23 de maio de 2011

Para ler: Os Crimes ABC

"Sr. Hercule Poirot: Não é fato que supõe solucionar mistérios que desafiam a capacidade intelectiva reduzida de nossa pobre polícia britânica? Pois vejamos, sr. Sagaz Poirot, até que ponto é inteligente. Talvez não considere o assunto difícil de desvendar. Fique de olho em Andover, no dia 21 deste mês.
Seu, etc,
ABC".


Agatha Christie – Os Crimes ABC
Sou uma leitora de Agatha Christie de longa data – acho que já o disse antes, mas entre os dez e doze anos, ela era praticamente tudo o que eu lia. A mulher sabia escrever mistérios como ninguém, cujo deslinde dos meios e motivos sempre me era o mais excitante.

E, claro, havia o detalhe humano. Gosto muito de Sherlock, mas a verdade é que Poirot é meu detetive favorito. Gosto da forma como esse belga se apresenta, sempre tão cheio de sua própria importância, apesar da aparência peculiar exaltada por sua vaidade, que não deixa de ser um pouco ridículo. E por parecer ridículo, é subestimado – exceto por aqueles que realmente conhecem as extraordinárias células cinzentas do nosso homenzinho de bigode.

Também prefiro Hastings a Watson em termos de lealdade canina. Hastings é um romântico incurável, que puxa Poirot para o óbvio quando o detetive começa a devanear demais e criar o crime perfeito. Faz isso de forma quase inconsciente e esse é um dos motivos pelos quais Poirot chama-o de mascote nesse livro.

Referência cruzada totalmente desproposital: lembrei agora do Naru dizendo a May que ela tinha instintos animais em Ghost Hunt.

Virei dezembro para janeiro lendo tia Agatha. Primeiro, fui atrás de conhecer Tommy e Tuppence, com quem não tive contato em minha fase estritamente policial. Depois de ler sobre eles no Meme Literário da Happy Batatinha, decidi que precisava fazê-lo. Escreverei sobre eles tão logo termine todos os romances que os dois protagonizam.

Daí fui para O Assassinato de Roger Ackroyd que, segundo me disseram, era sua obra-prima. Talvez pela expectativa – poxa, até o Manguel fala bem desse livro! – acabei me decepcionando um pouco, motivo pelo qual nem me animei a escrever a resenha.

Foi então que Os Crimes ABC, que tinha encomendado há meses, chegou finalmente... e, claro, comecei logo a ler.

Primeiro e antes de mais nada, quero parabenizar a senhora tradução da LP&M. De uma forma geral, sempre gostei muito das traduções da editora, especialmente as de Shakespeare, feitas pelo Millôr e a Beatriz Viégas-Faria.

Engraçado que nunca me toquei muito de questões de tradução antes de (1) começar a ler quase tudo em inglês, o que me deixou mais exigente com traduções e (2) fazer amizade com tradutores, o que me fez ter consciência de que eles existem e merecem ser lembrados pelo bom trabalho que fazem.

Agora, sem mais delongas e propagandas (até porque não ganho nada com isso...), ao livro. Em Os Crimes ABC temos um assassino que desafia pessoalmente Poirot. Antes de cometer seus crimes, ele manda cartas ao detetive, avisando o dia e a cidade em que o fato ocorrerá. Ao cometer o segundo assassinato, fica claro seu padrão: eles ocorrem em ordem alfabética, combinando nome da cidade com o da vítima – com a Sra. Asher em Andover.

A cada assassinato, ficamos mais estarrecidos porque não existe realmente lógica na forma como a coisa toda é conduzida. Aparentemente, estamos lidando com um lunático, um psicopata que mata simplesmente para confundir Poirot e a Scotland Yard.

E essa é a chave de tudo. Aparências, confusão. Ficamos perplexos com as pistas que surgem ao longo da história – mas temos de ter em mente que são pistas plantadas ali para nos desviar dos verdadeiros fatos.

Desviar a nós, leitores. Mas não a Poirot.

Dizer muito mais que isso é estragar o livro. Fiquei um pouco insatisfeita com a solução final, porque, bem... o crime quase perfeito deveria ter uma finalidade mais maquiavélica que simplesmente... hum... melhor eu ficar quieta, né? Mas, bem, ainda foi um dos livros que mais gostei com o Poirot.

Seja como for... leiam também. E depois me digam quem vocês pensavam que era o assassino. Eu, pelo menos, errei feio. Ma, c’est la vie. Le prochain, s’il vous plaît.


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Oh, Agatha Christie!!!

    Pelas minhas contas só me falta ler uns quinze livros dela... Também passei pela fase de praticamente só ler AC, mas passei por essa fase duas vezes: aos 14/15 anos e depois com 22/23. Nessa última foi quando decidi comprar todos os livros dela (e acredite em mim, não é uma tarefa nada fácil!).

    Como já faz uns três anos que li os crimes abc, não lembro quem era meu suspeito, só lembro de ter achado o final insatisfatório. Geralmente acontece isso comigo quando espero demais de uma história e a história corresponde: o final nunca fica a altura.

    Mas bien... Não se pode ter tudo não é? rsrsrs

    Acho que não vai se arrepender na sua decisão de ler os cinco romances de Tommy e Tuppence. Apesar do primeiro livro deles (O Inimigo Secreto) ser meu favorito, gosto de todos os outros!

    Beijinhos, Fran.

    ResponderExcluir
  2. O livro de Poirot que eu mais gostei foi "O Mistério do Trem Azul". Achei o mistério muito empolgante e o final nao me decepcionou, inclusive eu acertei quem era o culpado!!!
    Os Crimes ABC gostei muito também, porém, como vocês, não me agradei muito com o final.

    Eu ja tinha ouvido falar da Agatha, mas so despertei desejo por suas obras este ano e ja li 8 delas e pretendo ler mais. Virei fã!!!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog