8 de setembro de 2015

O Bode Leu: Trilogia do Comando Sul #1 - Aniquilação


A torre, que em princípio não deveria estar ali, crava-se na terra pouco antes da floresta negra de pinheiros começar a dar lugar ao lamaçal, e então aos juncos e às árvores retorcidas pelo vento, que se espalham pela extensão de pântanos de água salgada. Depois dos pântanos e canais está o oceano, e, um pouco ao longo da costa, um farol abandonado. Toda a região está isolada há décadas, por motivos que não são fáceis de relatar. Nossa expedição era a primeira a adentrar a Área X em dois anos, e grande parte dos equipamentos deixados por nossos predecessores tinha enferrujado; as barracas e cabanas onde se abrigaram não passavam de cascas vazias.

E assim começa o primeiro livro da série Comando Sul, de Jeff Vandermeer. No livro, acompanhamos a 12ª expedição para a chamada Área X, uma região abandonada pela humanidade, e que está sendo aos poucos retomada pela natureza. A equipe é composta por quatro mulheres: a narradora; a Bióloga; a líder da equipe; a Psicóloga, a Antropóloga e a Topógrafa.


Todos os que entram na Área X são afligidos por perturbações mentais, sendo comuns relatos de suicídios, desaparecimentos, mudanças completas de personalidade e cânceres extremamente agressivos. Estes dois últimos foram o destino do marido da Bióloga, membro da 11ª expedição à Área X e deu principal motivador para fazer parte da atual expedição. O livro se foca no mistério que é a própria Área X, como ela afeta as personagens, e no passado da Bióloga. Uma excelente premissa, ao meu ver.

Contudo, é na execução que o autor peca. O potencial do mistério que ele nos propõe é enorme, mas quando somos apresentados a ele, fiquei com a sensação de que foi tudo jogado, sem suspense, o que não é auxiliado pelo intenso uso de sangue e outras coisas nojentas na narrativa. Talvez por ser biólogo, os erros da Bióloga se tornam mais explícitos para mim, mas fica claro que o autor não deve ter pesquisado muito sobre atividades e procedimentos de campo de exploração e manipulação de material biológico...

O foco do livro deixa de ser a Área X e passa a ser apenas na Torre, o que ao meu ver é um bocado de potencial desperdiçado. O mistério de como a Área X afeta as pessoas lá dentro também não é bem explicada, mas creio que isso é devido ao fato de ser apenas o primeiro livro da série, e não li os demais livros (E nem pretendo, para ser honesto).

No geral, não gostei deste livro. Conheço outras pessoas que leram e gostaram, então cada um dirá o que achou, mas EU não recomendo.

O Bode


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog