15 de maio de 2011

Coruja Gourmet: Cuscuz




Hoje no CCPIC - Curso de Culinária para Pessoas Ineptas na Cozinha - vamos a uma receita que quase matou D. Mãe... engasgada. Isso é o que dá rir da própria filha até faltar ar.

Muito já se falou sobre as vantagens e desvantagens do cuscuz e do cuscuz paulista. Agora, enquanto você encontra fácil, fácil receitas de cuscuz paulista, cheguei à conclusão de que o bom e amarelão cuscuz não tem ganho muita vez.


Isso é engraçado, porque ao menos aqui em Pernambuco, onde fui, comi cuscuz - na capital, no agreste e no sertão - e é uma comida da qual já ouvi muitas histórias.

Meu avô, por exemplo, sempre dizia que quem come comida de milho é forte e portanto, consegue atravessar seca.

Mamãe conta de um velho morador lá de Mirandiba que certa vez, Manoel de Romão, chegando em casa, foi olhar o que tinha para a janta e se deparou com o cuscuz na cuscuzeira, gordo, inchado de leite.

Disse ele 'nem um homem incha pra mim, que dirá um cuscuz!' e passou a botar todo o conteúdo da cuscuzeira para dentro do papo, de forma que na hora do jantar... não tinha jantar (desculpa mais esfarrapada essa para poder comer tudo sozinho...).

Tive um professor de história que contava que em seus tempos de vestibular, morando numa casa do estudante, comia cuscuz todo dia no jantar, de tal forma que a determinada altura ele começou a ter pesadelos com o 'amarelão' devorando-o.

É cada uma que a gente escuta...


Cuscuz


Ingredientes

* 1 xícara de massa de milho (milharina)
* 1 colher (chá) rasa de sal (passar a faca por cima para ficar rente e dar a conta)
* 3/4 xícara de água
* Um punhado que caiba entre os dois dedos de farinha de mandioca


Modo de preparo

Misture a massa com a farinha e o sal até ficar homogêneo. Molhe a massa com a quantidade da xícara, bem ensopadinha e deixe-a descansar. Coloque água na metade do fundo da cuscuzeira. Faça o sinal da cruz em cima. Coloque para cozinhar.

Conclusões

'É uma pitada de sal' diz a mãe. E eu 'sim, mas o que é uma pitada de sal? O que há entre tantas pitadas de sal que não há...' Mãe revira os olhos com meu Shakespeare. Daí a pouco ela está engasgando de rir pelo fato de que está fazendo uma receita que sempre fez 'de olho' medindo cada pitada que coloca de alguma coisa.

'Como assim faz um sinal da cruz???' pergunto quando ela me solta essa. E ela responde 'você não deve socar a massa na cuscuzeira, só joga ela lá dentro e apruma tudo com um sinal da cruz bem de leve'. Hã... tá certo, né... ela que é a cozinheira, eu só faço seguir ordens...

Há muitas formas de comer esse cuscuz quando pronto. Você pode jogar um pouco de margarina sobre ele, no prato, ou pode colocar com leite, ou pode colocar com ovo, com carne de sol... são as formas como eu como (gosto de variar...)

Com carne de sol em tirinhas é como sempre como na casa de vó. Carne de sol de bode rasgada em tirinhas, bem assada, com cuscuz e leite... e manteiga de garrafa feita pela avó. E o colesterol, olha, foi lá para as alturas, só de pensar...

Tenho uma prima que come com biscoitos maizena misturados no leite. Já vi meu irmão colocando ketchup. Mas, na boa, é bom comer da forma clássica mesmo, com uma manteiguinha derretendo por cima enquanto se embriaga com o cheiro de casa de vó...

Ah, casa de vó...

Deixa eu ir desengasgar a mãe agora...



A Coruja


Arquivado em

____________________________________

 

2 comentários:

  1. Hahahhahah genial o Sacrossanto Cuscuz, aprumado na cuscuzeira com o sinal da cruz e tudo XD. Acho que eu nunca comi cuzcuz, mas fiquei morrendo de vontade com essa história de cuzcuz + carnel de sol + manteiga de garrafa...lembrei de meus tempos de Salvador, quando eu ia almoçar com meu chefe-surfista e a gente pedia bode assado, com manteiga de garrafa e macaxeira cozida. Aaaaaargh e são 8 da manhã e eu já estou pensando no almoço...ok, chega de comentar!

    ResponderExcluir
  2. Carolina Marques15 de maio de 2011 17:13

    Hoje estava vendo o canal de música e eles estavam falando que o mundo está correndo demais, todos estão sofrendo de novas doenças como o stress e, a partir desse movimento de todos quererem parar um pouco para respirar, descobri um novo tipo de música: a chipmusic!! Pegar jogos como o atari e o nitendo antigo para fazer música!! Ficou muito interessante o resultado. Parece uma discoteca das antigas!!

    Saudades!!!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog