20 de março de 2020

Livros para Ler no Outono


Hoje é o equinócio de outono aqui no nosso hemisfério, o início da minha estação favorita do ano. Eu sei, eu sei, morando no nordeste, não posso dizer que tenhamos de fato outono - por aqui as estações são calor, muito calor, chuva com calor e muita chuva. Mas morei em outros estados que tinham estações bem demarcadas e visitei outros países na glória outonal.

Gosto das cores dessa época, das folhas que se partem, secas, sob nossos pés, do clima de meia estação, nem calor nem frio, mas confortável como um cardigã macio e uma xícara da bebida quente de sua preferência, perfumado e temperado com especiarias (chocolate quente, chá, café, com toques de canela e cardamomo, cravo e noz-moscada. Huuuuummmmm, deu fome agora…).

Hoje, equinócio, dia e noite têm a mesma duração, mas daqui até o solstício de inverno, os dias se tornarão mais curtos e as noites, mais longas. Talvez por isso, o outono seja uma época que associo à introspecção e nostalgia. Para além disso, existe algo nas paisagens outonais que me faz acreditar no inacreditável, na possibilidade da magia. Tomando todas essas associações em consideração, fiz uma lista de livros para acompanhar e combinar com a estação - um para cada mês do outono. Para além disso, essas são histórias com algo de nostalgia, sobre pessoas que se descobrem mais fortes do que acreditavam ser, sobre empatia, solidariedade e superação. Bem a calhar nos dias que vivemos (segundo dia do confinamento aqui em casa).

Já fiz resenhas mais completas deles - esse post é mais reiterando a recomendação -; clicando no título vocês serão direcionados para elas.


Algo Sinistro vem por Aí, de Ray Bradbury
Bradbury tem um estilo completamente apaixonante, que mistura fantasia, horror e poesia - três elementos presentes em Algo Sinistro vem por Aí, título que muitos reconhecerão como uma referência às bruxas de Macbeth. Essa é uma história sobre amadurecimento: sobre dois amigos, um circo de pesadelos, um pai perdido.

O enredo se passa no outono e tem várias menções à estação - na verdade, muito antes de lê-lo, eu me apaixonei por uma citação dele que encontrei em algum lugar, uma frase sobre as pessoas do outono: ”E de onde eles vêm? Da poeira. E para onde vão? Para a sepultura. Será que o sangue corre em suas veias? Não, o que corre é o vento noturno”. Esse é um livro mágico, fascinante, sinistro em alguns momentos sim, mas nem por isso menos belo. Perfeito para ler em dias de folhas secas voando ao vento, ou quando precisamos descobrir que somos mais fortes do que imaginávamos.

O Conto do Covarde, de Vanessa Gebbie
Esse é um livro bem melancólico, mas, como o romance de Bradbury, também bastante poético. É uma história sobre perda, sobre a dor dos que ficam para trás, a culpa que sentem os sobreviventes. São muitas histórias que se interligam num enredo maior, revolvendo em torno de um acidente numa mina de carvão chamada “Gentil Clara”.

É o tipo de livro que nos faz refletir sobre memória e o que nos faz membros de uma comunidade. E, a despeito das pequenas e grandes tragédias que se revelam nos contos que Ianto conta para Laddy, O Conto do Covarde é de uma delicadeza que realmente encanta.

A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata, de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows
Para completar minha lista de livros para o período outonal, recomendo esse romance epistolar, que também se tornou um excelente filme, disponível pela Netflix (vale o programa duplo de ler o livro e assistir o filme).

Juliet é uma escritora atrás de uma história para seu próximo livro, quando recebe uma carta inesperada que lhe pede recomendações literárias. Dawsey, o remetente, descobriu Juliet ao comprar uma edição de segunda mão de Charles Lamb e dar de cara com o nome da moça no livro. Aqui começa uma correspondência que revela a Juliet a história da sociedade literária que Dawsey e vizinhos começaram na ilha de Guernsey quando esta estava sob ocupação nazista.

Embora também tenha suas tristezas (aparentemente meus livros outonais são bem melancólicos, não?), A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata é um daqueles livros que você termina com um sorriso no rosto e o coração aquecido. Uma história sobre a coragem das pessoas comuns em tempos de guerra, sobre unir-se e fazer o possível pelo próximo. Delicioso!


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog