3 de fevereiro de 2010

Meu autor, meu herói: Julia Quinn


Julia Quinn não está na minha lista dos dez autores favoritos não porque ela não seja uma das minhas autoras favoritas, mas porque tinha acabado o espaço de dez autores a serem listados (e assim, ela entrou nas menções honrosas).
Eu decidi falar dela hoje porque acabei de encontrar esse site aqui, onde toda a série dos Bridgerton pode ser lida em português. E, como eu percebi que vocês se interessam pelos livros que eu eventualmente recomendo, então, vou falar dela para ver se alguém lê e fica trocando figurinhas comigo.

Adoro trocar figurinhas sobre livros...

Na verdade, eu dei de presente para a Raven o meu livro favorito da série, The Viscount Who Loved Me, porque sabia que ela teria o gosto certo para apreciar o livro... e desde que ela começou a ler, começamos uma espécie de "clube do livro" no Twitter.

Se algum de vocês nos acompanha pelo twitter, talvez agora entenda do que estávamos falando quando comentamos sobre as abelhas, o visconde que pegava e outros comentários altamente sem-noção.

Vocês têm muita sorte de não nos verem conversando. Especialmente quando eu estou bêbada de sono...

Mas estou divagando. Vamos à história de como conheci Julia Quinn.

Acredito que vocês já conhecem de outros posts meu costume de ir à livraria, selecionar um livro qualquer, me escarrapachar no chão e começar a ler. Pois bem, numa das vezes em que visitei a Saraiva (eu juro que não ganho nada fazendo propaganda...), eu me deparei com esse livrinho aí do lado, encantei-me com a capa e pus-me a ler. Agora, eu devo ter chegado na livraria por volta das duas da tarde; quando saí - e só sair depois de engolir o livro inteiro, de uma única sentada - já era noite.

O povo da livraria deve ter pensado que eu era doida, porque fiquei rindo sozinha - e não era rindo baixinho, porque tinha hora que eu mordia os lábios para não explodir em gargalhadas e fazia uns barulhos meio estranhos, como quem está se afogando.

O caso é que, quando terminei The Viscount Who Loved Me, eu saí catando pelas prateleiras de pocket books se tinha alguma outra obra da autora. Achei On the Way to the Wedding e voltei no dia seguinte para passar outra tarde refastelada no chão (porque toda vez que eu vou lá, todas as poltronas estão ocupadas...). Lá pelo final da história, eu me dei conta de que os dois volumes que eu tinha encontrado faziam parte de uma coleção; que eu tinha lido a coisa meio fora de ordem (eles eram o segundo e o último volumes da série, respectivamente) e que eu precisava desesperadamente ter acesso ao resto dos livros.

Uma vez que os livros não tinham sido lançados em português, eu teria de esperar pelo menos umas sete semanas para, comprando-os, eles chegarem pela importadora. Então, é claro, eu fui para o Google.

E passei o mês seguinte acordando de madrugada e passando todas as horas livres que eu tinha lendo todas e cada uma das histórias que a Julia Quinn já tinha lançado, incluindo aí pequenos contos lançados em antologias.

Quando terminei tudo, eu reli meus favoritos. E, agora que fiz a Raven ler e trocar figurinhas comigo, eu saí lendo quase tudo de novo.

Nesse ponto, acho que é bastante válido que eu explique o porquê do meu fascínio com os livros da Julia Quinn.

Todos as histórias criadas por ela são passadas na Inglaterra do período regencial e os personagens de diferentes séries e livros transitam uns pelos outros, de tal forma que se pode dizer que temos uma única obra, um mundo inteiro, dividido em muitos livros.

A recriação dos ambientes históricos é muito bem feita, fazendo alusão, por exemplo, à loucura do Rei George, às guerras peninsulares, e Napoleão. Ela é detalhista o suficiente para que você se sinta dentro do mundo que ela narra.

Aliás, a Quinn é uma das principais inspirações para Ases... junto com Jane Austen. E, esse é outro ponto que me faz gostar dela - há qualquer coisa na maneira como Julia Quinn escreve que faz lembrar a Jane Austen.

Uma Jane com um pouco mais de tempero, no estilo romance de banca, mas uma Jane assim mesmo.

O grande, verdadeiro diferencial da Julia Quinn de outros autores dessa linha de romances, contudo; o motivo, afinal, pelo qual ela entra na minha lista de autores favoritos é o seu humor.

Todos os livros dela, mesmo aqueles em que tenhamos personagens sofridos e que levam a carga do mundo nas costas (Sophie, em An Offer from a Gentleman com filha bastarda de um nobre; a viúva Francesca de When He was Wicked ou o infeliz Nigel, de The Secret Diaries of Miss Miranda Cheever) têm situações divertidas, diálogos rápidos e inteligentes, verdadeiras batalhas de sagacidade em meio à busca por um "grande amor".

E o ápice dessas batalhas é, sem dúvida alguma, meu livro favorito de todos os que já li (e, portanto, todos os que ela já escreveu): The Viscount Who Loved Me - embora It's in his kiss venha numa posição bem próxima como segundo colocado...

O visconde do título é Anthony Bridgerton, cabeça da família Bridgerton e um dos meus amores platônicos bidimensionais. Tudo bem que ele passa boa parte do livro fazendo burradas, mas, ainda assim, ele consegue ser apaixonante.

Podem perguntar para a Raven, tenho certeza que ela concorda comigo.

Em todo caso... Anthony tem uma certeza melancólica de que morrerá antes dos trinta e oito anos, uma vez que seu pai, que era seu modelo e herói, morreu nessa idade e ele tinha absoluta certeza de que não podia ultrapassar o pai em nada; nem mesmo em anos de vida.

Assim é que ao princípio do livro, quando está pela casa dos 30, Anthony chega à conclusão de que é tempo de se casar e produzir um herdeiro para herdar o título. Essa declaração, feita de forma bastante tranqüila, quase mata seu irmão Colin engasgado com uma azeitona.

Inquirindo os irmãos acerca de alguma debutante da sociedade que seja razoavelmente bonita e inteligente, ele chega à conclusão de que irá se casar com miss Edwina Sheffield. Ele não contava, porém, que para chegar a Edwina, teria de passar pela irmã mais velha, Katherine.

E é aí que as coisas começam a ficar interessantes...

A história lembra um pouco A Megera Domada, de Shakespeare (até pelo nome da protagonista feminina) - na verdade, eu tenho quase certeza que Quinn se inspirou no bardo parar compor a relação maravilhosamente hostil entre o visconde e miss Sheffield.

Eu sinto vontade de rir só de lembrar da primeira valsa (e das armações do Colin) ou do passeio com Newton - o cahorrinho de Kate - ou do mortal jogo de Pall Mall (um precursor do críquete).

Ou da abelha... hehe... hehehe... HEHEHEHEHE...

Resumo da ópera... VÃO LER. E depois me digam o que acharam, ok?

Ah, e, se quiserem saber mais sobre a autora, sobre os livros e até algumas curiosidades, dêem uma olhada no site da Julia Quinn. Tem um monte de coisas legais lá, incluindo as trilhas sonoras dos livros - algo que eu mesma sempre faço nas minhas histórias e que acho, simplesmente, maravilhoso.

Recomendado, abolutamente recomendado. Uma excelente dose de açúcar na veia para qando precisarem adoçar um pouco a vida.


A Coruja


____________________________________

 

15 comentários:

  1. 1º de novo?
    Cadê o povo daqui?
    Ainsa não conheço os livros dela, vou procurar, tô curioso com a abelha =³
    E a gente vê sim suas conversas, aqui do lado direito do blog, logo acima de "Corujices" ->
    Sempre fico curioso com os assuntos de vocês.

    ResponderExcluir
  2. Ah, aquelas conversas ali não são nada... a palhaçada mesmo é quando junta a turma nos bate-papos da vida... entre conversas sobre esquemas de histórias, comentários de livros, maridos, namorados, trabalho e todo o tipo de besteira que vem às nossas mentes, às vezes a gente se erde a tal onto que nem sabe mais do que estava falando...

    ResponderExcluir
  3. Acho que só poderia fazer um aproximação de uma conversa sua com, por exemplo, a Mer e a Raven, não conheço tantos com tanto conteúdo.

    ResponderExcluir
  4. Sim, Lulu, esta senhorita Quinn realmente escreve histórias bem interessantes.

    E, mais do que as histórias em si - porque, não tem jeito, a estrutura é de romance de banca, apenas com mais estilo - o grande ponto de Julia é a extrema vivacidade que ela confere às suas personagens.

    A impressão que temos é a de que os Bridgerton REALMENTE existiram, e que você poderia muito bem topar com um deles em algum salão.

    Bem, de menos com o Anthony... Isso não seria muito saudável...

    ...

    ...

    ...

    Mas, einh?

    ...

    Concordo que não é muito bom ler Julia Quinn em ambientes públicos como livrarias, filas de banco ou ônibus. Suas gargalhadas (ou suspiros, caso esteja lendo o Viscount...) certamente irão predispor os populares contra sua sanidade mental. XD

    Hm... Sabe, Lulu, até agora não sei se gosto mais das abelhas ou dos botões voadores...

    ...

    ...

    Ninguém merece, viu? XD XD XD

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  5. Bem, eu prefiro a abelha, porque, ao final das contas, abelhinha foi quem deu conta do casamento...

    Qual vai ser o próximo que você vai ler? Aliás, quanto falta para você acabar?

    Hum... Acho que na próxima, apresentarei a você o Duque de Ashbourne... hehehehe...

    ResponderExcluir
  6. heuheuehuheue
    eu acho MTA maldade fazer indicações assim...
    comecei a ler o do visconde, e não consigo parar!!! tenho 10 minutos para estar na faculdade, e ainda nao arrumei cozinha, nao me aprontei, e NÃO CONSIGO PARAR euheuehuehuee
    mto divertido!!! estou adorando!!
    comento mais qndo acabar de ler!

    ResponderExcluir
  7. SIMMMMMMMMMMMMMMMMMM!!!! Adorei sua confissão, Flávia! Vamos trocar figurinhas! A que altura da história você já está?

    ResponderExcluir
  8. eu acabei de acabar heuheuheuhee
    voltei da faculdade as 18, e acabei o livro agora!
    hueheuheuheuhee nossa, eu fiquei gargalhando sozinha aqui!!!
    adooooro os comentários mordazes da Kate!! as conversas entre eles são excelentes!!!
    a abelha é ÓTIMA!!! heuheuheuehuehe
    e eles no escritório, ela embaixo da mesa, e ele lá, tentando mandar a outra embora???
    nooooooossa, como eu ri!!! uehueheuheuheuhee
    realmente, ela escreve mto bem! e todos os outros personagens parecem mto engraçados! a dinâmica dos irmãos é mto boa, parece que eles são reais de verdade! eu posso me imaginar ali no meio, e me identificar com eles!!!
    estou em duvida se agora leio o 3. ou o 1... uheuehuehuee
    mas antes, sem dúvida, vou ler ases =PP

    ResponderExcluir
  9. Bela estratégia de marketing falar das abelhas e deixar a gente curioso >:(
    Ok, ok, vou procurar uma tradução agora pela internet, me convenceram.
    Ainda me vingo viu!
    E com uma mariposa!!!

    ResponderExcluir
  10. Lulu, meu benzinho, quem é que está falando em casamento aqui, criatura??

    HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!

    Eu já acabei o livro, e li o pequeno aperitivo que há no final dele sobra a jovem Sophia... pareceu interessante ^^

    Bem, vamos então ao Duque de Ashbourne, embora eu ache que deve ser muito difícil algum desses nobres ombrear-se com o Anthony! XD

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  11. Duro é que Ashbourne só chega em sete semanas...

    Damn...

    Mas não se preocupe, eu posso pensar em pelo menos mais dois nomes a se ombrear com Anthony.

    Hum... talvez Harry Valentine? Ou St. Clair (quase Sinclair, hum?).

    Ohhhhhhhhhhhhh... Gareth e Hyacinth! HUAHUAHUAHUAHUAHUA...

    Ok, clube de leitura! Todo mundo lendo It's in his kiss agora!

    ResponderExcluir
  12. Titia Coruja!

    Desculpa o sumiço! Mas esse mês de Janeiro parece ter sido infernal para todo mundo que eu conheço!

    Em primeiro lugar, gostaria de dizer que, assim que possível vou começar a ler essa coleção! Parece muito interessante! Vai para minha lista de livros para ler (Que deve ter uns trinta livros, mas ninguém fica contando, né?!).

    Em segundo, prometo que, antes do fim do mês, respondo sua carta! #^_^# Um pouquinho atrasadinha demais, sorry! Mas a correria Monografia/FUVEST foi fogo o.o

    E por último, venho avisar que PASSEEEEEIII!!*--* Passei na USP, começo o curso de Letras em Março!!!! *------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------*



    =)

    Dá para notar o quanto estou feliz?


    Saudades!

    Beijos!
    Sua sobrinha,
    Belle Lolly



    P.s.: Vc ainda tem MSN? O meu é lilytety@hotmail.com

    ResponderExcluir
  13. Belle!!!!!!!!!!!!!!! PARABÉNSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!!!!!!!!!!

    Bem, eu não tenho mais msn, não, mas tenho skype (embora nos últimos tempos seja a maior dificuldade do mundo eu entrar...).

    ResponderExcluir
  14. beeeem...
    ontem a noite eu li o livro 3 - da sophie - achei liiindo demais - não tanto qnto o anterior, mas, nossa, os dois juntos no baile de máscaras... eu não daria conta de ir embora JA-MA-IS...
    e agora eu nao resisti qndo li a sinopse do livro do colin (seduzindo a mr. bridgerton), estou baixando, vou tentar ler hj, mas sem promessas - vou viajar fds, então, leitura vai ficar meio "atrasada"...
    adooooro os comentários hehehehee

    ResponderExcluir
  15. Eu ia comentar que fiquei curiosa sobre esses livros, e à medida em que ia descendo, percebi que tem uma bixete do meu curso num dos comentários acima.

    Pois é, eu faço Letras na USP. Tou no segundo ano.

    Hehehehe eu tenho uma pilha enorme de livros pra ler, mas quer saber? Eu vou acessar aquele site que vc indicou e vou ler Julia Quinn primeiro. Preciso de um pouco de leitura divertida na minha vida...

    =D

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog