1 de fevereiro de 2017

Desafio Corujesco 2017 - Um Livro que seja um Marco dentro do seu Gênero


Hoje começo o Desafio Corujesco 2017 com uma obra que marcou época e mudou não apenas seu gênero como a própria indústria em que estava inserido. Eu deveria tê-lo lido para o desafio do ano passado quando chegou o mês dos ‘livros publicados no ano do seu nascimento’, mas acabou não dando à época… Enfim, sem problemas porque tive agora a excelente desculpa de tirá-lo da estante.

O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller começa com um Bruce Wayne envelhecido e aposentado de suas excursões noturnas como vigilante. Dez anos se passaram desde que ele pendurou a máscara, e Gotham passa por uma onda de violência liderada por uma gangue chamada “Mutantes”. A corrupção e inércia do governo fazem com que a situação chegue a um ápice caótico e Bruce, incapaz de continuar em silêncio, retorna ao uniforme de Batman para limpar as ruas da cidade.

Enquanto Batman aterroriza os criminosos de Gotham, e com sua volta, traz de reboque o despertar do Coringa - que preso no Asilo Arkham, estava catatônico há anos -, o ressurgimento do Duas Caras e uma nova Robin, descobrimos que dos antigos heróis, apenas Superman continua na ativa, como um agente secreto do governo americano e arma especial contra os soviéticos, com referências claras à Guerra Fria e a ameaça de um inverno nuclear que pesa sobre uma sociedade cada vez mais paranóica e histérica.

Os heróis vivem aqui numa área cinzenta, com Superman e Batman em dois espectros opostos na sua interpretação de justiça. Enquanto Clark serve a um governo e se prende às suas ordens e leis, agindo como cão de guarda secreto do presidente (que mesmo com a troca de nome pode ser reconhecido como Ronald Reagan), Bruce não hesita em justificar e até glorificar a violência necessária à imposição de sua ideia de moralidade. O Batman é uma sombra maior que o próprio Bruce por sua reputação e legado, algo pior que um criminoso, pois capaz de lhes inspirar terror e medo.

A reimaginação de Miller para Bruce Wayne influenciou tudo o que veio depois. Até então, Batman era associado especialmente ao seriado cômico dos anos 60, no qual o homem morcego era interpretado por Adam West. Após O Cavaleiro das Trevas, houve um retorno à origem mais sombria do vigilante, carregando ainda as tintas em sua natureza obsessiva e amargurada, e tornando sua posição de herói extremamente ambígua. Afinal, arvorando-se juiz e executor, os atos do Batman podem ser construídos como tão criminosos quanto os dos vilões que persegue.


Publicadas em 1986, a obra de Frank Miller, junto com Maus de Art Spiegelman e Watchmen de Alan Moore, foram consideradas o clímax de um ano extremamente prolífico para a indústria dos quadrinhos. No esteio da revolução iniciada por artistas como Stan Lee e Jack Kirby - que na década de 50 trouxeram para o gênero dos super-heróis uma caracterização mais realista, com personalidades complexas, que evoluíam ao longo das histórias - e do início das lojas especializadas em quadrinhos, na década de 70, essas histórias passaram a tratar de questões sociais e políticas contemporâneas, chamando a atenção da crítica, que até então encarava quadrinhos como ‘coisa de criança’.

Spiegelman, com sua obra autobiográfica, retratou o holocausto e seu alcance e horror mesmo décadas após o final da guerra. Moore e Miller, por sua vez, exploraram o ambiente da Guerra Fria, sendo ambos marcados pelo espectro da bomba atômica. Corrupção, manipulação midiática, paranóia, sexo, heróis ambíguos, direitos humanos, anarquia e desobediência civil - é possível encontrar ganchos para ricos debates em todas essas histórias.

Para aqueles que acompanham a trajetória do Batman ou que se interessam pela história dos quadrinhos, O Cavaleiro das Trevas é leitura obrigatória. Bom observar ainda que à minissérie em quatro edições publicada em 86, seguiram-se duas continuações, uma em 2001, outra iniciada em 2015, que embora não tenham tido o mesmo impacto daquela primeira parte, também somaram à mitologia do Batman e continuam a inspirar os artistas que trabalham com o personagem hoje.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Batman: O Cavaleiro das Trevas - Edição Definitiva
Autor: Frank Miller
Tradução: Jotapê Martins, Helcio de Carvalho
Ilustrações: Frank Miller
Editora: Panini
Ano: 2015

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Saraiva || Submarino


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. E eu sempre achei que o volume tinha alguma coisa a ver com o filme, por conta do título... :) Eu ainda estou devagar nas minhas leituras mas já comecei o livro do mês. :)

    ResponderExcluir
  2. Minhas resenhas saíram atrasadas (acontece, infelizmente), mas eu li dois livros nesse tema, um deles foi o mesmo que o seu!
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2017/03/batman-o-cavaleiro-das-trevas-edicao.html
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2017/03/dreamcatcher-o-apanhador-de-sonhos.html

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog