we've, ah..." He paused and bit his lip, as a curious and puzzled expression came over his face.

"Warn?" said Jack. "What is it? What's happened?"

"Oh, nothing bad - I think," Warnie replied. "But it appears we have an angel in the garden."


Eu comentei o primeiro livro dessa série, Here, there be dragons no começo do mês, observando que tinha sido um início meio morno, mas ainda assim interessante. Eu tinha esperado mais do livro inicialmente e ele acabara um tanto aquém das minhas expectativas.

Talvez por ter lido este segundo volume já sem esperar demais, eu tenha realmente me surpreendido com o turno que a história tomou; a forma como Owens conseguiu explorar diferentes níveis de narrativa, não apenas intercalando, mas também unindo numa corrente lógica de paralelos mitos clássicos, folclore e literatura me prendeu completamente.

Sim, porque conseguir encadear numa mesma seqüência de idéias a caverna de Platão, Dédalo, o mito dos Argonautas e a tragédia de Medéia com o flautista de Hamelin, A Cruzada das Crianças de 1212, A Divina Comédia e Peter Pan - e uma seqüência que faz incrível sentido - é algo a ser admirado.

Neste segundo livro das Crônicas da Imaginarium Geographica, nove anos se passaram desde que John, Charles e Jack se tornaram guardiães do Imaginarium Geographica, um atlas com mapas de todas as terras imaginadas, em mitos, lendas e histórias de todas as épocas.

Lembrando que, desses três, ao menos dois são razoavelmente conhecidos do grande público: John é J.R.R.Tolkien e Jack é C.S.Lewis. Em sua função, eles foram precedidos por muitos outros grandes autores, como H.G.Wells, Júlio Verne, Dante Alighieri e por aí vai...

Os três andam tendo sonhos em que se misturam gigantes e crianças... e eles sentem que, de alguma forma, isso está ligado ao que aconteceu no Arquipelágo dos Sonhos. Assim, eles se reúnem na casa de Jack para discutir a questão e são surpreendidos com a aparição de uma menina usando asas, que se apresenta como Laura Glue, pertencente aos meninos perdidos da Terra do Nunca.

Laura Glue está atrás do Guardião do Livro, mas não dos atuais guardiães... e sim de Sir James Barrie, o escritor de Peter Pan, que já foi antes um guardião, mas abandonou seu posto.

Descobre-se então que algo grande está acontecendo no Arquipelágo dos Sonhos, algo que possivelmente poderá intervir no futuro do nosso mundo. As crianças de todas as ilhas do Arquipelágo sumiram; os rumos da história estão mudando e a própria teia do tempo e do destino, como revelado pelas Moiras, está em perigo.

Eu gostei muito mais desse livro do que do primeiro. Os personagens como um todo se revelam mais maduros (eu gostaria de observar que adorei o Artus como rei!), há tintas mais sombrias jogadas na história. Alguns pontos da narrativa ainda deixam um pouco a desejar; poderiam ter sido melhor desenvolvidas... mas acho que essa é uma questão do ponto de vista pelo qual o autor decidiu contar a história - ainda que eu tivesse gostado de ver o que aconteceu às crianças enquanto elas estavam seqüestradas, seguindo em sua cruzada, eu entendo a escolha que Owens fez. Seria jogar demais num livro só e ficariam cansativo para os leitores.

Mas bem que ele podia escrever um spin-off ou coisa do tipo... eu ia gostar de ler...

Enfim, Owens subiu o nível neste livro... resta saber se vamos continuar assim pelos próximos volumes... De uma forma ou de outra, eu recomendo a leitura - embora faça a advertência de que aqueles não familiarizados com mitologia clássica talvez se percam um pouco.

Na dúvida, dêem uma lida ao menos na história do Velocino de Ouro (que é um dos mitos mais tristes do quais me lembro) e de como Jasão partiu, com os argonautas - o maior grupo de heróis já coligado sob uma mesma liderança - atrás dele, bem como o que aconteceu posteriormente, com a traição de Jasão a Medéia.

Vale à pena conhecer...


A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Aiai... Detesto resenhas que me fazem querer comprar livros ¬¬ Como se eu já não tivesse pouco dinheiro...

    Lu, você viu que o livro vai sair em dezembro em português pela Editora Underworld? Será que eu compro em inglês ou espero lançar em português? =X

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog