22 de setembro de 2009

Clube do Livro


A Grasi me pediu que fizesse uma lista dos meus livros favoritos, algo como os 10+. Essa é uma tarefa complicada, porque dificilmente conseguirei fazer caber numa lista de 10 meus livros favoritos – isso sem contar que a listagem varia ou variou conforme minha idade e experiência.

E falou a velha idosa...

Não obstante, vou fazer de conta que estou montando um Clube do Livro e fazer uma lista de livros que gostaria de sugerir, ler e discutir com os outros “sócios”. Todos eles marcaram um certo momento da minha adolescência e me emocionaram o suficiente para que, anos depois, ainda me lembrasse deles com carinho.

Mas vamos lá...


1) Anjo da Morte, Pedro Bandeira. Li esse livro na sétima ou oitava série; não tenho bem certeza. Lembro, contudo, que fizemos um trabalho em grupo em sala de aula tendo-o por tema e meu grupo de apresentou com um teatro de sombras.

Foi meu primeiro contato com o universo dos Karas (embora já tivesse lido Bandeira antes). Até o final daquele ano, eu já tinha o resto da coleção, comprada por mim mesma, no sebo (esperar meus pais me darem de presente de aniversário demandava uma paciência que eu não tinha e eu não fazia questão de livros novos, desde que pudesse lê-los) - A Droga da Obediência, Pântano de Sangue e A Droga do Amor. Mais tarde, quando foi lançado, comprei também Droga de Americana. E, nos entremeios, todos os outros livros que Bandeira escrevera, incluindo A Marca de uma Lágrima que depois me levou a ler o original, Cyrano de Bergerac.

Pedro Bandeira me marcou bastante; mais que qualquer outra coisa, suas páginas estão repletas de personagens experimentando a virada da infância para adolescência, experiência pela qual eu mesma estava passando.

Recomendo tudo o que citei e mais alguns de que não me lembro agora. Na verdade, se for Pedro Bandeira de uma forma geral, eu recomendo.

2) Os Noturnos, Flávia Muniz. Esse eu peguei na biblioteca (é um dos poucos dessa lista que não tenho em casa), por livre e espontânea vontade, sem obrigação de paradidático.

Tratava de um tema pelo qual até hoje sinto fascinação – vampiros – e tinha um personagem pelo qual até hoje sou apaixonada: Hiram. Na verdade, sou louca para criar um personagem com esse nome.

Sempre achei que a autora deveria escrever uma continuação. Eu, certamente, leria.

3) A Pedra Encantada de Brisingamen, Alan Garner. É o único outro volume da lista que não tenho; ele e sua continuação, A Lua de Gomrath. Foi esse livro uma das principais inspirações para a criação da dualidade Antiga x Alta Magia que usei em quase todas minhas histórias.

Eu o li pela primeira vez já no segundo ano, sentada debaixo da mesa da bibliotecária do colégio. Não, eu não estou mentindo. Debaixo da mesa da bibliotecária era meu lugar cativo.

Esse livro sempre me fez lembrar um Senhor dos Anéis sem grandes pompas e mais rápido de ler.

É um dos meus favoritos.

4) Trilogia Fronteiras do Universo, Philip Pullman. Minha odisséia com Pullman começou sentada nos degraus da frente do colégio, esperando o transporte chegar, em detrimento da lição de matemática.

Sou absolutamente apaixonada por essa história e recomendo-a exponencialmente a quem quer que me queira ouvir. Está na minha lista de favoritos de todos os tempos.

E, já que estamos falando de Pullman, recomendo também Sally e o mistério do rubi, que já resenhei ali embaixo. Excelente, excelente.

5) Passagem para Ravena, José Ricardo Moreira. Ganhei esse livro de aniversário; acho que nos meus 15 anos, não tenho bem certeza. Foi um livrinho que me surpreendeu. Tem uma trama bem escrita, muito interessante. É um livro de fantasia que envolve poderes misteriosos, mundos paralelos, uma guerra milenar, amores perdidos no tempo e Paralamas do Sucesso.

E o autor soube costurar tão bem a história que, por um instante, você chega a se perguntar se tudo aquilo não é realmente possível. E esse é, provavelmente, o maior elogio que se pode fazer a um autor de fantasia.

É um daqueles tesouros que você acha puramente por aças, tropeçando no meio da livraria. Recomendo, recomendo, recomendo.

6) Direitos iguais, rituais iguais, Terry Pratchett. Considerando o quanto já escrevi sobre Pratchett, é meio óbvio que, na verdade, eu recomendo todos os livros dele.

Mas eu tenho um carinho especial por essa obra e por Eskarina, com quem muito me identifiquei em se tratando de nossas respectivas cabeças duras.

7) Belas maldições: as belas e precisas previsões de Agnes Nutter, Terry Pratchett e Neil Gaiman. Esse livro também tem um artigo só para ele. É outro que está na minha lista de favoritos de todos os tempos. Recomendadíssimo.

8) The Graveyard Book, Neil Gaiman. Não tenho certeza se esse livro foi ou não lançado em português. Mas foi o último que li de Gaiman e eu me apaixonei totalmente por ele.

Na verdade, todos os livros de Gaiman são recomendados. Mas, para começar de leve, sugiro primeiro Coraline e Stardust, ambos com edições em português. E depois...

9) Jonathan Strange e Mr. Norrel, Susanna Clarke. Eu me dei de presente esse livro quando completei 19 anos. Um dos dinheiros mais bem gastos da minha vida de leitora. Também já publiquei uma longa resenha sobre ele aqui no Coruja.

10) Maligna, Gregory Maguire. Estou aqui tentando me lembrar exatamente o que veio primeiro, se a trilha do musical ou o livro. Acho que foi o musical, que ganhei de natal da Dynha. O livro, encontrei-o depois, por acaso e, surpreendentemente, em português.

Esse livro conta a história do O Mágico de Oz sob o ponto de vista de Elphaba, que viria a ser a grande vilã no original. É um livro meio pesado, com um viés político forte, mas, ainda assim, totalmente fascinante, especialmente quando você descobre que tudo o que você acreditava sobre o mágico era mentira e existe algo de podre no Reino de Oz.

Se tiver oportunidade de ouvir a trilha do musical (cuja adaptação tornou a trama mais leve, mas ainda assim, muito boa), melhor ainda.

Fiz uma lista de dez recomendações para meu novo Clube do Livro. Há muitos outros que me ocorrem no momento, mas que deixarei para outra oportunidade. Aliás, alguém percebeu que exceto por um volume, todos nessa lista são livros de fantasia?



A Coruja


Arquivado em

____________________________________

 

2 comentários:

  1. quando tinha uns 12/13 anos lia muito os livros do Pedro Bandeira. a trilogia frinteiras do universo esta na minha lista de livros para ler dede q vi o filme, que é meio ruim, mas achei que a história tinha potencial.
    e no momento estou lendo Good Omens, recomendação sua que ganhei de aniversário, é realmente muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada! Na minha próxima visita a livraria levarei suas indicações.

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog