12 de janeiro de 2011

Para ler: The Mythic Warrior's Handbook



Back when lightning-throwing gods and multiheaded monsters ruled a world in constant chaos, there was one man who stood on four hooves against it all. He was Chiron the Centaur, the wise (-cracking) teacher to amateur heroes. The Mr. Miyagi of ancient Greece, he turned these cowardly boys into powerful warriors, helping them achieve greatness and overcome their Daddy issues - seriously, how many kids back then were waiting for Zeus to come by and play catch?

Now, thousands of years later, Chiron's ancient textbook has been unearthed, his advice translated, and knowledge dropped for the modern audience. With the smarts of a mythic sage and wit of a jackass, this half-man/half-horse instructs readers on how to be the baddest mother in sandals since Perseus. From kicking Gorgon ass to appeasing Apollo to scoring the golden fleece, Chiron breaks down the game plan for getting in good with the gods.

It is perfect for anyone who ever wanted his own constellation.


Eu andava mesmo precisando rir… Tava fazendo falta pegar um livro assim, meio ridículo, meio bizarro, que me fizesse esquecer por pelo menos algumas horas prazos, recursos e a lista sem fim de coisas que me arranjo para fazer.

The Mythic Warrior’s Handbook também serviu como um reencontro com a mitologia grega que fez minha alegria durante boa parte da infância. Nos últimos tempos, tinha enveredado por outras mitologias (em especial a nórdica e celta – culpa do Tolkien...) e fazia alguns anos que não deitava mãos em nada desse gênero.

Estava com saudades das confusões e intrigas urdidas no Olimpo, das façanhas de Hércules, Perseu, Ulisses (adooooooooooooro Ulisses) e companhia, e da bizarrice das criaturas que como que esse povo enchia sua Hélade.

Sério, é uma boa dica para determinar se um monstro é grego é o número de pares de pernas e olhos ou cabeças (de preferência de espécies diferentes).

Ok, então... a narrativa de The Mythic Warrior’s Handbook gira em torno da idéia de que os autores do livro na verdade são seus tradutores; seguindo uma dica privilegiada (cuja fonte é informação ultra-secreta), eles encontraram um túmulo perdido na Grécia onde estava escondido um pergaminho antigo escrito por, ninguém mais, ninguém menos, que Quíron, o centauro, e que é, na verdade, um guia para como se tornar um herói.
Why do you want to become a hero? Maybe you’re an altruist hooked on good deeds – like freeing damsels in distress, or liberating kingdoms from monsters with bad, sometimes even fiery, breath. Or maybe you’re looking to journey to exotic foreign lands in search of mystical objects as souvenirs… Or maybe you simply want to star in your own epic, and are in it for the glory alone. (No shame in that!) Whatever your motivation, this guide will get you there.
Quíron não é exatamente protagonista de nenhum dos grandes mitos que passaram à posteridade – de cabeça, só consigo me lembrar da história de sua morte nas mãos de Hércules e mesmo assim ele é secundário na história. Contudo, ele é constantemente mencionado como o mentor da maior parte dos Heróis (com H maiúsculo) gregos, um guerreiro e um sábio, acima de tudo.

Eu adorei a idéia de tê-lo como narrador, especialmente de um guia passo-a-passo de como se tornar um herói. O estilo dele é seco, direto, e absurdamente sarcástico – gosto particularmente da passagem em que ele premia o ‘Piores Parentes da Idade de Bronze’: Agamenon, que sacrificou a própria filha Ifigênia antes de partir para Tróia é apenas lembrado e corre por fora do páreo diante de nomes como Laius e Jocasta (que tentaram matar o filho Édipo para não cumprir a profecia da Pítia), Medéia (que assassinou os filhos por ciúmes do marido Jasão) e o grande vencedor, Tantalus: ‘nothing like feeding your own son to the gods for an innovative and twisted way of ending the kid’s life’.

Na verdade, você já começa a rir nos títulos de cada capítulo. O livro é dividido em seis partes – a introdução (Welcome to Chiron Enterprises), seguida de uma preleção sobre a importância da família, seja para avançar na vida, seja para ter cuidado com suas costas para não receber uma adaga à traição (Keep the Gods Close... and Your Family Closer - e aqui você tem de lembrar que boa parte dos grandes heróis eram semideuses...); uma lição sobre como escolher suas aventuras, passando por discussões acerca de terreno e o que empacotar para a aventura (Dude, Where’s my Trireme?), até tipos de missões (Choose Your Own Adventure) e opções para aposentadoria (Hanging Up Your Helmet), terminando com uma lição sobre como morrer como herói (Your Big, Fat, Greek Funeral).

Claro, tem também as ilustrações... e as advertências que Quíron faz em certas passagens críticas.
Chiron Enterprises takes no responsibility for bizarre revenge and any subsequent, and ironically backfiring, aftermath inspired by these family histories. Such narratives should be taken as words of caution rather than as models for proper behavior. Do not try cannibalism or parricide at home. In addition, all exposures and exiles of ill-destined firstborn sons should be carried out by professionals rather than amateurs.
Ah, sim, antes que me esqueça… ouvi de fonte fidedigna (leia-se, a tradutora) que esse livro vai sair aqui no Brasil. Não sei quando, nem sei por qual editora, mas conhecendo a peça, tenho certeza que será uma boa tradução.

Embora ele possa servir como uma introdução ao mundo da mitologia grega, acredito que aqueles que já são familiares com ela certamente se divertirão muito mais com os trocadilhos infames e as informações bastante pertinentes dadas por Quíron.

Carimbo de Lulu Recomenda nele!



A Coruja


____________________________________

 

3 comentários:

  1. Báh vou esperar essa tradução como se não houvesse amanhã, eu adoro a temática e Quíron como narrador e ainda por cima sarcástico? Super meu tipo :)
    Preciso me puxar nisso de ler em inglês, sempre perco delícias como essa porque fico colocando outras prioridades na vida...
    estrelinhas coloridas...

    ResponderExcluir
  2. Espero ler ele em breve!! Parece uma leitura muito empolgante!!

    ResponderExcluir
  3. Eu que traduzi, quando sair, posto o ink aqui ;)

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog