4 de maio de 2019

Aniversário do Coruja! Uma Década Voando por Aí...


Lulu: Há dez anos, eu estava numa aula de filosofia do direito, observando meu professor divagar com o olhar fixo na parede do fundo da sala. Era uma das poucas aulas que eu tinha à noite e não posso dizer que estava completamente acordada - quem me conhece sabe que sou daquelas que funciona melhor com luz do dia, acostumada a acordar e dormir cedo.

Ísis: O completo oposto de mim, que trabalho/funciono/respiro/existo melhor à noite.

Lulu: Minha faculdade é um prédio centenário e estávamos numa das salas de aulas que mais se assemelhavam a anfiteatros. Para combater o cansaço, a voz monótona do professor, ou talvez seguindo a inspiração do olhar perdido na parede que ele tinha, fixei minha atenção no teto… Foi nesse preciso momento que pensei: “quero criar um blog”.

Não foi uma coisa especialmente planejada - contrariando minha inclinação de projetar coisas à exaustão - e antes disso eu sequer cogitara a ideia de ter um blog pessoal. Mas aquela repentina inspiração foi o bastante para me acordar e me endireitar na cadeira. Eu precisava de um nome! Depois eu poderia decidir qualquer outra coisa, mas primeiro de tudo, era necessário um nome.


Ísis: Prioridades, prioridades… ^^’

Lulu: Arranquei uma página do caderno e fiz uma lista com tudo o que me vinha à mente e que me interessava sobremaneira. Depois saí combinando palavras, mas nada parecia soar muito bem… até que pensei ser justo homenagear o teto que fora a faísca para aquela maluquice. Cheguei a “Teto da Coruja” e isso me fez pensar num trocadilho com o título de um filme, o Gata em Teto de Zinco Quente. Eis então que SIM, EU TINHA UM NOME! QUASE PODIA BATER PALMAS, exceto pelo detalhe do professor de filosofia, que continuava devaneando lá na frente.

Ísis: Tô aqui tentando lembrar se algum dia, ou em alguma das inúmeras vezes em que essa história foi escrita/contada, mencionaste sobre o que ele divagava…

Lulu: Infelizmente não, porque ele divagava em silêncio… meu professor tinha uma mania de passar vários minutos apenas olhando para a parede sem falar nada… Mas, enfim, voltando à história… Saí da sala para jogar uma água no rosto, respirar… e ligar para a Ísis, extremamente empolgada, para dizer VOU CRIAR UM BLOG! Ao que ela respondeu “mas que legal, vai ser sobre o quê?” e eu repliquei, tentando não explodir de felicidade NÃO FAÇO IDEIA, MAS VAI TER CORUJAS!

Ísis: Notem o nível de conversas que temos. Essa não foi a nem de longe a mais tresloucada….

Lulu: A essa altura, talvez seja justo lembrar que eu estava no último semestre de faculdade, a pouco mais de um mês de me formar, e não tinha ideia do que ia fazer depois disso. Soma-se ainda minha preocupação com a prova da OAB e ainda ter de apresentar a monografia. Estava à beira de um ataque de nervos, com várias responsabilidades empilhando-se por cima das outras, e desconfio que a Ísis achou que eu tinha surtado de vez quando telefonei para ela. Desculpa-se, portanto, o meu tom quase maníaco à ocasião.

Ísis: Tinha certeza que tinhas surtado de vez, na verdade. Estava fazendo planos de como contactar teus pais (como achas que consegui o telefone do trabalho deles?) e tudo mais. O que mais me dava medo era pensar que ainda não estavas louca e aquilo era sério, porque já sabia que tens o mesmo senso de responsabilidade que eu. Em outras palavras, se fosses adiante com a ideia, e isso apenas acrescentasse itens na sua então interminável lista de coisas para fazer, isso te estressaria e enlouqueceria de vez. Perder-te-ia de uma forma ou outra, e isso, sim, me deu medo.

Lulu: Entendo seu ponto, mas a verdade é que o Coruja foi, provavelmente, a melhor reação à insanidade daqueles dias, porque serviu como uma válvula de escape para uma miríade de sentimentos conflitantes, desde frustração a desejos fratricidas. Ele começou como um ‘quarto de despejo’ onde eu podia escrever sobre o que quer que passasse pela cabeça, de reclamações sobre o acordo ortográfico a comentários cretinos acerca de manchetes de jornais sensacionalistas. Não demorou muito para que eu começasse a escrever resenhas - foram dez em 2009, 60 em 2010, e pouco mais de 90 em 2011. Os artigos especiais sobre autores e personagens favoritos apareceram desde o começo também, mas sem estarem ligados ao aniversário do blog: foi só em 2012, com minha quase monografia sobre Sherlock Holmes que a tradição começou. De lá pra cá, contando na página do índice no blog, já foram 815 resenhas, com livros de todos os gêneros e de tudo quanto é canto do mundo. Às vezes um mesmo livro recebeu mais de uma resenha, escrita por diferentes membros do blog, em épocas diferentes ou foi lido na versão original e na tradução e cada uma ganhou uma crítica correspondente.

Foi assim, sem me dar conta completamente, que o blog encontrou seu foco literário. Não foi algo que planejei desde o início, mas foi como aconteceu e só posso ficar feliz com isso, porque o Coruja fez com que eu encontrasse a minha ‘tribo’. Depois do blog, descobri a Jane Austen Sociedade do Brasil, participei de um encontro nacional, comecei um clube do livro na minha cidade e não parei de tagarelar.


Ísis: Não sabia que o tinhas começado. Achei que o tivesse descoberto em uma das “viagens” à Saraiva. Aliás, ainda existe a loja física da Saraiva?

Lulu: Assim é que chegamos aqui - e vou confessar, eu não achava que chegaríamos tão longe. São dez anos compartilhando leituras e outras conversas aleatórias com vocês. Uma década inteira de corujices.

Pensei um bocado sobre como celebrar a data. Se fizesse uma série de posts, como em anos anteriores, sobre qual assunto eu deveria escrever? E como seria justo escolher um só tema para um aniversário tão significativo? Após quebrar um pouco a cabeça, cheguei a uma conclusão: em vez de eleger só um objeto, eu escreveria dez ensaios resgatando os especiais passados. Para não me sobrecarregar com releituras e pesquisas de dez autores/obras/mitos diferentes (porque é MUITA coisa que vai por debaixo do pano para escrever esses artigos seriados), os ensaios não se concentrariam apenas em maio, mas seriam publicados ao longo do ano - até outubro, quando costumo celebrar o All Hallow’s Read com mais posts especiais.

O primeiro desses posts vai ser publicado ainda hoje - e todos eles vão terminar com uma explicação sobre a escolha do tema e links para os artigos e ensaios anteriores. Serão três ensaios agora em maio, um por mês até setembro e mais três em outubro. Além disso, claro, teremos o sorteio de um kit bem legal, desenvolvido junto com a Angélica, lá do Design by Angel. São dez itens, rememorando não apenas os dez anos de blog, mas também dez dos especiais que já passaram por aqui: seis blocos de anotações personalizados, em dois tamanhos, mais três marcadores de livros e uma pastinha que pode servir para levar livros, tablet, kindle... tudo o que for necessário!


Para participar, basta preencher o formulário do Rafflecopter abaixo. Até o fim do mês está valendo!

a Rafflecopter giveaway

Após recordações e explicações, o que mais posso fazer se não agradecer a todos os leitores que foram surgindo ao longo desses anos, muitos dos quais se tornaram amigos queridos? Se continuamos por aqui, é por causa de vocês. Então muito, MUITO OBRIGADA pela companhia, pelos comentários, pelos debates, por tudo. Ah, sim, tem bolo aqui. Não dá para servir todo mundo, mas não se preocupem: comerei um pedaço por vocês também! XD

E ‘bora cantar parabéns para o Coruja! Parabéns pra você nesta data queridaaaaaaa...


Ísis: Muitas felicidades, muitos anos de vida!

Que venham mais dez anos!!! Ou vinte, ou trinta…. Quantas resenhas será que alcançarás nos 50 anos do Coruja?


Lulu: Não faço ideia… mas muitas serão!


____________________________________

 

10 comentários:

  1. Parabéns pelo blogversário!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelos dez anos de blog!! Tempo voa! Fico me perguntando se algum dia eu vou conseguir manter algo por todo este tempo, porque eu deleto tudo... Kkkkkk
    Quero ganhar tudo!! Eh tudo lindo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huhauhauhau... Obrigada, Dynha! E não se preocupe; o fato de estar sempre recomeçando não é uma falta ou defeito; pelo contrário, mostra que você é capaz de se renovar e mudar a cabeça. Isso é bom também!

      Boa sorte no sorteio!

      Excluir
  3. Parabéns, Lulu!! Que o Coruja ainda continue voando por aí por muitos e muitos anos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yay! Voando e voando por aí, com muita coisa legal para ler e partilhar com vocês. Obrigada por tudo!

      Excluir
  4. Lu, parabéns pelos 10 anos de blog! Que o Coruja tenha vida longa e próspera! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Spock... digo, Monique! Huahuahuahua...

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog