18 de maio de 2009

Por Dentro da Cabeça da Autora: Mina MacFusty


Eu escrevia Hades na época e estava acostumada a receber uns emails estranhos de vez em quando do povo que estava lendo a história pelo fanfiction.net... Ofertas de lugares para escrever e publicar; declarações de amor, ameaças de morte, promessas de que acampariam na frente da minha casa enquanto não saísse capítulo novo...

Um desses emails foi da administradora de um site chamado "Embarque no Expresso", convidando a visitar o blog, que tinha sido recém-inaugurado e a participar da equipe de escritores que estava se juntando então.

O Embarque era irmão de outro site já mais estruturado, o Expresso Hogwarts. Lembro de ter visitado os dois sites e me surpreendido com a estrutura, mas a faculdade já tinha começado e eu estava meio receosa de entrar nessa história e depois não dar conta.

Meu problema é que eu simplesmente não sabia dizer não e a idéia do Expresso, que tinha uma estrutura parecida aos dos RPG's que eu então jogava, tinha me pescado a atenção. Para resolver a questão, decidi que minha personagem no Embarque seria eu mesma, o que me facilitaria a vida na hora de criar as desventuras dela, já que eu só precisaria recontar minhas próprias trapalhadas no dia-a-dia.

Eu estava lendo Drácula naqueles dias e por pura preguiça, saí catando os nomes para minha "ficha de personagem" na obra de Bram Stocker. Lucy e Mina, as primas vítimas do Conde viraram mãe e filha e Jonathan (a quem eu me costumava referir como o noivo paspalho) virou o pai.

Naqueles primeiros dias, eu não tinha nenhum grande planejamento para a Mina. Tudo o que eu sabia dela é que ela era uma menina estudiosa, que vivia com o nariz dentro de um livro, era um bocado tímida, um bocado malcriada e um bocado respondona.

Em algum ponto da história, a Lucilla (que era a administradora do Embarque) me apresentou à Ana, a responsável pelo Expresso. A primeira coisa que prestei atenção sobre a Ana foi o fato de que fazíamos aniversários no mesmo dia; não demorou muito para que eu a chamasse de irmã siamesa e que começássemos a adivinhar os pensamentos da outra.

O Embarque se extingüiu por diversos motivos e os remanescentes foram incorporados ao site principal. Foi então que a Mina começou realmente a crescer.

Para começo de conversa, ela deixou de ser uma personagem isolada para começar a se relacionar com todos os outros em diversos níveis de amizade, em especial com a Meridiana. Aliás, a amizade da Mina com a Meri tem muito do meu próprio relacionamento com a Ana.

Depois, a Ana e a Lucilla se juntaram para pedir a mão da Mina para o Isaac. Então, quando o Cão de Guarda entrou na história... foi aí que eu realmente comecei todos os meus grandes planos para a domadora.

Mina cresceu imensamente como personagem ao longo desses anos. Ainda temos muito em comum, eu e ela, mas nossas personalidades já não são mais completamente as mesmas. Por assim dizer, ela tomou as rédeas de seu próprio destino, o que ficará bem provado na fase atual do Expresso.

De uma menina tímida que se escondia atrás dos livros, Mina se transformou na Domadora de Dragões do Olho do Grifo, jornal subversivo em Hogwarts, escrevendo contra a ditadura da Umbridge e, depois, assumindo um tom mais sério com a nova onda de preconceito que atinge o mundo bruxo a partir do sexto livro. Mesmo agora, presa nas Hébridas, ela vai assumir sua posição como herdeira do clã, chegando mesmo a enfrentar o Conselho de Magia Escocês em dos arcos que é ponto alto da fase Deathly Hallows.

Mina possui diversas facetas. Isso se deve ao fato de que tive anos para desenvolver o caráter dela, anos em que a escrevo continuamente. Ela é dramática e divertida, o que é ótimo para usá-la como elemento cômico - ela realmente tem algo de comédia nela, na maneira como usa seu sarcasmo e como sempre se mete em enrascadas e tem idéias absurdas (como levar um cobertor para um dragão). Mas ela também tem uma maturidade ímpar com um enorme senso de responsabilidade, de dever e de lealdade com seus amigos.

Lógico, ela é cheia de defeitos... O principal talvez seja sua dificuldade de lidar com relacionamentos; todos os começos de suas amizades são complicados. O cúmulo dessa dificuldade vem, claro, em sua relação com o Isaac e na forma como ela não enxerga os sentimentos dele.

Desde os primeiros posts de Milady e Cão de Guarda, o pessoal comentava que eles tinham de ficar juntos. E eu venho cozinhando o público em relação aos dois deve fazer uns três ou quatro anos...

Há de se entender, contudo, que Mina não é o tipo de pessoa que se apaixonaria à primeira vista. Ela é desconfiada e resguardada demais para tanto. Mesmo quando Isaac perdeu sua imensa paciência e disse com todas as palavras que gostava dela, isso fez com que ela se retraísse em vez de pular nos braços dele.

Isaac só conseguiu passar pela couraça da Mina por ter tido uma paciência de Jó e pelos seus modos sutis de conquistá-la. O fato de sempre levar chocolates para ela, mostrando que a tinha sempre em pensamento; de ouvi-la sem julgá-la, mesmo quando ela não fazia sentido algum; de oferecer sua ajuda e de respeitar suas idéias, tudo isso contou imensos pontos para o Cão de Guarda.

É claro que ele mesmo precisava crescer em alguns aspectos para que a coisa entre os dois se resolvesse (e ainda não se resolveram... aliás, considerando o que eu escrevi desse período de separação entre os dois, dela nas Hébridas e ele na Resistência, sinto que logo estarão querendo me jogar num caldeirão de água fervente...). Uma versão muito resumida do que é o relacionamento dos dois e os ajustes necessários entre eles para que eles pudessem dar um passo adiante estão em Walking Down the Aisle, spin-off da trilogia dos Valetes.

Mina é surpreendente em muitos aspectos. Talvez por isso, ela seja minha personagem favorita de todas as que convivem dentro da minha cabeça... Mas, é claro, ela não seria o que é hoje não fosse sua amizade com as mafiosas, Lorelai e Samantha.

No último concurso do Expresso para entrada de novos participantes, foram selecionadas as fichas da Dani (Lore) e Juju (Sam). Como as duas eram do mesmo ano que a Mina, foi através dela que a Lorelai realmente se incorporou à turma e, depois, a Sam veio como amiga da Lore, tornando-se a terceira mafiosa.

Algumas das conversas mais sem noção e mais divertidas que tive na vida envolveram a Dani, a Ju e a Ana (que aparecia no meio para supervisionar e não deixar que cometéssemos muitas loucuras).

Esse jeito das autoras foi traduzido nas personagens. As presepadas das mafiosas estão entre as coisas que mais gostei de escrever no Expresso e que mais me fazem falta nessa fase em que estamos.

Continua...

A Coruja


____________________________________

 

3 comentários:

  1. É curioso, e muito fascinante, como um personagem nasce, cresce e se desenvolve de uma maneira tão inesperada,de fato.

    ResponderExcluir
  2. Isso me lembra de quando eu encontrei e comecei a ler o Expresso Hogwarts (por um acaso dos acasos)... Me lembro que fiquei mais de um mês tentando entender a história a partir das reminiscências u.u É o que acontece quando você pega o bonde andando...

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog