3 de setembro de 2015

Para ler: O Gigante Enterrado

"- Você acha possível que seja verdade aquilo que o Ivor disse sobre a névoa ontem a noite, Axl? Que Deus que está nos fazendo esquecer? Talvez Deus esteja sentindo uma vergonha tão profunda de nós, de algo que fizemos, que ele próprio esteja querendo esquecer. E como o estranho disse ao Ivor: se Deus não lembra, não é de espantar que nós não consigamos lembrar.

- Mas o que podemos ter feito para deixar Deus tão envergonhado?"
Ouvi falar de O Gigante Enterrado pela primeira vez quando li a entrevista que ele deu, junto ao Gaiman, para NewStatesman. Até então, eu não tinha lido nada do Ishiguro, embora o conhecesse de nome e ele estivesse na minha lista de desejados (especialmente o Nunca me Deixes e Resíduos do Dia, que vivo cobiçando, mas estão esgotados em todo canto que procuro…).

Fiquei curiosa e coloquei o volume na minha lista de desejados… pouco depois, saiu a edição em português, que é, simplesmente, a coisa mais linda do mundo. Ele entrou em promoção no aniversário da Amazon e não hesitei: lá foi ele para o carrinho de compras. Nem preciso dizer que já o comecei quase imediatamente à sua chegada, não é?

O Gigante Enterrado é uma brilhante história de fantasia, com dragões, trolls, gigantes e cavaleiros do rei Arthur. Mas é também, sobretudo, uma história agridoce sobre memória e traição, sobre vingança e violência. É uma história bem pesada sob o tom de conto de fadas - aliás, como todo bom conto de fadas também é.

Há um névoa que embota emoções e rouba as memórias dos aldeões espalhados por uma Bretanha perdida entre histórica e fantasia. Sem lembranças, é difícil manter um senso de identidade. Pais esquecem seus filhos, maridos esquecem esposas, a rotina é a única coisa que se mantém inalterada, fixa, sem chance de qualquer progresso.

Mas alguma coisa está começando a mudar e, às vezes, há momentos de claridade. E é assim que Axl e Beatrice, nossos protagonistas, lembram que têm um filho, de quem se separaram após uma briga - embora eles não se lembrem por quais motivos brigaram. Mas esse, talvez, seja o momento de perdoar e se reencontrar. E assim é que eles decidem sair de sua aldeia para tentar reunir sua família - e buscar significado para suas vidas.

No caminho eles encontrarão um guerreiro, um menino e um cavaleiro, e descobrirão a verdade por trás da névoa e talvez até mais do que barganharam inicialmente: talvez, no final das contas, seja melhor manter o passado enterrado e assim manter nossa paz, do que lembrar e trazer de volta à luz velhas faltas e crimes.

Em outras palavras, é a alegoria de Adão e Eva e a Árvore do Conhecimento.

A linguagem é construída de forma extremamente cuidadosa, elegante e simples. Há um tom quase onírico, extremamente poético em todo o enredo. Independente até da história, para quem se deleita com frases bem construídas, esse é um livro clássico.

Com tudo isso, O Gigante Enterrado não é um título que eu indicaria para todo mundo - Ishiguro é extremamente sutil e deixa todo o enredo aberto à interpretação. Não há respostas fáceis (às vezes, não há nem mesmo perguntas, que dirá respostas…) e o ritmo é lento, no passo de nossos idosos protagonistas. É, mais que um romance, uma reflexão. Por isso existe algo de genérico em seus personagens e muita gente critique que não conseguiu sentir empatia por eles: o objetivo aqui não era emocionar, mas ser um convite à introspecção.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: O Gigante Enterrado
Autor: Kazuo Ishiguro
Tradução: Sonia Moreira
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2015

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Folha || Saraiva || Submarino || Travessa


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Desde que li a entrevista com o Gaiman que estou me coçando pra colocar as mãos nesse livro. Mas esse aniversário da Amazon já tinha me deixado com prejuízo demais, haha. E falando nisso, mais uma indicação em cheio da Dona Coruja: estou me divertindo horrores com O Protetorado da Sombrinha xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico felicíssima em saber que está lendo e gostando do Protetorado. É de fato muito divertido. Obriguei a Ísis a ler também e ela ficou apaixonada... passou à minha frente já e está lendo a continuação...

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog