1 de outubro de 2011

Para ler: Lost in Austen



Você amaldiçoa suas estrelas sem sorte. Elas não apreciam ser amaldiçoadas. Você perde 10 pontos de Fortuna. Quando você vai aprender?
Ok, então, antes que possamos começar qualquer coisa, se você assistiu a minissérie Lost in Austen e tem esperanças de encontrar na resenha de hoje mais da Amanda entre os Bennet e Lizzie no século XXI, tire seu cavalinho da chuva ou amargará uma enorme decepção. Eu sabia exatamente no que estava me metendo quando comecei essa leitura, de forma que me diverti imensamente, mas se te venderam o livro por causa da série, sinto muito te dizer que fostes vítima de propaganda enganosa.

Feita essa recomendação, prossigamos rumo à mascarada.


Já tinha lido anteriormente livros como Lost in Austen, do tipo ‘faça a sua história’, de forma que não tive problemas em acompanhar o constante ir e vir de páginas. O que acontece é o seguinte: ao término de cada capítulo, você se depara com um desafio ou uma escolha de atitude, que irá orientar a história até o final – um final que você decidiu com as ações que tomou. O objetivo, como num jogo (e esse livro poderia ser maravilhosamente adaptado num jogo de tabuleiro), é casar bem, um casamento que seja tanto socialmente seguro e aceitável quanto feito por amor.

Ah, sim, antes que eu me esqueça, VOCÊ é Elisabeth Bennet.

Em minhas aventuras e desventuras pelas páginas do livro, fui pedida em casamento por Henry Crawford, Mr. Collins, Tom Lefroy, Mr. Knightley e Mr. Darcy, mas terminei largando Darcy para ir morar com minha tia, Mrs. Gardiner, tornando-me escritora. Alguns caminhos alternativos me fizeram ser desfigurada por ciganos, quebrar o pescoço após escorregar no gelo, suicidar-me após casar com Wickham, matar Mr. Collins com uma livrada no meio da testa e atropelar com a carruagem a prometida de Mr. Willoughby.

Ah, sim, eu também passei por cima de Mr. Elton com minha carruagem. Descobri-me uma pessoa muito sanguinária com esse livro...

E não, não acabo de contar o fim do livro porque, ao final das contas, é você quem faz seu final e ninguém garante que ele será igual ao meu, não?

Confesso que me diverti um bocado enquanto meu caminho se entrecruzava com vários dos personagens de Austen - e tudo de uma maneira bem convincente... exceto pelos vários tipos de mortes e crimes que você pode encontrar em sua jornada. E eu que achava que meu máximo risco era permanecer uma solteirona convicta quando comecei a aventura...

A narrativa segue de perto Orgulho e Preconceito e, claro que uma vez que você conhece os textos originais da autora, você tem condições de tomar suas escolhas com um objetivo específico em mente. O único problema no seu caminho rumo ao coração de Mr. Darcy (ou qualquer outro dos heróis... ou vilões) são as intervenções do narrador-deus que vive tirando pontos de fortuna por que você não pára de amaldiçoar suas estrelas da sorte (cheguei ao final com zero pontos de fortuna...) e, de forma geral, rindo da sua cara.

Não, sério. A impressão que eu tinha era de estar jogando RPG com um mestre sadista que estava o tempo todo rindo de mim por trás do seu livro-guia.

Acredito que seria interessante fazer uma leitura de Lost in Austen em grupo, com várias pessoas competindo para ver quem consegue se casar com o homem de seus sonhos... ou terminar mais miserável. Repito que a idéia poderia ser aproveitada brilhantemente num jogo de tabuleiro – talvez até me anime de tentar fazê-lo amadoramente para colocar a turma do clube do livro daqui jogando (mas numa versão bem mais simplificada).

Para quem gosta de jogos e gostaria de tentar a mão em conquistar seu próprio Darcy (ou qualquer outro dos protagonistas de Austen), é uma excelente pedida. Acho que vou ler de novo, para descobrir novos outros finais além do felizes para sempre...



A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Adorei isso, e pesei que fosse um jogo mesmo, se tu for fazer eu te ajudo, na parte da arte/papel kkkkkk, ele é em inglês né, ou jé tem em portuga?

    ResponderExcluir
  2. Ai, que barato... pena que não tem em português, né??
    Eu ia dar uma mirada nos corações do Mr. Knightley e Mr. Darcy...rss
    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog