2 de janeiro de 2011

Para ler: It's in His Kiss



Meet Our Hero…
Gareth St. Clair is in a bind. His father, who detests him, is determined to beggar the St. Clair estates and ruin his inheritance. Gareth’s sole bequest is an old family diary, which may or may not contain the secrets of his past… and the key to his future. The problem is--it’s written in Italian, of which Gareth speaks not a word.

Meet Our Heroine…
All the ton agreed: there was no one quite like Hyacinth Bridgerton. She’s fiendishly smart, devilishly outspoken and according to Gareth, probably best in small doses. But there’s something about her--something charming and vexing--that grabs him and won’t quite let go…

Meet Poor Mr. Mozart…
Or don’t. But rest assured, he’s spinning in his grave when Gareth and Hyacinth cross paths at the annual--an annually discordant--Smythe-Smith musicale. To Hyacinth, Gareth’s every word seems a dare, and she offers to translate his diary, even though her Italian is slightly less than perfect. But as they delve into the mysterious text, they discover that the answers they seek lie not in the diary, but in each other… and that there is nothing as simple--or as complicated--as a single, perfect kiss.


Embora The Viscount Who Loved Me ainda seja meu livro favorito da série Bridgerton, It’s in His Kiss vem logo em seguida, e por muito pouco não rouba o posto (talvez porque Anthony foi o primeiro de todos...).

Não sei se para compensar o tom mais sério dos dois volumes anteriores, neste aqui a Quinn usa e abusa do humor.

Para começar, temos Hyacinth, a caçula da família Bridgerton, que está longe de ser uma heroína convencional: ela é, sem quaisquer dúvidas, uma peste; diz sempre o que lhe vem à cabeça, acha que está sempre certa e não hesita em colocar todo mundo naquele que acha ser seu devido lugar. Sua aspiração é ser igualzinha a Lady Danbury, que é o terror de dez em dez personalidades da sociedade londrina, e é avó de Gareth St. Clair, considerado o maior dos libertinos da época. Agora o sonho de Lady Danbury (e ela não é nem um pouco sutil nisso) é juntar Hyacinth e Gareth – e se isso envolver chantagem emocional, manipulação e eventos sociais ensurdecedores e bizarros, que seja.

O destino dá uma mãozinha ao velho Dragão, é claro, na forma de um diário em italiano pertencente a avó paterna de Gareth. Ele quer saber o que tem escrito no diário; Hyacinth sabe italiano, logo, ele acaba pedindo a ela que o traduza.

Lá pelas tantas, Hyacinth descobre que a avó de Gareth trouxe consigo da Itália (ela era italiana, foi forçada a se casar com um barão inglês, o avô do nosso herói) uma fortuna em diamantes. Como a garota adora se meter em encrenca, ela vai querer dar um jeito de encontrar esses diamantes.

Ainda que isso signifique fugir de casa na calada da noite com roupas masculinas para invadir a casa do Barão St. Clair com Gareth, que não é nem um pouco benquisto no lar paterno.

Esse é um detalhe importante do livro – e uma quase constante em todos os livros da Quinn. Conto nos dedos os heróis dela que não possuem alguma espécie de trauma familiar relacionado à figura paterna; trauma esse do qual são invariavelmente resgatados pelas figuras femininas de suas vidas.

Pois é, pensando direitinho, nos livros da Quinn, na maior parte das vezes, é a heroína que salva o mocinho em perigo da torre encantada.

Além disso, é nesse livro que temos a primeira menção a Miss Butterworth and the Mad Baron, que fará nossa alegria em What Happens in London e Ten Things I Love About You.

Enfim, de todos os livros que li da Quinn, esse definitivamente ganha o posto de mais divertido – entre um terrível musical, a pastora, as ovelhinhas, o unicórnio, um barão louco e Henrique VIII, Hyacinth e Gareth lhe valerão boas risadas e muitos suspiros.

Recomendado!



A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Concordo totalmente com você! Esse só perde para "The Viscound Who Loved Me"! ( Anthony 4ever!!! )
    Só acho que o pior erro que cometi foi ler esse de madrugada. Assustei a casa todo e minha mãe está convencida de que sou louca.

    by ingridfarias

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog