1 de julho de 2009

Vampiros: Por Trás da Máscara - Parte I




Vampiros estão na moda – não é muito difícil perceber isso. A maioria dos blogs que freqüento, as pessoas com quem converso, as coisas que escrevo, os livros novos que saem na livraria toda vez que passo por lá... parece que todo mundo tem um ou dois cents para acrescentar ao bolo da história.

Por essas e outras, decidi começar um artigo sobre vampiros
– não especificamente em nenhuma obra literária ou cinematográfica (embora elas provavelmente serão citadas por aqui), mas toda a parte mitológica, origens e curiosidades gerais do assunto.

Para começo de conversa, o que cargas d’água é um vampiro? Sem digressões filosóficas, vamos direto para a definição do dicionário (Larousse, caso tenham curiosidade em saber)

Vampiro s.m. (sérvio vampir). 1. Morto que, segundo as lendas e o folclore de certos países, sai provisoriamente da sepultura, à noite, para sugar o sangue dos vivos, levando consigo a vitalidade das vítimas. 2. Denominação comum aos morcegos hematófagos, transmissores da raiva nos bovinos, que eventualmente atacam o homem. 3. Fig. Indivíduo que obtém muito dinheiro ou vantagem à custa do trabalho alheio.


Embora costumemos relacionar a tradição clássica do mito do vampiro ao famoso Conde Drácula, as lendas são muito mais antigas, podendo ser encontradas tanto no Oriente quanto no Ocidente. Praticamente todas as grandes culturas apresentam uma ou mais histórias sobre vampirismo, diferindo em muitos pontos, mas sempre concordando numa questão – a de vampiros serem criaturas das trevas, imortais e terem uma dieta de sangue (embora haja certas exceções que, discutidas, seriam tiradas da categoria vampiro para a categoria demônio, mas vamos concordar com a mitologia por hora).

Como já dito anteriormente, há vampiros em todas as culturas humanas, muito antes de Vlad Dracul sequer sonhar em nascer. Aí vão algumas dessas criaturas, com suas características mais peculiares e marcantes para saciar a curiosidade de vocês; além, é claro, dos meus comentários cretinos (ou não) em azul...

ÁFRICA

Asanbosam

É um vampiro encontrado na África, conhecido entre o povo Ashanti, que ocupa o sul de Gana, e pelos povos da Costa do Marfim e Togo. Acredita-se que o Asanbosam viva em florestas fechadas. Em geral, possui a forma humana, com duas exceções: seus dentes são feitos de ferro possuírem cascos em vez de pés. Tendem a morder suas vítimas no polegar. Não consegui achar uma explicação lógica para a coisa de morderem no polegar... contudo, a descrição de cascos no lugar dos pés me fez perguntar se ele não seria um descendente do Deus Pã... Estou quase para ir nos meus livros de mitologia para tentar descobrir se Pã tem alguma característica vampírica. Até onde me lembro, ele só fazia dançar com as ninfas e tocar sua flauta de caniços...

Adze

Um espírito vampírico que reside em feiticeiros das tribos dos Ewe, um povo que habita parte do sudeste de Gana e sul de Togo, na África. O Adze voa por aí na forma de vagalumes, mas se capturado, muda para a forma humana. Ele bebe sangue, óleo de palmeira e água de coco; e persegue crianças, principalmente as mais bonitas. Engraçado... Alguém aí já viu um vampiro ir atrás de alguém feio? E olhe que algumas dessas criaturas são feias de dar dó... Complexo da Bela e a Fera?

ÁSIA

ASSÍRIA

Ekiminu

São espíritos malignos assírios, metade fantasma e metade vampiro. Invisíveis, podem possuir seres humanos. Originam-se de sepultamentos impróprios. Podem ser destruídos usando-se armas de madeira ou através de exorcismo.

CHINA

Ch’Iang Shih

Criadas quando um gato pula sobre o corpo de um cadáver. Ele se levantará assim dos mortos e poderá matar com bafo venenoso, além de poder sugar o sangue da vítima. Se um Ch’Iang Shih encontra uma pilha de arroz, ele tem de contar os grãos antes de passar. Possui uma forma imaterial semelhante ao fogo-fátuo (esfera de luz). Ok, então... o Ch’Iang Shih tem um bafo de lascar... bem, era de se esperar, ele é um cadáver em um certo nível de decomposição, não é mesmo? Não acho que vampiros se preocupem muito em escovar os dentes depois de cada refeição, então todos eles deveriam ter um hálito horrível. Mas, sério, ter que contar montinhos de arroz? Eu imaginei uma hilariante historinha aqui... talvez eu a escreva mais tarde para meu próprio e perverso deleite...

FILIPINAS

Aswang

Uma bela mulher de dia e um temível demônio alado durante a noite. O Aswang pode ter uma vida normal durante o dia. À noite, contudo, a criatura é levada para a casa de suas vítimas por pássaros noturnos – ou se transforma num pássaro, a depender de quem conte. Pousa no telhado da vítima e sua enorme e pontuda língua, que pregava na veia jugular da vítima, por onde ela sugava o sangue. Após se alimentar, Aswang ficava parecendo uma mulher grávida. Prefere se alimentar de crianças. Se um Aswang lambe a sombra de uma pessoa, acredita-se que essa pessoa morrerá em breve. Pergunta-se: como é que você lambe a sombra de uma pessoa? Ok, não quero saber...

Bebarlangs

Eram membros de um tribo filipina que praticavam uma espécie de vampirismo psíquico. Eles aparentemente enviam seus corpos astrais e se alimentam da força vital dos indivíduos que atacam. Uau! Que viagem... me pergunto se o que eles estavam fumando na época estava vencido...

ÍNDIA

Baital

Sua forma natural é metade homem, metade morcego, medindo mais ou menos um metro e meio de altura. Fantástico! Existem vampiros anões!

Bhuta

Um vampiro da Índia originado após a morte violenta de um indivíduo. O Bhuta é encontrado em ruínas, cemitérios e outros locais abandonados, especialmente em desertos, alimentando-se de excrementos ou intestinos. O ataque dessa criatura geralmente resulta em doenças severas ou em morte. Podem se transformar em corujas e morcegos. Sempre sedentos, eles também gostam de leite, e atacam bebês logo após terem sido amamentados. Dizem também que podiam possuir humanos. O hálito do Bhuta deve ser pior que o do Ch’Iang Shih... argh... sério, comer merda é de matar... pior é que o cara nem teve culpa, ele foi no mínimo assassinado à traição ou coisa do tipo. Ei, agora me toquei de uma coisa... estamos falando de vampiros indianos... será que o Bhuta é o pária no sistema de castas vampírico? E outra... sangue e leite? Que dietazinha sinistra...

Bramahparush

Um vampiro indiano que aprecia consumir seres humanos. Essa criatura inicialmente bebia o sangue de suas vítimas através de seus crânios, depois comia seus cérebros e terminavam por enrolar os corpos de suas vítimas com seus próprios intestinos para, finalmente, realizar uma dança ritual. Nada se perde aqui, além da refeição completa, ainda tem farra depois!

Churel

Um vingativo vampiro fantasma encontrado na Índia, normalmente uma mulher que morreu enquanto estava grávida no Festival Dewali. Diz-se que ela é desprezível na aparência, possuindo pingentes nos seios, feios lábios grossos, uma língua negra e cabelos desgrenhados. Coitada... além de morrer – grávida – ainda volta feia feito o inferno... Eu entenderia que as alma os condenados e suicidas se transformassem em vampiros como acontece em algumas lendas, mas há uma série de mitos em que as pessoas são transformadas sem terem feito nada de errado para ganharem tal fardo...

Rakshasa

Poderosa vampira e feiticeira, geralmente aparenta ser um ser humano, mas com características animais (garras, presas, olhos em fenda) ou animais com características humanas (pés, mãos, nariz). O lado animal é quase sempre um tigre. Elas comem a carne de suas vítimas, além de beber seu sangue. Podem ser destruídas por fogo extremo, luz do sol ou exorcismo. Não faço idéia do que seja fogo extremo, mas tudo bem... Um tigre, hein? Outra que deve ter um hálito daqueles...

JAPÃO

Kappa

Os Kappa são pequenos como crianças, pele amarelada, membranas entre os dedos das mãos e dos pés, narigudos e olhos redondos. A pele se parece com a da tartaruga, eles cheiram a peixe, e suas cabeças são côncavas, onde mantém água dentro. Se vazar, o Kappa perde as forças. Kappas se alimentam nas margens aquáticas, onde puxam criaturas e sugam seu sangue através do ânus. Ugh... poxa, o polegar agora parece bastante lógico...

MALÁSIA

Bajang

É um vampiro malásio do sexo masculino, parecendo um gato ou doninha e normalmente assustando crianças. O Bajang pode ser escravizado e transformado em um servo demoníaco que, geralmente, é passado de uma geração para outra dentro da mesma família. Ele é mantido em um tabong (uma espécie de veículo feito de bambu) que é protegido por vários encantamentos. Enquanto mantido aprisionado, o vampiro é alimentado com ovos e toma a forma de seu dono quando não é bem alimentado. O mestre de um Bajang pode mandá-lo atacar seus inimigos - o inimigo geralmente morre logo após, devido a uma doença misteriosa. De acordo com as tradições, o Bajang é proveniente de um corpo de um natimorto, trazido à vida através de vários encantamentos. Em resumo, o coitado do recém-nascido que sequer teve muito tempo de respirar é ‘vuduzado’ (e isso me lembrou uma história dos tempos de promotoria sobre a qual contarei mais outro dia) para virar uma espécie de gênio da lâmpada que, além de tudo, é forçado a só comer ovos.

AMÉRICA

Asema

Vampiro Sul-Americano, normalmente descrito como um velho durante o dia, que podia sair de sua pele, e se tornar uma bola de luz azul durante a noite. Apenas nessa forma ele podia se alimentar. As proteções contra o Asema eram o alho, ervas comestíveis, e espalhar arroz ou sementes do lado de fora de uma porta, pois ele tinha que contar os grãos antes de entrar na casa. Então, o vampiro chinês e o sul-americano têm algo em comum... esse aqui não é só arroz, mas qualquer semente. Queria entender a lógica por trás disso, estou sem idéias no momento. Alguém se arrisca?

Camazotz

Os maias acreditavam nesse deus (da agricultura) e o temiam pelas suas "tendências sanguessugas" e aparência horrível (tinha longos e afiados dentes e também garras). Costumava morar em cavernas, onde podia atacar pessoas para drenar sangue.

Civatateo

Uma vampira-bruxa encontrada entre o povo Asteca. Conhecida por ter sua origem como mulheres nobres que morriam no parto e, depois passavam a ser servas de várias divindades lunares. As crianças eram suas vítimas favoritas, que morriam rapidamente após o ataque fulminante de alguma doença. Essas vampiras eram conhecidas por possuírem faces e mãos alvas como giz e ossos pendurados em suas vestes. Aparentemente, as grávidas em geral que morrem durante ou após o parto não têm perdão mesmo...

Loogaroo

No folclore do Haiti, as Loogaroos sempre eram mulheres velhas, que tinham feito pactos com o demônio. O demônio cobrava um pouco de sangue quente todas as noites, e em troca, dava às Loogaroo poderes mágicos. Para conseguirem sangue, elas saíam de suas peles, e se transformavam em bolas de luz.

Sukuyan

De Trindade, são parecidas com a Loogaroo. Tinham que deixar sua pele durante a noite, e viajar como bolas azuis de luz em busca de sangue. Se fossem presas, as Sukuyan podiam se transformar em algum animal, e sem suas peles eram capazes de voltar à forma humana.

Tlahuelpuchi

Pessoas (geralmente mulheres) astecas, que supostamente tinham a habilidade de se transformar em vários animais e atacar pessoas, mais as crianças, e sugar seu sangue. O mais comum eram se tornarem perus, mas cães, gatos, dentre outros mais, eram reportados. Maravilha! Um peru vampiro! Glu, glu, glu...

EUROPA

EUROPA CENTRO-OCIDENTAL

Baobhan Sith

Fada-demônio escocesa, aparece na forma de uma jovem mulher e dançará com o homem que escolher até que o mesmo se esgote, para depois se alimentar dele. Pode ser morta por ferro frio. Alguém se lembrou de Giselle? O Balé?

Dearg-Due

São vampiros irlandeses, criados pelos druidas. Não mudam de forma e quando mortos, deve-se depositar uma série de pedras sobre seus túmulos.

Succubus

Alimentam-se pela energia dispersada no ato sexual, mantendo relações com suas vítimas até que as deixe exaustas. Podem entrar numa casa sem serem convidadas e adquirir a aparência de qualquer pessoa. A vítima de uma Succubus interpretará a visita como um sonho. Sua versão masculina é um Inccubus. “Mas, querido, eu não o traí quando você estava na guerra. Veja, foi um Inccubus que veio aqui e me engravidou! A culpa não é minha”. É, não é difícil descobrir de onde vieram esses, né?

Leanhaum-shee

Sedutora fatal do folclore irlandês, que usava sua beleza para atrair homens. Então a vítima masculina tinha sua vida sugada aos poucos, pela amante vampiresca. O único modo de se escapar dela era arranjando um substituto, outro homem para ser inconscientemente sua nova presa. Assim a vítima original escapava.

Nachzerer

Alemães, eles eram fantasmas de cadáveres recentes, que retornavam da morte para matar seus familiares. Estaria o morto se sentindo muito sozinho no pós-vida e decidido que queria companhia?

Redcaps

Escoceses, eram espíritos malignos que assombravam castelos e outros lugares onde havia acontecido algo violento. Se alguém dormisse em algum local assombrado por um Redcap, ele tentaria mergulhar sua capa em sangue humano. Podia ser afastado facilmente por uma palavra da Bíblia ou uma cruz.

Tenatz

Supostamente, eram corpos de pessoas doentes tomadas por espíritos. Eles podiam vaguear pela noite, e sugar o sangue das pessoas adormecidas. Eles podiam se transformar em ratos para entrarem e saírem de seus túmulos.

EUROPA MERIDIONAL

Callicantzaros

Eram crianças gregas nascidas na semana entre o Natal e o Fim do Ano, que acreditavam serem azaradas, e que se tornariam vampiros após a morte. Agiam apenas no dia de Natal e nos 20 dias posteriores. Conhecidos por suas longas unhas, que usavam para cortar suas vítimas. Céus, o que há de tão maligno em nascer depois do Natal? Que coisa... Tem umas coisas que realmente não dá para entender...

Empusa

Conhecida na Grécia e em Roma, eram lindas mulheres com o pé esquerdo feito de bronze, outras vezes com o casco de mula, que atraíam homens para matá-los e se alimentarem deles. Na Rússia ela era temida porque aparecia à meia-noite na época das colheitas, como uma viúva, e costumava quebrar os braços e as pernas dos trabalhadores. Empusas apareciam tanto como lindas damas, ou como velhas bruxas.

Kathakano

São oriundos da ilha de Creta, na Grécia. São mais parecidos com o mito comum dos vampiros – pele branca, olhos arregalados, caninos pontiagudos -, mas podem ser mortos apenas se forem decapitados e tiverem a cabeça fervida em vinagre. Sempre sorridentes, com dentes branquíssimos, estes vampiros cuspiam sangue, que causavam horríveis queimaduras. Vai um ensopado de vampiro aí? Alguém mais se lembrou de Ali Babá e os Quarenta Ladrões ou só eu faço essas conexões malucas?

Lamia

Originária da Roma e Grécia Antiga. São exclusivamente fêmeas, sendo geralmente metade humana, metade animal – serpente, na parte inferior do corpo. Além de beber o sangue, também comem a carne de suas vítimas. Podem ser atacadas e destruídas com armas normais. Originalmente, era uma rainha da região da Líbia que foi seduzida por Zeus – eu me pergunto quem NÃO foi seduzido por Zeus no panteão grego... – sendo castigada pela sempre ciumenta Hera com a transformação.

Strigoiul

Vampiro romano, prefere atacar em bando. Podem ser destruídos se for posto alho em sua boca ou se seu coração for arrancado.

LESTE EUROPEU

Blautsauger

Originários da Bósnia-Herzegovina, eram carecas, sem esqueleto e com enormes olhos. Eles apenas podiam transformar suas vítimas em vampiros se as forçassem a comer terra de seu túmulo.

Dakhanavar

Um vampiro da Armênia que vivia na natureza e atacava os viajantes pela noite, sugando o sangue dos pés deles. Dois homens dormindo podiam enganá-lo, deitando a cabeça nos pés do outro. O vampiro ficava frustrado pela visão de duas cabeças e nenhum pé... e corria para longe, para nunca mais ser visto. Que vampiro burro! Sério, cada um pior que o outro... Na África, mordem seu polegar. No Japão, o vampiro está interessado em suas partes íntimas... e na Armênia, eles são chegados num chulé...

Krvopijac

Vampiros búlgaros, também conhecidos como Obours. Têm apenas uma narina e a língua longa e pontiaguda. Podem ser imobilizados se forem colocadas rosas em seus túmulos e destruídos quando conjurada uma palavra mágica numa garrafa e essa for atirada em uma fogueira. Rosas? Sério mesmo? Um é obrigado a parar para contar grãos de arroz e o outro é imobilizado por rosas??? Onde estão os colares de alhos?

Lidérc

Uma succubus húngara, que podia aparecer como uma mulher, um animal ou uma luz brilhante. Era dito que elas não tinham habilidade de se metamorfosear, mas podiam existir em todas as formas, uma de cada vez. Parece que elas atacavam suas vítimas da mesma maneira que uma Succubus.

Mulo

Sérvios. Literalmente significa, "aquele que está morto". Os Mulé (plural de Mulo) são crenças dos ciganos. Um Mulo era qualquer indivíduo que morreu de alguma maneira horrenda (suícidio, acidentes) e se tornavam vampiros, que deviam encontrar os responsáveis por sua morte. Eram normais, exceto talvez algum dedo perdido, ou outra anormalidade. Os ciganos eslavos e alemães acreditavam também que os Mulos não tinham ossos. Eram ativos tanto de dia quanto de noite, e podiam se transformar em cavalos ou ovelhas. Eles comiam suas vítimas e bebiam seu sangue. Mulos também eram chamados de Vlokoslak.

Nosferatu

Uma das definições seria uma versão moderna da palavra "nosufur-atu", derivada do grego "nosophoros", que significa "portador da peste". É o termo para vampiro na Europa central e do leste. É o vampiro "tradicional", descrito em Drácula, e em outros livros e filmes.

Nora

Um humanóide pelado, que era invisível. Ele atacava pulando nas mulheres, e sugava violentamente os seios. Nora é só conhecido na Hungria. Não vou mais comentar na predileção bizarra de algumas dessas criaturas. Sério. Não vou...

Upierczi

Esses vampiros têm origem na Polônia e na Rússia e também são chamados de Viesczy. Possuem um ferrão sob a língua ao invés de presas. Ficam ativos a partir da meia noite e só podem ser destruídos por fogo extremo. Quando incendiado, seu corpo irá explodir, dando origem a centenas de pequenos e repugnantes animais (larvas, ratos, etc). Se algumas dessas criaturas escapar, então o espírito do Upierczi escapará também, e retornará para reclamar vingança. Essa idéia do corpo explodir e virar um monte de criaturinhas nojentas... Tenho impressão de que um dos Duques do Inferno tem esse poder. Não me lembro agora qual... Mas sei que tem um deles. Será Belial? Não, acho que não... depois eu tento descobrir.

Ustrel

Vampiro Búlgaro. Era uma criança que nascia no sábado, e morria antes do batismo. Nove dias após o enterro, acreditavam que o Ustrel se erguia de seu túmulo, e sugava sangue de carneiros e do gado local. Se um Ustrel atacasse uma comunidade, alguém contratava um "vampirdzhija", um caçador de vampiros. Esse caçador tinha a habilidade de ver os Ustrels, e podiam detectar quem era ou não um Ustrel na comunidade.

OCEANIA

Yara-ma-yha-who

Nas culturas aborígenes da Austrália, existem relatos de um ser vampírico descrito como um homenzinho vermelho, sem dentes, com cabeça e boca enormes, com orifícios nos dedos das mãos e dos pés como os de um polvo. Diziam que ele caía das árvores em cima de suas vítimas sugando o sangue delas com os pés e as mãos, deixando-as fracas e debilitadas. Às vezes voltava depois para engolir o que sobrava.


Muito bem, após termos dado a volta ao mundo com os vampiros – e, por mim, eu teria colocado o chupacabra aí pelo meio – vamos ao que interessa.

É interessante perceber como diferentes culturas, em diferentes partes do globo, possuem um mito com características gerais semalhantes. Como a história do Grande Dilúvio, que levou cientistas a acreditarem que algo do tipo realmente aconteceu pela região da Mesopotâmia.

Para explicar essa "coincidência", podemos nos apegar a diversas hipóteses. Apliquemos assim o método científico - eu sabia que algum dia aquilo ia servir de alguma coisa...

Jung fala sobre a idéia de arquétipos - modelos inatos que servem de matriz para o desenvolvimento da psique. Eu gosto dessa teoria; a noção de vampiros como um padrão dentro do chamado inconsciente coletivo.

Quem estuda mitologia sabe que, em geral, os mitos nascem de fatos; da observação de acontecimentos naturais - Tupã nasceu do fascínio dos índios com os raios; Thor provavelmente tinha uma encarnação muito humana na figura de um homem enorme e colérico em meio a uma tempestade e por aí vai.

Existem morcegos por todo mundo, embora apenas três espécies sejam efetivamente hematófagas. Eventualmente, em contato com esses animais, o bicho homem saiu-se com o mito.

Claro, sempre podemos acenar com as famosas teorias da conspiração e admitir que vampiros existem e eles estão entre nós...

Eu, particularmente, adotaria uma teoria mista entre as duas primeiras hipóteses. Claro, falo isto de um potno de vista puramente racional e científico e não com minha imaginação hiperativa de escritora. Não adentremos em maiores detalhes; cada um crê no que quer crer.

Tendo definido nosso objeto de estudo, conceituado e dado exemplos pelo mundo, vamos ao próximo passo: as origens.

Engraçado... isso me lembrou a introdução da minha monografia...

Continua...


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Como eu te disse, se a Bella tivesse lido seu artigo, teria descoberto bem mais cedo que o Eddie é vampiro XD

    ResponderExcluir
  2. Lulu, o delírio das Bacantes podia se tornar um banho de sangue!...

    "Um humanóide pelado, que era invisível. Ele atacava pulando nas mulheres, e sugava violentamente os seios. Nora é só conhecido na Hungria."

    (Não, eu NÃO POSSO escrever aqui tudo o que eu pensei quando li isso, HUAHUAHUAHAUHAUHAUAHUAHUAHAUAHUAHAUA!!!!!)

    Bem, eu acredito nos vampiros de energia, pessoas que são, voluntaria ou involuntariamente, de sugar a energia vital de um ambiente ou de uma pessoa para se fortalecerem.

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog