13 de outubro de 2012

Meme Literário: Dia 13 – Cite um trecho de um livro que você gosta.


Dia 13 – Cite um trecho de um livro que você gosta.

Lu: Há um trecho de Hogswatch, do Terry Pratchett que eu meio que peguei como lição de vida e frase para levar para eternidade. Traduzindo de forma bastante grotesca, ela fica mais ou menos assim:
“Tudo bem”, disse Susan. “Eu não sou estúpida. Você está dizendo que os seres humanos precisam de... fantasias para fazer a vida se tornar mais suportável.”

“MESMO? COMO SE FOSSE ALGUM TIPO DE PÍLULA COR-DE-ROSA? NÃO. OS SERES HUMANOS PRECISAM DE FANTASIA PARA SEREM HUMANOS. PARA SEREM O LUGAR EM QUE O ANJO CAÍDO ENCONTRA O SÍMIO EM EVOLUÇÃO.”

“Fadas do dente? Pai dos Porcos? Pequenas mentiras?”

“SIM. COMO PRÁTICA. VOCÊ TEM DE COMEÇAR APRENDENDO A ACREDITAR NAS PEQUENAS MENTIRAS.”

“Para assim podermos acreditar nas grandes mentiras?”

“SIM. JUSTIÇA. MISERICÓRDIA. DEVER. ESSE TIPO DE COISA”.
Esse diálogo acontece entre Susan e Morte e o que Morte quer dizer aqui que precisamos da fantasia, das histórias para nos ensinar a acreditar no abstrato, em grandes princípios. O lugar em que o anjo caído encontra o símio em evolução é o lugar em que o ser humano passa a se questionar, a tentar entender, a buscar conhecimento... Acho esse diálogo entre os dois personagens simplesmente genial.

Dani: Uma das partes que mais me tocaram na vida, e tenho certeza de que não fui a única. Da obra maravilhosa de Antoine de Saint-Exupéry:
"- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...

- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. não me cativaram ainda.

- Ah! desculpa, disse o principezinho.

Após uma reflexão, acrescentou:

- Que quer dizer "cativar"?

- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?

- Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer "cativar"?

- Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que fazem. Tu procuras galinhas?

- Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer "cativar"?

- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."

- Criar laços?

- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...

- Começo a compreender, disse o principezinho. Existe uma flor... eu creio que ela me cativou...

- É possível, disse a raposa. Vê-se tanta coisa na Terra...

- Oh! não foi na Terra, disse o principezinho.

A raposa pareceu intrigada:

- Num outro planeta?

- Sim.

- Há caçadores nesse planeta?

- Não.

- Que bom! E galinhas?

- Também não.

- Nada é perfeito, suspirou a raposa.

Mas a raposa voltou à sua idéia.

- Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...

A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:

- Por favor... cativa-me! disse ela.”
Essa parte tem um sentido muito especial para mim, mas do que ouso admitir... É provavelmente um dos meus trechos favoritos de todos.

Lu: Essa cena é realmente muito linda. Eu a citei antes, no meme de 2010, ‘a melhor cena que você já leu’. Toda vez que vejo qualquer referência ao Pequeno Príncipe, me emociono de novo.

Dé: Ok, problemas grandes aqui. Não consigo lembrar de algum trecho em específico que eu goste.

Não tenho um trecho de livro que me marcou, ou que trago como lição para a vida (a maior parte dessas vieram de filmes, músicas ou pessoas). O que me leva à dúvida... será que aprendi alguma coisa com essa tonelada de leituras que fiz até hoje? O_o

Lu, preciso de um livro que mude minha vida. Te vira. =P


Lu: Oi, eu lá tenho cara de quem faz milagre? Que tal... não sei... o primeiro livro que você leu por prazer ou... ei, eu sei de um... O Dia do Curinga. Que tal?

Dani: Dé, um livro que muda nossa vida não pode ser indicado, ele literalmente cai nas nossas mãos quando menos esperamos. Pelo mesmo foi o que sempre aconteceu comigo...


Arquivado em

____________________________________

 

Um comentário:

  1. sim, os livros que mudam nossas vidas simplesmente nos caem nas mãos!

    anotada a frase.

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog