28 de novembro de 2015

A Vertigem das Listas: Onze Melhores Séries dos Últimos Tempos


Dani: Olá, queridos leitores do nosso amado Coruja, e nos reunimos de novo nesse novembro com mais um VERTIGEM DAS LISTAS!!! YAAAAAAAAAAAYYYYYYYYYY!!!!!!!!! E o tema desse mês vai agradar muito aos fãs de Netflix, Popcorn Time e maratonas online (coisa, aliás, que adoro fazer ^^): As Onze Melhores Séries dos Últimos Tempos!

Deixando claro que iremos falar das séries que cada um de nós considera as melhores, ok? ;)

Dé: Então... Eu sou a pessoa que mal consegue acompanhar uma série... Vamos ver essa zoeira!

Lulu: Somos dois, Dé...

Ísis: Adorei o tema! Simbora!

Dani: E para começar, minha primeira escolha vai com um dos meus gêneros preferidos: Terror. Claro que estou falando de American Horror Story.



Desde a primeira temporada a série vem sendo aclamada tanto pelo público quanto pela crítica pela sua originalidade e qualidade. Com temáticas e histórias independentes e fechadas a cada temporada, a única coisa que se repete são seu elenco excepcional e já bastante conhecido a essa altura. Seguindo a linha de reforçar todos clichês e exageros já conhecidos do terror, era de se esperar que a série tivesse tudo para dar errado, mas por algum motivo, é exatamente isso que a torna tão espetacular. O estilo da série acaba se tornando cativante e envolvente, com sustos a todo instante, assassinos psicóticos, pessoas desfiguradas, sexo e muito sangue. Guiando-nos por histórias intrincadas e surpreendentes, com dezenas de personagens que sempre acabam por nos cativar, mesmo os mais perturbados e corrompidos. Nos fazendo questionar a natureza do bem e o mal a todo instante.

Ísis: Só vi o primeiro episódio, mais porque era do mesmo criador do Glee... Mas não é de meu gosto mesmo. >.< 

Dé: Minha primeira escolha é uma série original do Netflix, que me surpreendeu BASTANTE.

Demolidor não é bem o herói mais popular da Marvel, de forma que achei estranha a escolha dele para uma série... Mas não é que me surpreendi?! Gostei MUITO da série! A escolha dos atores foi muito acertada, e conseguiu apagar a impressão daquele filme HORRÍVEL com Ben Affleck.



Sem falar na história em si, que é bem envolvente e mostra bem o início da carreira do herói, e as dificuldades da vida dupla que Matt Murdock. E considerando que uma das personagens que tem bastante destaque na primeira temporada é a Karen Page, e que na segunda temporada já tem presença de Elektra Natchios confirmada, a coisa promete...

Lulu: Está na minha lista... Por sinal, o ator que faz o protagonista é o Tristan de Stardust, que adapta o livro do Gaiman.

Ísis: Já ouvi falar muito bem dessa série e de Arrow, e Flash. Talvez assista, parecem interessantes. Eu gosto das ligações que a Marvel faz, juggling os atores e personagens de lá pra cá. Ao mesmo passo, porém, é que fica difícil acompanhar tudo... >.< Minha primeira escolha será Once Upon a Time, a qual a Rainha já resenhou. Acho uma série fantástica, pelas idas e vindas, as voltas que dá, e por recontar as histórias de tantos personagens que conhecemos e amamos (ou odiamos), tanto clássicos, como a Chapeuzinho Vermelho e “Branca de Neve”, quanto mais novos, como a Merida (“Valente”) e a Mulan. Essa última temporada (a quinta), inclusive, me surpreendeu bastante, principalmente porque minha expectativa para a mesma estava a zero.



E como tem gente BONITA nessa joça! Se eu tivesse nessa série, não sabia atrás de quem correr atrás! (No momento, sou a favor do Merlin! XP)

Lulu: Minha primeira escolha para essa lista não será surpresa para absolutamente ninguém. Se bem que há controvérsias em chamar essa série de série, vez que ela parece mais um grande hiato que tem três episódios de uns dois em três anos.

Sim, estou falando de Sherlock. Vocês tinham alguma dúvida que ele ia aparecer?


A série da BBC que adapta o detetive vitoriano para os tempos modernos é uma das melhores coisas que já passou na TV e merece todos os elogios e todos os prêmios que já recebeu. E boa parte dessa fascinação se deve ao espetacular desempenho dos atores como um todo, com especial destaque para os protagonistas.

Acompanhar Sherlock Holmes e John Watson na Londres moderna é um absoluto deleite e eles tanto me levaram a paroxismos de riso quanto às lágrimas soluçantes. Só não é um deleite esperar tanto tempo entre uma temporada e outra...

Dani: Para a minha segunda escolha, vou também de outra série que questiona bem e mal, certo e errado (hoje estou toda na moral! u.u). E que seria impossível passar por aqui sem falar. Com certeza uma das melhores séries dos últimos tempos, e acho que ninguém vai discutir comigo quanto a isso: Breaking Bad.


Cara, o que mais há para elogiar sobre Breaking Bad? Fica até difícil quando tantos outros já o fizeram. E tão merecidamente! A história, mais do que conhecida, começa com Walter White, um professor de química genial, que é diagnosticado com câncer e, no desespero para sustentar a família, decide começar a fabricar e vender metanfetamina. E a partir daí... Meu Deus. Tudo muda.

O problema é que contar assim chega a ser quase um pecado de tanto que desmerece a série e o que ela realmente é. Seria como dizer que Clube da Luta é apenas sobre dois caras anarquistas que decidem criar um clube de pancadaria. É rebaixar uma verdadeira obra prima de drama moral, e toda a jornada de libertação de um simples homem suburbano até que ele se torne um verdadeiro monstro.

Para quem não assistiu, podem acreditar, vai ser a série mais surpreendente de suas vidas.

Ísis: Eu não vi ainda, mas essa é uma série que um dia quero assistir, sim. Essa, e Law & Order.

Dé: Minha segunda escolha tem um pouco de saudosismo. Muitos talvez não conheçam, mas Monty Oum foi um marco na história da internet. Foi dele a autoria de vídeos clássicos como Haloid e Dead Fantasy, mostrando crossovers entre Samus Aran e Master Chief, e as garotas de Dead or Alive e as garotas da franquia Final Fantasy. O sucesso foi tanto que Monty foi contratado pelo estúdio de animação Rooster Teeth e criou sua própria web série animada: RWBY (Se pronuncia Ruby mesmo).



Num mundo dominado por monstros chamados de Grimm (sim, é exatamente o que vocês estão pensando), a humanidade foi reduzida a quatro reinos. Cada reino possui academias que treinam caçadores para enfrentar os Grimm e dar uma chance de sobrevivência à raça humana. E é aí que acompanhamos o cotidiano de quatro estudantes de uma academia, Ruby Rose, Weiss Schnee, Blake Belladonna e Yang Xiao Long.

Com a trágica morte de Monty Oum no começo de 2015, o futuro da série estava incerto mas, como homenagem a ele, o estúdio manteve a série andando, com a terceira temporada iniciando em novembro deste ano.

Ísis: Eu conhecia as animações dele, mas não sabia que ele tinha sido contratado para fazer uma série, e muito menos que ele tinha morrido! Mas gostei do roteiro, é outra que vai para a minha lista.

Para minha segunda opção, vou pegar algo fora das linhas de produção americanas. Faz pouquíssimo tempo que comecei a assistir a alguns super-sentais (até agora só vi inteiros cinco), mas eu gostei MUITO do desenvolvimento da história e dos personagens de Samurai Sentai Shinkengers.



Basicamente, a Terra (leia-se, o Japão) é protegida(o) desde a era Edo (corresponde ao início do século XVII até a Revolução Meiji em 1868) pelos Shinkengers, liderados pelo líder da família Shiba. Esses heróis lutam contra os Ayakashi, habitantes do rio Sanzu, um rio que existe na crença budista e que aparece em várias histórias de animes e mangas). É interessante ver por que os componentes do grupo se unem, como fazem para lutar, o que os aproxima, os segredos que são lentamente revelados, e a lealdade ao líder que é esperada, mas nem por isso formada tão fácil.

Adorei do começo ao fim... E ri muito também! Outra coisa interessante é que dá para aprender o “discurso samurai” e o “discurso mais polido” (que é difícil pencas!). Legal para quem gosta de estuda a língua japonesa.

Dani: Bom para minha última escolha, vou de uma série que na verdade já acabou, mas como acabou recentemente (2013) se enquadra nessa lista, apesar de ter começado já há algum tempo. Falo da série britânica (como meu irmão adora falar ^^) dos jovens porra loka, Skins.



Skins foi um sucesso desde o seu início, mostrando a vida de um grupo de jovens em seus últimos anos do ensino médio em um subúrbio de Bristol, Inglaterra. Cada episódio se foca em um personagem em especial, se aprofundando em sua vida e mostrando como, de fato, todo adolescente é problemático à sua maneira. Até aí pode-se dizer que é como mais uma das milhares de séries que já estamos cansados de ver, mas Skins inovou completamente em como usar esse roteiro já gasto. Escancarando a vida de cada personagem de forma crua e realista, simplesmente não há censura para nada. Sexo, drogas, violência, insanidade, doença, morte, tudo é visto de forma clara, sem dramalhões, sem as delicadezas que se esperaria em qualquer série adolescente. Não sendo à toa que essa foi uma das primeiras séries direcionadas a esse público com censura de 18 anos.

O único problema é que com o tempo (e a fama, provavelmente), a qualidade da série veio se perdendo. Os novos elencos não agradaram e as novas histórias se tornaram desnecessariamente confusas, até chegar ao ponto que a série foi cancelada de uma vez. E em geral, nós os fãs incondicionais, sempre concordamos que as 2 primeiras temporadas são inegavelmente as melhores. E no meu caso em particular, também gosto bastante da 3ª e da 4ª, mas aí é só por causa da Effy mesmo. ^^

Lulu: Continuando... Lizzie Bennet’s Diaries é uma webserie que adapta o clássico austeniano Orgulho e Preconceito. Essa série de 100 episódios é, de certa maneira, um divisor de águas pela forma como contou a história de Lizzie Bennet e William Darcy, integrando diferentes plataformas: os vídeos, redes sociais, blogs, livros...



Os atores – em especial a moça que faz a Lizzie – são convincentes e conseguem modernizar muito bem os originais georgianos. Os roteiristas conseguiram manter a essência da história contada por Austen na tradução para os tempos modernos e conseguiram adicionar muita coisa interessante: destaco especialmente a inserção das irmãs caçulas, Lydia e Georgiana.

Sério, minha gente, eles me fizeram gostar da Lydia! DA LYDIA!!!

Dé: Minha última escolha é um gosto relativamente recente, que se desenvolveu meio que por culpa desta série. Bem, em diversas séries, jogos, livros, videogames e seja lá o que a criançada hoje em dia acompanha, possuem armas que parecem ser simplesmente, com perdão do termo, FODAS PARA CARALHO?! Já imaginou se alguém fizesse aquela arma de verdade?



E é aí que entra Man at Arms e a “segunda temporada”, Man at Arms: Reforged! Um projeto do canal do Youtube Awe Me. Inicialmente ia ao ar todas as segundas, atualmente vai ao ar a cada duas semanas, nas segundas. A premissa do programa é simples: os espectadores recomendam uma arma, e a mais recomendada será forjada no programa seguinte. Graças à isso já vimos armas como Longclaw, Elucidator, Andúril, Ferroada, Mjölnir... e FROSTMOURNE!!! E todas funcionais, o que quer dizer, extremamente afiadas.

Lulu: Quero assistir essa série!!!!

Dé: Para quem tem interesse em cutelaria, ou simplesmente para quem gostaria de ver como aquela arma especial seria na vida real, esta é a série para vocês.

Lulu: Ok, então, para terminar minha participação por hoje...

Primeiro tenho de dizer que a Dani só deveria ter colocado esse tema no Vertigem depois da estréia das séries inspiradas nos livros do Gaiman (os contos e Deuses Americanos), do Pratchett (CSI versão Guarda de Ankh-Morpork) e do Pullman (Fronteiras do Universo vai ser filmada pela BBC!!!!) – porque então eu teria montes de títulos para indicar.

Como a Dani não me fez esse favor... vou indicar a série da BBC inspirada nas peças históricas de Shakespeare, The Hollow Crown. O elenco dessa série é espetacular e ela começa com Ricardo II e termina no meu amado Henrique V, com o discurso mais inspirador de todos os tempos.



Uma segunda temporada está prevista para ano que vem e eles vão colocar o Benedict Cumberbatch no papel do MELHOR VILÃO SHAKESPERIANO, Ricardo III. Tenho altíssimas expectativas para Ricardo III, que é minha peça histórica favorita do bardo após Henrique V.

Onze Melhores Séries dos Últimos Tempos

1. American Horror Story
2. Demolidor
3. Once Upon a Time
4. Sherlock
5. Breaking Bad
6. RWBY
7. Samurai Sentai Shinkengers
8. Lizzie Bennet’s Diary
9. Skins
10. Men at Arms
11. The Hollow Crown


____________________________________

 

4 comentários:

  1. Assistam Vikings, pelo amor de Odin \o/
    (É bem melhor que The Last Kingdom, mesmo que esse último seja baseado na obra do Bernard Cornwell)
    E atualmente minha série "menina dos olhos" é Blindspot. Também recomendo pra quem gosta de mistério, de romance policial e de shippar um pouquinho, hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugestões anotadas... Vikings está na minha lista - no momento, tô às voltas com uma maratona de Bones XD

      Excluir
  2. E já ia esquecendo: MORRI ao saber da existência desse Man at Arms: Reforged! *.*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantástica a indicação do Dé, não? Também fiquei fascinada e já comecei a assistir!

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog