21 de agosto de 2009

Longe de casa, com armas de caça, vamos abatê-los um por um...


Sou a primeira pessoa a dizer que vivo em fases, nunca totalmente constante em meus gostos, especialmente em termos musicais. Não quero dizer com isso que durmo um dia gostando de música clássica e acordo no outro ouvindo funk (que desgosto isso seria...).

A coisa funciona mais ou menos assim...
eu tenho um bom tanto de artistas e bandas de que gosto muito - Indigo Girls, The Corrs, Regina Spektor, Loreena McKennitt, Michael Bublé, Frank Sinatra, Tom Jobim, Vinícius e por aí vai... O que ocorre é que, volta e meia, um desses meus favoritos é alçado ao posto de "mais" favorito - geralmente, tão logo eu os descubro - e por um mês e tanto, eu escuto apenas e unicamente a discografia do fulano de trás para frente, de costas e ponta-cabeça.

Passada a minha fase de furor, arrefecido meu favoritismo, meus gostos musicais voltam a variar, e eu escuto um pouco de cada.

Atualmente, estou na fase Beirut.

Tudo começou comigo passando pelo quarto do meu irmão, o qual estava, ineditamente, com a porta aberta. Ele estava escutando Elephant Gun e quase que imediatamente eu me encantei. Depois disso, descobri que ele descobrira a música na série Capitu, que passou na Globo no começo do ano.

Perguntei a Felipe, é claro, se ele tinha mais mpúsicas do grupo. A resposta dele foi me olhar meio torto e perguntar "pra quê?". Sabendo que daquele mato não sairia coelho, saí catando no orkut (que é onde eu sempre saio catando essas coisas e é só por isso que mantenho um perfil lá) até encontrar a discografia completa do grupo.

E pelos últimos dois dias, eu só tenho escutado Beirut.

Confesso que, na maioria das vezes, minha atração por uma música vem, primeiro, pelo seu ritmo. Talvez isso explique o porquê de eu gostar tanto de Bossa Nova, com seus arranjos quase impossíveis, dedos tão largos no violão que eu já quase dei um jeito neles (sem brincadeira... e isso porque eu tinha simplificado os acordes. Mas Jobim é louco, são tantos dissonantes e um único verso que dá vontade de enfiar a cabeça na parede e chorar... são lindos de ouvir, mas difícilimos de fazer)... E também meu gosto por trilhas sonoras e música clássica em geral.

É claro que isso não significa que eu dispense uma boa letra. Nada de "só as cachorras", por favor. Algumas das minhas canções favoritas são verdadeira poesia cantada.

Mas não era disso que eu estava falando. Voltemos ao Beirut. Não sei bem como classificar o som dessa banda, embora eu o tenha encontrado sob o selo de indie. Há qualquer coisa de muito pura em suas melodias... algo de melancólico, nostálgico... que me faz pensar em carrosséis e rodas-gigante, o papagaio no realejo tirando a sorte para o casal de namorados, algodão-doce e ciganas dançando e lendo sua mão.

Não fui capaz de identificar todos os intrumentos com que eles tocam - e são muitos, de forma harmoniosa. Eles experimentam muito, brincam com o som. Há claro, as cordas... violino, com certeza, e algo parecido com um alaúde... talvez uma viola. Algumas músicas têm o peso do cello. Muitos instrumentos de sopro... eu acho que é um saxofone, mas acho que não é só sax... não sou uma grande especialista em instrumentos de sopro, então, deixa pra lá... E, claro, tem o acordeão. Ah, o acordeão...

Em vez de falar sobre eles, farei melhor... Deixarei que eles falem sobre si...




If I was young, I'd flee this town
I'd bury my dreams underground
As did I, we drink to die, we drink tonight

Far from home, elephant gun
Let's take them down one by one
We'll lay it down, it's not been found, it's not around

Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down

Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the night

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the silence, all that is left is all that I hide



A Coruja


Arquivado em

____________________________________

 

3 comentários:

  1. Bastante bonito, o estilo deles.

    Eu não conhecia, aliás, acho pena um grupo destes não ter qualquer divulgação aqui.

    Quanto a gostos musicais, acho que aí também tenho de concordar que se movem por fases (as minhas duram uma semana, mas pouco variam entre elas).

    ResponderExcluir
  2. Tudo bem, a Ste diz que a música dela é "mulher de fases" ;) rsrsrs

    Silver, gosto muito do seu blog! Você gostaria de uma parceria com o Refúgio? Que tal se divulgássemos o banner um do outro?

    Beijo!
    Carlos Daniel

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez descubro porque adoro seus textos.... Também sou fã de The Corrs e Regina Spektor, e gosto muito de música Brasileira tipo do Vinícius, apesar de ter preferencia por internacionais....Mas Beirut, vc talvez não acredite, mas estava ouvindo-os hj mesmo!!! Que nem o seu irmão eu os descobri assistindo Capitu, mas na época não descobri o nome da banda e não pude procurar nada, até que saiu uma matéria no Estadão, eles vieram pra Sampa fazer um show, o qual infelizmente não fui, e dai comprei o último CD ^_^ E como eu jah escrevi demais e meu teclado tá mto ruim vou ficar por aqui....

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog