29 de outubro de 2016

A Vertigem das Listas: Dez Bruxos Famosos e Pavorosos


Lulu: Estamos quase às vésperas do fim do ano, já em ritmo acelerado para dar conta de tudo o que ainda há para fazer em 2016 - ou então botando o pé no freio para não ter um surto psicótico antes das boas festas…

Independente de qualquer coisa, o fato é que outubro é uma das minhas épocas favoritas do ano e claro que isso tem a ver com o fato de que… estamos no mês do Halloween!

Passei esse mês tagarelando sobre como gosto dessa época e sobre como devemos cometer canibalismo cultural e incorporar completamente a data ao calendário de festividades brasileiro, numa espécie de carnaval fora de época com mais histórias de terror e menos biquínis minúsculos. E, claro, óbvio e ululante que isso se traduziu no vertigem trazer esse mês uma lista de Dez Bruxos Famosos e Pavorosos - seja lá como vocês queiram interpretar esse título, e sem pensar em distinções antropológicas entre bruxos e magos!


Dé: Concordo plenamente, Lu. Ainda há movimentos do “dia do saci”, mas não vejo nem ir pra frente, nem ser a mesma coisa... Embora eu adore nosso folclore, e o ache extremamente rico e fascinante, simplesmente não preservamos esse aspecto o suficiente. Enfim, também adoro o Halloween. xD

Lulu: O primeiro nome da minha lista é um bruxo que nem sempre se credita particularmente poderoso - ele costuma ser mais lembrado, primeiro, pela vaidade e só então pela capacidade com a magia (e também por uma certa fama de sair por aí colecionando o coração de donzelas indefesas).

Estou falando, claro, do mago Howl, criado por Diana Wynne Jones para seu maravilhoso livro O Castelo Animado, e reinterpretado posteriormente pela Ghibli num dos melhores filmes do estúdio - e meu particular favorito, tenho de confessar.

Howl é envolto em mistério e sabe muito bem se aproveitar de sua fama para justificar suas decisões ou mesmo se proteger. Na verdade, todo o elenco de O Castelo Animado caberia nessa lista, incluindo a Sophie, mas o Howl é o que leva a fama por tudo o que acontece na história e apresenta-se de forma pavorosa em mais de um momento (vide Howl deprimido porque trocaram sua tintura de cabelo).


Howl leva um nível adiante a noção de 'bad hair day'

Dé: Minha primeira escolha saiu dos quadrinhos de Carl Barks. Maga Patalójika, ou Magica de Spell no original, é uma bruxa italiana que busca desesperadamente a moeda número 1 do Tio Patinhas.

Crendo que a moeda é o ingrediente essencial para um poderoso feitiço, ligada à fortuna do pato mais rico do mundo, esta bruxa busca de diversas formas obter a moeda, ao lado de seu irmão e familiar, Poe de Spell (que foi transformado em um corvo), ou em parceria com os Irmãos Metralha ou Madame Min ( que é também sua melhor amiga).


Capaz de se teleportar grandes distâncias, voar numa vassoura, transmutar e criar matéria a nível molecular, gerar correntes elétricas e se transfigurar em qualquer animal que deseje, é de se espantar que Maga ainda não tenha conseguido seus objetivos.


Ísis: Um dia criarei coragem e lerei o livro Castelo Animado… e/ou assistirei direito ao filme Ghibli… Quanto à primeira escolha do Dé… nossa, nunca que ia pensar nessa! Interessante!

Enfim, eu vou apontar magos mais “pop culture” mesmo, até porque não costumo ler livros de terror ou que tenham personagens particularmente assombrosos… Minha primeira indicação na verdade não é só um, não é só one, é “the Dark One”, ou melhor: “the Dark Ones”, da série Once Upon a Time. Rumplestiltskin (desafio a falar o nome dele rapidamente cinco vezes seguidas! XD), é o atual “Dark One”, mas ele não é nem de longe o primeiro, apesar de todas as maldades que já fez por décadas e décadas.

ALERTA SPOILER!!
Minha escolha se refere ao grupo todo, à coletividade de “Dark Ones”, mas, se me requeressem apontar um apenas, indico a primeira: Nimue. Resumindo a história, ela enganou o homem pelo qual era apaixonada, e com quem ia se casar: Merlin, o maior mago bom de todos os tempos (e, gente, como ele era BOM!!! >D)... Não bastasse, em seguida ela o prendeu numa árvore por séculos. Quando finalmente se reencontraram - ainda que não fosse exatamente ela, mas seu espírito estava presente - apesar de, de certa forma, ainda amá-lo, Nimue o mata de vez, mesmo ele ainda sendo apaixonado por ela.


Para mim, isso foi pior que todo o resto que Rumplestiltskin aprontou… principalmente porque tirou Merlin rapidinho do programa, e eu já estava planejando meu casamento com ele… XP


Lulu: Minha segunda indicação para a lista desse mês é uma das personagens mais trágicas da mitologia (ela é inclusive título de uma das mais famosas tragédias gregas que sobreviveram até nossos dias): Medéia.

Medéia é tida como irmã, sobrinha ou mesmo filha de Circe - outra das mais famosas feiticeiras dos mitos gregos - sendo parte do ciclo de histórias dos Argonautas, lembrada especialmente por seu casamento com o herói Jasão.

É em virtude dos poderes de Medéia que Jasão e seus Argonautas conseguem realizar sua proeza de capturar o velocino de ouro. Na verdade, a maior parte dos grandes feitos que Jasão executa são por obra e graça dos poderes e conselhos de Medéia, com quem a essa altura o homem já se casou.

Entretanto, uma vez que as aventuras terminam e Jasão volta para casa, o herói se deixa manipular pelo rei Creonte, que o convence a banir Medéia para casá-lo com sua filha. No mito original, a resposta da feiticeira é enviar para sua rival roupas embebidas num veneno que a matam em dores atrozes. Na versão de Eurípedes, contudo, a vingança de Medéia contra a infidelidade do marido é muito mais cruel, começando com o assassinato dos próprios filhos.

Meu primeiro contato com Medéia, contudo, não foi através da tragédia: ela aparece no meio das aventuras de Emília, Pedrinho e o Visconde de Sabugosa no Os Doze Trabalhos de Hércules de Monteiro Lobato. Emília se encanta com Medéia, que possui um caldeirão capaz de rejuvenescer pessoas (maneira pela qual ela salva da loucura o Visconde de Sabugosa), e dela ganha até mesmo uma varinha de condão. Bizarramente, a trágica bruxa grega capaz de infanticídio se tornou uma das minhas heroínas da infância, tudo por obra e graça de uma boneca de pano…


Dé: Minha segunda escolha também é tirada da mitologia, mas não da grega. Vinda das frígidas florestas eslavas, Baba Yaga é uma figura aparentemente onipresente na cultura daquela região.

Conhecida por três características em especial: sua cabana ambulante sobre patas de galinha, seu pilão no qual ela voa, e seus afiadíssimos dentes de ferro. Dizem que ela devora aqueles que fazem perguntas, pois cada pergunta dirigida a ela a envelhece um ano, e que ela tem um gosto especial pela carne de crianças. Em contrapartida, ela também supostamente ajuda aqueles em necessidade, desde que ganhem seu respeito, seja por coragem ou inteligência.

Em geral, Baba Yaga é uma figura, no mínimo, ambígua. Ora vilã, ora benigna, talvez ambos, talvez nenhum. Em cada representação, e existem muitas delas, ela aparece de uma forma diferente.


Ísis: Adorei a escolha da Lu. Mas achava que era a Mégara que matava o Hércules com o casaco envenenado, não? Ou será que ambas eram irmãs que herdaram a mesma técnica? ^^’’

Lulu: Não eram irmãs, mas a Mégara provavelmente se inspirou na Medéia. O tema aparece nos dois mitos. Por sinal, Hércules é um dos argonautas que se aventura com Jasão…

Ísis: Achei também super interessante a lenda que o Dé mencionou. Ficou sabendo dessa onde, Dé? Nos livros de terror que tanto gosta? Mitologia Nórdica? Coincidência?

Enfim, para minha segunda e última escolha, não vou surpreender ninguém, mas aponto Magnus Bane, da coleção da Cassandra Claire, atualmente conhecida como Shadowhunters devido à adaptação em série de TV com esse nome. Magnus é um poderoso warlock, e nesse mundo isso se traduz numa criatura com poderes, imortal, e cujo pai é um demônio. O mundo que Cassandra criou atravessa várias fases da nossa História, mas trazendo aquele aspecto sobrenatural aos acontecimentos. Assim, os únicos personagens que podem aparecer com frequência em todas as sagas, que se passam em diferentes épocas, são os imortais, ou os que vivem longo tempo. Magnus aparece bastante, e é interessante ver como ele muda, e o que não muda nele com o passar do tempo.


Gosto muito de lê-lo na história onde ele mais aparece: The Bane Chronicles e a saga The Mortal Instruments. Adoro como Magnus é excêntrico, poderoso, amado e temido, um fofo e um tanto cruel ao mesmo tempo. De certa forma, me lembra Lorde Akeldama (Protetorado da Sombrinha), do qual Lulu gosta tanto. Para completar, ele está envolvido com o meu personagem preferido da série, o Alex.


Dé: Acho que existem muitos adjetivos para descrever Hora da Aventura. Divertido, interessante, engraçado, complicado…. mas duvido que sombrio seja um deles. Exceto quando O Lich está envolvido.


O Lich não tem uma origem definida, sendo aceito que ele surgiu quando uma explosão nuclear encerrou a Guerra dos Cogumelos. Porém, o Cometa Verde também pode estar envolvido em sua criação, ou ele pode ser ainda mais antigo. Se manifestando como um cadáver semi-decomposto e possuindo imensos poderes mágicos, O Lich é a representação de todo o mal de Hora da Aventura.

Capaz de infligir terror até mesmo em criaturas como o Rei Gelado e Marceline, O Lich é mais do que aparenta, pois já teve o corpo destruído mais de uma vez, sempre retornando. Considerando que nem mesmo é certo o que ele é, não é certeza se pode ser destruído.


Lulu: Minha lista continua com uma tríade - ou melhor dizendo, três que são uma e uma que são três. As Benevolentes, as Moiras, as Estranhas Irmãs, as Hecateae começam como personagens mitológicas, seguem como uma ponta importante em Macbeth, seguem uma inteira sub-série de Discworld e desembocam na versão de Sandman, do Gaiman, que é precisamente a que quero indicar aqui.

A tríade Anciã, Mãe e Donzela de Sandman tem como objetivo incorporar e abarcar todos os arquétipos possíveis das bruxas. Elas são forças primordiais, aparecendo em todos os momentos mais importantes da série, suas profecias servindo como pontapé inicial para o grande jogo de vingança com que a história se encerra. Sua história é a própria história da bruxaria.


Dé: Minha última escolha é indubitavelmente maligno, ao contrário de Baba Yaga, e sem nenhum traço cômico, ao contrário de Maga. Nascido em 18 de fevereiro de 1663 em Salem, Joseph Curwen fugiu aos 15 anos e, ao retornar seis anos depois, mudou completamente.

Acontece que ele passou a ser um adorador de Nyarlatothep, e um necromante de certo renome e poder. Nos quase 100 anos de sua vida (sem parecer um dia mais velho do que 35), Curwen dominou completamente o comércio naval de sua vila, inclusive importando escravos que nunca vendia e produtos químicos e alquímicos para seus experimentos. Nem mesmo sua morte nas mãos da população revoltada com os rumores do que ele fazia lá. A realidade era muito pior do que todos imaginavam…

Nem mesmo a sua morte foi o fim de tudo. Capaz de arquitetar sua ressurreição e substituir seu descendente (infelizmente idêntico a Curwen), Charles Dexter Ward. E quando os experimentos recomeçaram, a família e amigos de Ward não ignoraram os sinais. Felizmente.


Lulu: Boa, Dé! Nada como um pouco de Lovecraft para fechar a lista! Um dos meus contos favoritos dele.

Termino o vertigem de hoje com uma escolha que era óbvia desde o começo, considerando que estamos falando de mim… Sim, eu sei que vocês já sabem quem é! Estou falando da líder das bruxas de Discworld - ao menos, se as bruxas tivessem uma líder -: Vovó Cera do Tempo.

Esme Weatherwax (na versão não traduzida) é uma das melhores e mais queridas personagens de Terry Pratchett. Ela não precisa de muitas faíscas e palavras difíceis, tampouco de todos esses salamaleques tão populares entre as bruxas modernas: dê-lhe um bom vestido preto de segunda mão e um chapéu pontudo, e isso é o suficiente para que ela possa assumir seu papel. Ser uma bruxa é um trabalho difícil e muitas vezes não apreciado, mas é necessário que elas estejam lá - e a Vovó nunca falhou em seu ofício.

E por hoje encerramos o vertigem… e também fechamos o mês das bruxas aqui no Coruja. Hora de guardar os chapéus e vassouras no armário e o caldeirão na cozinha, mas não se preocupem: ano que vem tem mais personagens pavorosos para nossa lista de Halloween!


Dez Bruxos Famosos e Pavorosos

1. Howl, de O Castelo Animado
2. Medéia, da Mitologia Grega
3. As Hecateae, de Sandman
4. Vovó Cera do Tempo, da série Discworld
5. Maga Patalójika, da Disney
6. Baba Yaga, da Mitologia Eslava
7. Joseph Curwen, de O Caso de Charles Dexter Ward
8. O Lich, de Hora da Aventura
9. “The Dark Ones”, da série Once Upon a Time
10. Magnus Bane, de Shadowhunters/The Mortal Instruments e outros



____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog