2 de setembro de 2011

Na sua estante: tempo





#080: Tempo
---------------------------------------


Diz-se que o tempo cura tudo, cicatriza todas as feridas. Faz passar a dor de um coração partido, a mágoa causada por uma mentira e fecha aquele talho no que você precisou levar seis pontos enquanto seu irmão observava que alguma bebida alcoólica – vodca, por exemplo – seria uma boa alternativa analgésica.

Passa a ser uma questão de tempo você descobrir que a maior parte da sua roupa limpa mudou de endereço e que você praticamente só volta para casa quando precisa levar as roupas sujas para lavar. Ou que repentinamente você não está mais levando tão a sério aquele juramento de nunca mais colocar uma gota de álcool na boca enquanto se esbalda na calourada da sua turma – levando sua irmã a tiracolo porque ela é uma excelente guardiã para sua virtude (você ainda não foi capaz de esquecer completamente daquele fiasco que quase te matou do coração...).

Com o tempo, você passa a perceber os sinais – aqueles que estavam óbvios desde o princípio, enquanto seu primo costurava sua melhor amiga com um olhar meio embasbacado. A forma como ele começa a se demorar mais para pegar a garrafa d’água quando vocês estão na cozinha se preparando para uma seção de filmes e pipoca e como ele se oferece todo solícito para te dar carona toda vez que você vai para a casa dela.

O tempo dirá se aquela afeição que você vê crescer por entre as estantes repletas de livros, os olhares meio curiosos, meio ansiosos enquanto uma carta é aberta e lida com incontida ansiedade, há de ver frutos; ou se passará como páginas em branco no interlúdio de um capítulo e outro.

E assim vai escoando o tempo, uns dias chovem, outros dias fazem sol... e a vida continua, bem ou mal, trazendo surpresas, novos e velhos amigos, volta e meia saindo do clichê e te pregando uma peça.

É tempo de virar a página.

_______________________

Pessoal, a partir desse capítulo, entramos numa nova fase de Na sua estante. Na verdade, estamos agora na reta final da história... O grand finale. É tempo de amarrar as pontas soltas, deixar outras tantas para que vocês mesmos possam imaginar seus finais e preparar tudo para que estes personagens tão queridos, que estiveram de inquilinos na minha cabeça por mais de ano, possam se despedir.

Espero que gostem do que vem por aí... Vejos vocês quando voltar de viagem (mas não se preocupem, deixei todas as postagens programadas XD)



A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Acabo de perceber que não me lembro de ter comentado em alguma postagem de Na Sua Estante até agora. Como isso é uma ofensa inadmissível, vou aproveitar o pequeno interlúdio para tirar o atraso :D

    Eu adoro essa série desde que você começou a escrevê-la, não é uma história pretensiosa, mas tem uma lista longa de melhores momentos que me fizeram ficar um bom tempo rindo histericamente na frente da tela do pc.

    É uma história fácil de se identificar, eu creio, pra qualquer pessoa que tenha passado algum tempo (as vezes mais do que seria considerável saudável) numa biblioteca, e cheia de personagens carismáticos e conceitos curiosos. Em resumo, outro trabalho maravilhoso seu. Parabéns por ele.

    Espero que as coisas só fiquem melhores daqui para frente, e vou acompanhar a história toda semana no Coruja. Mesmo esquecendo de comentar ocasionalmente 'xD

    Espero que você faça boa viagem. Ironicamente, eu estou indo pra Recife amanhã para o Intercom (Isso já aconteceu antes, não foi? xDD), vou ficar por lá até quarta-feira... Com alguma sorte, isso vai render assunto para o meu blog (o pobrezinho está desatualizado :\), como eu suponho que sua viagem renderá para o Coruja. Bom, a gente se fala n_n Ciao

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog