11 de abril de 2011

Desafio Literário 2011: Março - Ficção Científica || Admirável Mundo Novo



- Tudo isso me parece absolutamente horrível.

- Sem dúvida. A felicidade real sempre parece bastante sórdida em comparação com as supercompensações do sofrimento. E, por certo, a estabilidade não é, nem de longe, tão espetacular como a instabilidade. E o fato de se estar satisfeito nada tem de fascinação de uma boa luta contra a desgraça, nada de pitoresco de um combate contra a tentação, ou de uma derrota fatal sob os golpes da paixão ou da dúvida. A felicidade nunca é grandiosa.

Se fosse para comentar esse livro numa única linha, eu diria o seguinte: “ele é brilhante... mas quando terminei, senti vontade de me jogar da janela”.

Não estou brincando. Embora Admirável Mundo Novo seja uma obra excepcional – em muitos sentidos – ela me deixou absurdamente deprimida. A despeito dos meus comentários volta e meia cínicos, a verdade é que sou uma otimista: esforço-me para não pensar o pior das pessoas, por acreditar que a humanidade ainda tem esperança.

Aí você lê um livro como esse e começa a refletir sobre a escolha do selvagem: o direito de sentir e, por conseqüência, à infelicidade (afinal, nas palavras de Da Vinci, ‘Onde há muito sentimento, há muita dor’); ou a insanidade de uma civilização totalitária em que as pessoas são programadas para o consumo, a negação de quaisquer vínculos emocionais e à estagnação.

Huxley criou sua história em 1931. Ecos do sistema que imaginou para a manutenção do status quo de sua sociedade ‘perfeita’ podem ser encontrados na Alemanha hitlerista: eugenia, perda do individual em face do Estado, propaganda como forma de controle das massas.

No livro, após um evento conhecido como a Guerra dos Nove Anos, os Estados Nacionais foram abolidos em prol de um Estado único. As pessoas não nascem - a idéia de mãe e pai é até mesmo indecorosa -, em vez disso são cuidadosamente cultivadas em laboratório, sendo, desde o princípio, condicionadas para se tornar aquilo que o Estado deseja que se tornem.

Os fetos dos indivíduos destinados à classe trabalhadora têm álcool misturado ao sangue com que são alimentados, de forma a terem o desenvolvimento físico e mental atrofiados. As crianças são condicionadas através do método de Pavlov e educadas moralmente através de hipnopédia (aprendizado através da escuta de mensagens pré-gravadas durante o sono).

As pessoas são divididas em categorias ou castas. Temos os Ípsilon na base da cadeia produtiva, seguidos dos Delta, Gama, Beta e Alfa, cada qual usando cores identificadoras – não que isso seja necessário numa sociedade governada por estereótipos.

A educação moral inculcada nas crianças incluem a necessidade eterna de consumir, a prevalência do Estado sobre o indivíduo e o comportamento promíscuo, com vistas a obliterar emoções, sentimentos e crenças.

Ou melhor, existe um único sentimento permitido: felicidade – mas uma felicidade vazia, que é, na verdade, a ausência de uma consciência individual. E, se isso ainda não for o suficiente... então basta tomar comprimidos de soma – e com isso fugir da realidade.

Não é à toa que a contagem do tempo aqui se dá antes e depois de Ford, uma vez que Henry Ford foi o responsável pela criação das linhas de montagem e do modo de produção em massa.

Existem, contudo, algumas colônias de “selvagens” pelo mundo, lugares vigiados, cercados e miseráveis. É lá que encontramos John, que nasceu por acidente, filho de um alfa e uma beta. Não foi condicionado desde criança àquilo que é considerado o ‘normal’. Pelo contrário, sua educação se baseou num velho volume de peças de Shakespeare, de forma que ele conhece Deus, fidelidade, amor.

Aliás, é de Shakespeare que vem o título do livro. Como John, Miranda, de A Tempestade jamais teve contato com a sociedade. Tal isolamento a tornou ingênua, de forma que ela vê apenas o belo e não a maldade – o mesmo que ocorre a John no princípio.
MIRANDA: Ó maravilha! Quantas criaturas adoráveis existem aqui! Quão belos são os humanos! Ó admirável mundo novo, onde habitam semelhantes pessoas!
Miranda tinha seu pai para protegê-la. John, contudo, não tem nenhum refúgio, ninguém para quem pode realmente se voltar. Não no final. E é por isso que Admirável Mundo Novo acaba por assumir ares de tragédia, sem qualquer esperança de mudança ou melhora.

Como crítica social, o livro é completamente atual. Como previsão, Huxley não poderia ter feito melhor com uma bola de cristal: há algo de muito, muito familiar na sociedade perfeita, no admirável mundo novo – o que explica a depressão de que falei lá no começo. Ainda assim, é uma obra que vale à pena ler e refletir, a fim de que nós, também, não nos tornemos seres humanos etiquetados e anestesiados para tudo aquilo que não fomos condicionados a notar.

Nota: 5
(de 1 a 5, sendo: 1 – Péssimo; 2 – Ruim; 3 – Regular; 4 – Bom; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Admirável Mundo Novo
Autor: Aldous Huxley
Tradução: Lino Vallandro
Editora: Globo
Ano: 2009
Número de páginas: 398



A Coruja


____________________________________

 

4 comentários:

  1. Penso se Admirável Mundo Novo e 1984 não seriam obras complementares...

    ResponderExcluir
  2. Sua visão pessimista nos invade como um despertar triste e desesperador. Mas não há como negar o respaldo que o livro tem junto à realidade controlada em que vivemos.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Tb li esse e me senti muito estranha lendo, mas mais perto do enojamento por perceber que falta tão pouco para ficarmos tão parecidos.

    Ótima resenha!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Lu,tenho este livro na minha lista do skoob, pretendo lê-lo, ainda mais agora com sua resenha.
    Qto a felicidade que você citou, lembra a mesma do livro Fahrenheit 451, não é?
    Muito boa sua resenha, beijos

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog