2 de agosto de 2016

Desafio Corujesco 2016 - Um Livro com Número no Título || O Leitor do Trem das 6h27

Para todos os passageiros presentes na composição, ele era o leitor, um sujeito estranho que todos os dias de semana, lia em voz alta e inteligível as poucas páginas tiradas de sua bolsa. Eram fragmentos de livros sem qualquer relação uns com os outros. O trecho de uma receita podia estar ao lado da página quarenta e oito do último vencedor do Goncourt; um parágrafo de romance policial podia seguir-se a uma página de um livro de história. Para Guylain, pouco importava o conteúdo. Só o ato de ler tinha importância a seus olhos. Ele expelia todos os textos com a mesma dedicação obstinada. E, a cada vez, a magia se operava. As palavras, ao sair de seus lábios, levavam com elas um pouco da náusea que o sufocava ao se aproximar da usina.
Peguei esse livro numa troca, única e exclusivamente pelo fato de que tinha a palavra ‘leitor’ no título – gosto muito de livros sobre livros, livros sobre leitores, livros sobre o prazer da leitura. É meio que uma reafirmação de que não estou sozinha no mundo em meu vício (bem, faz algum sentido na minha cabeça, não sei na de vocês).

Fiquei, pois, muito contente em ver esse voto de confiança correspondido pela história de Didierlaurent. O Leitor do Trem das 6h27 é uma história delicada, singela, muito simples em seus detalhes, mas nem por isso menos cativante. Em certos momentos – especialmente nas reflexões sobre aparências feitas por Julie – fez-me lembrar de A Elegância do Ouriço. Fiquei me perguntando se é uma particularidade da literatura francesa contemporânea escrever sobre personagens que sob a aparência mundana do cotidiano são filósofos apaixonados por arte.

O livro é narrado por Guylain Vignolles, o operário da ‘Coisa’, também conhecida como Zerstor 500, máquina criada para ‘triturar, achatar, pilar, esmagar, rasgar, picar, lacerar, retalhar, misturar, amassar e escaldar toneladas e toneladas de livros’. Esses livros – em sua maioria, refugos da indústria editorial – serão reciclados e transformados em novo papel a fazer novos volumes (que possivelmente terminarão de novo na voraz boca da Zerstor).

Ironicamente, Guylain, operador de uma máquina de destruir livros, é um apaixonado pela palavra escrita, que se deixou embotar por uma existência aparentemente sem perspectiva. Sua única alegria são os pequenos atos de rebeldia: a amizade com o porteiro poeta da fábrica, a recusa em conceder ao aprendiz ávido por destruição as chaves da máquina e o ato de salvar algumas páginas perdidas dos dentes da Coisa e então lhes dar vida nova, lendo-as em voz alta no trem.

E assim continuaria a vida, não fosse nosso triste narrador encontrar um pen-drive esquecido no assento que costuma ocupar, nas viagens de casa para o trabalho. Nele, Guylain descobre uma série de pequenas crônicas escritas por Julie, uma zeladora de banheiros de shopping – e essa descoberta lhe oferece um propósito e uma conexão com outro ser humano.

O final, deixado em aberto, é talvez mais verdadeiro e satisfatório que se Didierlaurent tivesse nos mostrado os finalmentes. É uma leitura curta e despretensiosa, mas sensível e bem humorada também e o projeto gráfico do livro, cujo tamanho menor foge do padrão, certamente reforça essa impressão.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: O Leitor do Trem das 6h27
Autor: Jean-Paul Didierlaurent
Tradução: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca
Ano: 2015

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Saraiva


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. gente.... amei a proposta desse livro! vai entrar para a minha lista de leituras! O meu livro para esse mês foi de terror, NOS4A2, do Joe Hill, de quem virei fã.
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/07/nos4a2.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já li Joe Hill antes e ele me causou intensos calafrios. Boa pedida!

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog