2 de novembro de 2010

Meme Literário: Dia 02 – um livro que te fez chorar




Sou manteiga derretida assumida: choro à toa mesmo. Escolher um único livro que tenha aberto as comportas seria, pois, muito difícil, de modo que vou falar do último que me levou às lágrimas.

Já escrevi uma extensa resenha da série O Único e Eterno Rei, de T. H. White, parte do especial sobre Arthur que tivemos no Coruja durante todo o mês de outubro, então, serei um pouco breve acerca do quinto e último volume da saga, este O Livro de Merlin


Esse livro não foi editado e sua publicação é póstuma. Talvez por isso, ele seja repleto de pequenas falhas – em especial a repetição dos episódios da formiga e dos gansos selvagens. Ainda assim, é uma narrativa incomparável, permeada pela tristeza dos últimos momentos de Arthur antes de enfrentar Mordred.

É a história de um homem que passou a vida tentando servir à justiça, buscando um ideal; um homem simples, essencialmente bom – não um herói, mas apenas alguém que tentou fazer o certo.

Como eu queria que Merlin não o tivesse separado de Lyo-Liok... que ele tivesse permitido que Arthur continuasse a viver entre os gansos selvagens, um dos poucos períodos da vida deste rei em que ele foi realmente feliz.

A resposta que ele dá a Merlin e aos animais à sua volta e sua posterior epifania sobre a Inglaterra e sobre seu real papel, sua importância nos acontecimentos de então... especialmente depois de ter acompanhado sua vida pelos últimos quatro volumes, não há como não se emocionar.
- Eu não vou – disse ele. – Vocês devem procurar outro boi para puxar para vocês. Por que me trouxeram de volta? Por que devo morrer pelo homem quando vocês mesmos a ele se referem de forma tão desdenhosa? Pois seria minha morte. É mesmo verdade que as pessoas são ferozes e estúpidas. Já me impuseram todas as penas, menos a morte. Achão que ouvirão a sabedoria, que o simplório compreenderá e abandonará suas armas? Não, ele me matará por isso: me matará como as formigas matariam uma albina.

E, Merlin – ele lamentou -, eu tenho medo de morrer porque nunca tive a oportunidade de viver! Nunca tive vida própria, nem tempo para a beleza, e mal comecei a descobri-la. Você me mostrou a beleza e a arrancou de mim. Você me movimenta como uma peça de xadrez. Você tem o direito de pegar minha alma e torcê-la em seu molde, de roubar a mente de minha própria mente?

(...)

Subitamente, ele sentiu o intenso e triste encanto de ser um ser, para além do certo e errado – que, na verdade, o simples fato de ser era a coisa mais profundamente certa. Começou a amar a terra diante dele com orgulho ardente, não porque fosse boa ou má, mas porque era.

(...)

A Verdade. Reconhecer e afirmar O Que É. Essa era a coisa que o homem podia fazer, que seus ingleses podiam fazer, seus amados, seus adormecidos, seus agora indefesos ingleses. Eles podem ser estúpidos, ferozes, não-políticos, quase incorrigíveis. Mas aqui e ali, oh, tão raramente, oh tão escassamente, oh tão gloriosamente, havia aqueles que de qualquer maneira, enfrentariam a tortura, o carrasco, e até mesmo a pura e simples extinção, por uma causa maior que eles mesmos.


____________________________


E aproveitando o ensejo já que estamos por aqui, não deixem de participar da pesquisa de opinião para o balanço de final de ano de D. Lulu!





A Coruja


____________________________________

 

6 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar, mas achei bem legal a história! Vou ler as outras resenhas também! Bjo

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia, mas fiquei com vontade de ler! O jeito como ele escreve é em prosa poética, bem parecido com Clarice Lispector, que idolatro.
    Acho que me identificarei com esse autor.

    --> Veja o que escolhi para o Meme Literário hoje:
    http://joaninhaplatinada.blogspot.com/2010/11/meme-02-livro-que-faz-chorar.html

    ResponderExcluir
  3. Adoro histórias de Merlim e Arthur! E saber que elas são de emocionar é muito legal! Acho que vai pra minha wishlist. ohgod rsrsrsrs

    Smacks pra ti!

    ResponderExcluir
  4. Báh não conhecia esta série, adoro histórias sobre Merlin e Arthur, vou procurar saber um pouoc mais.
    estrelinhas coloridas...

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar, mas quem sabe depois de conhece-lo aqui eu não o leia....beijokas elis!!!

    ResponderExcluir
  6. Também nunca tinha ouvido falar, mas me interessou muito. Histórias sobre Merlin e Arthur estão entre minhas preferidas!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog