segunda-feira, 5 de março de 2012

Dois Anos de 'Na sua estante'



Dois anos atrás, em cinco de março de 2010, era publicado aqui no Coruja o primeiro, primeiríssimo capítulo de Na sua estante - um folhetim semanal em formato pílula sem grandes pretensões... A idéia por trás da história é que as venturas e desventuras da turma que freqüentava uma biblioteca numa universidade qualquer fosse uma espécie de ‘exercício em situações cotidianas’.


Isso porque eu sempre gostei muito mais de escrever histórias de fantasia... e embora elas ainda sejam minha predileção, para me educar em não depender apenas de magia e soluções mirabolantes, precisava me comprometer com alguma coisa que fosse diferente do que eu escrevia até então.

Fora que depois de anos escrevendo fanfics, estava na hora de começar a fazer histórias originais.

Mas, a princípio, isso era tudo. Um exercício. Uma brincadeira. Dois anos depois, mais de cem capítulos escritos... e já não sei mais como classificar esse tomo em minha estante imaginária com as histórias que passam pela minha cabeça.

Nesses dois anos, houve muitos ‘quase não deu tempo’, mas, rigorosamente, toda sexta-feira, fizesse chuva ou sol, lá estava eu publicando um capítulo novo. Hoje, francamente, é uma questão de honra. Eu posso estar enforcada até o pescoço de coisas para fazer, doente, cansada, sem inspiração, ou querendo matar alguém – não importa: o importante é que sexta-feira haja um capítulo de Na sua estante para entrar no ar.

Nessa jornada, acredito que houve momentos em que eu, autora, surpreendi-me mais com os rumos da história que vocês, leitores. E mais de uma vez eu achei que estava indo para um determinado lugar e descobri que os personagens estavam me levando para outro completamente diferente. E as idéias que eu tinha no começo não cabiam mais naquilo que a coisa estava se transformando e, meu Deus, porque toda vez que acho que estamos chegando ao final acontece alguma coisa para eu continuar escrevendo, escrevendo, escrevendo...

Vejam bem, não estou reclamando – apesar de parecer, já que só vivo falando no final, no final, no final. Amo os personagens de Na sua estante, amo que eles sejam capazes de me surpreender, que tenham ido além do que eu previra no início (previsão inicial: termino em uns vinte capítulos. Dois anos depois: hã...). Amo que eles tenham bagunçado todos os meus cuidadosos planejamentos, porque isso significa que eles ganharam personalidade, fizeram suas próprias decisões.

E eu aprendi e me diverti muito – mas muito mesmo – com eles. Eu me enterneci com a paciência do Arquimedes, a timidez de Luís e a coragem da Penélope, e me diverti com as discussões cheias de humor de André e Beatriz e as intervenções bem colocadas de Sofia. Quase caí da cadeira quando entrevi a chegada de Dani, Davi e Júlia. Torci, ri sozinha, às vezes até cantarolei junto com eles uma mesma canção.

Já são dois anos... mas parece que foi ontem. É clichê, eu sei disso, EU SEI, mas é a verdade. Dois anos, mas nem senti direito enquanto ia escrevendo, escrevendo, inventando mais situações mirabolantes, perguntando-me “mas qual vai ser a reação deles? O que eles dirão quando isso acontecer?”.

Dois anos, e meus personagens já me parecem quase tão reais quanto as pessoas que passam por mim todos os dias.

E é por isso que os parabéns são para eles. Os agradecimentos por terem vindo nascer na minha cabeça e povoar um bocado dos meus sonhos (e me acordarem no meio da noite mandando eu ir escrever). Por terem preenchido horas vazias (e horas cheias) e terem, tantas vezes, me trazido um sorriso ao rosto.

E, para todos que aí acompanham essa história... muito obrigada. Obrigada por torcerem, por se emocionarem, por enlouquecerem junto comigo com as doidices que esses personagens aprontaram pelo caminho.



A Coruja

p.s.: isso está soando discurso de encerramento... mas, se tudo der certo e nenhuma outra surpresa aparecer, mês que vem, REALMENTE chegaremos ao final...

9 comentários:

  1. Mês que vem... sera mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que não! ^^ Ainda quero "me ver" por aqui!

      Excluir
    2. Pelo amor do pai... vocês querem que eu fique escrevendo indefinidamente esse povo? XD Tudo tem de ter um fim... e o fim está próximo ;)

      Excluir
  2. Como leitor de Na Sua Estante desde o começo e, vez ou outra, o primeiro a ler o capítulo da semana, digo que sentirei muita falta de ver todos aqui. E, claro, de te pertubar dando idéias estranhas pra esticar mais a história. XD

    ResponderExcluir
  3. Na Sua Estante vai acabar? Mesmo?

    Porque será que é tão difícil acreditar nisso...? xDD

    Acho que Na Sua Estante ficou muito ligada com a identidade do seu blog, se me permite dizer. É o tipo de história que se estende e não cansa... Na verdade, ela tem alguns elementos em comum com telenovelas, agora que estou pensando nisso u.u Curioso.

    Sinto que essa história e esses personagens ainda vão te surpreender. Na minha opinião particular, o melhor é não fazer planos de quando ela vai terminar. E isso não tem nada a ver com meu vício de capítulos, não mesmo :p

    Queria conseguir escrever algo como Na Sua Estante. Mas sofro de uma doença crônica conhecida como Síndrome do Escritor Prolixo u_u'' Meu sonho é ser mais concisa, e encontrar humor no dia a dia. Devo continuar me esforçando.

    Enquanto isso, aproveito Na Sua Estante... Seja lá por quanto tempo ela dure ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas veja só... questão de 'na sua estante' terminar não significa necessariamente se despedir para sempre e todo o sempre dos personagens, mas que esse ciclo de histórias e esse formato de contos-pílula-toda-sexta mudaria.

      Eu nunca disse que terminando 'na sua estante', a trupe dela seria morta e enterrada e nunca mais lembrada - até porque isso é impossível. Como você mesma observou e percebeu, Rafa, "na sua estante" é quase que parte integrante da identidade do Coruja! Eles cresceram juntos afinal - apenas um ano de diferença entre os dois.

      Ah, sim, eu conheço a SEP... na verdade, escrever 'Na sua estante' foi ma espécie de protocolo experimental na tentativa de encontrar uma cura para a síndrome. Comece a escrever! Não se importe muito com o que vai acontecer a seguir (até porque você logo vai perceber que, como autora, não manda em nada, os personagens é que mandam em você...) e manda bala! Foi o que tentei fazer aqui XD Se deu certo pra mim, porque não daria pra ti? Você escreve bem pra caramba!

      Excluir
  4. Posso sugerir que você transforme Na Sua Estante em um livro? Já até me imaginei lendo as aventuras dessa turma sentada na minha cama, tomando um chá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ^^
      Confesso que a idéia já me passou pela cabeça, sim...

      Excluir