1 de outubro de 2015

Desafio Corujesco 2015: Um Autor de Quem Sempre Ouvi Falar, mas Nunca Li || Algo Sinistro Vem Por Aí e A Árvore do Halloween

"Para esses seres, o outono é a estação normal, o único clima que eles conhecem, sem nenhuma outra escolha. E de onde eles vêm? Da poeira. E para onde vão? Para a sepultura. Será que o sangue corre em suas veias? Não, o que corre é o vento noturno. [...] Ele vasculham a tempestade humana em busca de almas, comem a substância da razão, enchem as tumbas com pecadores. E eles avançam, rastejando como besouros, infiltrando-se, fazendo todas as luas ficarem sombrias e toldando todas as águas claras. A teia de aranha os percebe, treme e se rompe. Assim são as pessoas do outono."
Bradbury está faz muuuuuuuito tempo na minha lista – muita gente boa indica, entre amigos que compartilham muitos dos meus gostos literários a autores favoritos (sim, é o Gaiman). Por um motivo ou outro, ia adiando esse encontro e não tenho outra desculpa além do fato de que havia quase uma centena de livros na estante para ler antes.

Como ele não estava como prioridade para compras, terminou que só consertei minha falta quando Algo Sinistro Vem Por Aí e A Árvore do Halloween apareceram para troca. Considerando que outubro é o mês das bruxas, nada mais justo, portanto, que fale deles agora.

Comecei com Algo Sinistro Vem Por Aí porque lembro de ter lido, muito tempo atrás, uma citação dele sobre as ‘pessoas do outono’ – e essas palavras fizeram algo ressoar em mim, permanecendo na minha memória mesmo sem entender o contexto delas.

Essa é uma história sobre crescimento e memória, sobre o potencial que temos para o bem e o mal, sobre tempo e amizade. O enredo começa pela curiosidade de dois garotos amigos desde a primeira infância – William e Jim, que nasceram com poucos minutos de diferença exatamente nos fins de outubro – quando o misterioso Circo do Senhor Dark surge e, posteriormente, segue pelos os esforços de William e seu pai, Charles, para salvar Jim e toda a cidade de um destino bastante sombrio.

Os garotos anseiam pela vida adulta e o pai os observa com nostalgia por sua própria juventude. Normalmente histórias a chegada da maturidade passam por uma ruptura entre o jovem e sua figura mentora (pais ou guardiães), mas os respectivos desejos dos personagens fazem com que eles se encontrem ‘no meio do caminho’. William e Jim têm de aceitar certas responsabilidades e Charles embarca numa grande aventura e se torna um herói.

"- Pai - perguntou Will, a voz bem fraca. - O senhor é uma boa pessoa?

- Para você e para sua mãe, sim, eu tento ser. Mas nenhum homem é um herói para si mesmo. Vivi uma vida inteira comigo, Will. Eu sei tudo o que vale a pena saber sobre mim mesmo..."

O título tem várias camadas de significado e é perfeito para o livro. A primeira lembrança que vem à mente, claro, são as bruxas de Macbeth, o que faz muito sentido, considerando que a profecia das bruxas liberta o potencial de rei escocês para a maldade. Tendo nascido às vésperas do dia das bruxas, William conservaria um aspecto de luminosidade, enquanto Jim, que nasceu nos primeiros segundos do Halloween é mais facilmente seduzido pela lábia do Senhor Dark. Muito antes da chegada do circo, no calar da noite, o nascimento dos dois jovens já prenuncia seus desafios.

Bradbury tem uma linguagem surpreendentemente poética, evocativa – a despeito do horror que está no âmago dessa história, especialmente no que o carrossel maldito representa, transformando sonhos em pesadelos e alimentando o circo com o medo das pessoas. A forma como ele descreve lugares e pessoas nos transporta numa experiência quase sinestésica – de ouvir o vento levando as folhas outonais, o cheiro dos livros na biblioteca, os primeiros toques do inverno.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Algo Sinistro Vem Por Aí
Autor: Ray Bradbury
Tradução: Jorge Luiz Calife
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2006

Onde Comprar

Amazon || Saraiva || Submarino || Travessa

O sorriso de uma Bruxa, o sorriso de um Gato,
O sorriso de uma Besta, o sorriso de um Sapo,
O sorriso da Morte negociando o fim,
Talhados e brilhantes na Árvore do Halloween...
A Árvore do Halloween não é tão pungente quanto o primeiro livro – é uma leitura um pouco mais leve e divertida, acompanhando oito amigos que embarca numa aventura através da História do dia das bruxas com a ajuda de um personagem com nome bastante sugestivo: Carapaça Clavícula Montarlha.

Montarlha lhes revela que o nono e mais amado membro do grupo – Pipkin – foi levado nessa noite de dia das bruxas e potencialmente desaparecerá do mundo dos vivos sem a ajuda dos garotos. Assim é que eles procuram por Pip no imponente Vale dos Reis na época em que as pirâmides começavam a ser construídas; em meio ao festival druida em honra a Samhain, entre bruxas escapando das fogueiras da Inquisição e até no festival mexicano do Dia dos Mortos.

Ao longo dessa jornada, eles entenderão que suas fantasias, suas gostosuras e suas travessuras não são apenas uma brincadeira: o dia das bruxas tem um significado maior e a tradição, o medo e veneração dada ao longo dos tempos a essa data ajudou a dar forma a nossa própria civilização: os mistérios da morte e da ressurreição; o sol que se põe, mas renova-se ao amanhecer; a colheita que ressurge após o longo inverno.

Essa edição é primorosa, toda ilustrada. A capa tem uma textura aveludada e sob medida para a história.

Os dois volumes são excelentes. A prosa de Bradbury me encantou, suas histórias são cativantes, com temas universais com os quais sempre podemos nos identificar. É um autor que definitivamente vou ler e reler mais vezes.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: A Árvore do Halloween
Autor: Ray Bradbury
Tradução: Natalie Gerhardt
Ilustrações: Joseph Mugnaini
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2014

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Folha || FNAC || Saraiva || Submarino || Travessa


A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Olha só... o meu autor também é de terror, HP Lovecraft! Tomei coragem e li
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2015/12/at-mountains-of-madness.html
    Beijos!!!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog