11 de julho de 2015

O Bode na Cozinha: Caneloni


O Bode na Cozinha de hoje vai ser uma edição especial da Coruja, porque o Dé está enrolado até agosto para terminar o mestrado dele e, até lá, vou usurpar todas as colunas dele para mim.

Então hoje vou compartilhar com vocês uma receita que fiz em Fortaleza quando estive lá no ano passado e que por culpa da Ísis, que devia estar filmando o processo para colocar aqui, terminou não indo ao ar na época.

Sim, pessoas, vamos aprender a fazer caneloni!

Eu adoro massa, o caneloni é um dos meus pratos favoritos e, ainda que ele seja um pouco demorado de fazer, ele não é necessariamente difícil. E ainda fica ridiculamente bonito na mesa. Então... vamos por partes no melhor estilo Jack, o estripador.

Recheio

O recheio completo do caneloni é presunto, queijo e carne/frango, mas nesse primeiro momento, vamos tratar apenas do último. Você pode escolher se prefere seu caneloni de carne moída ou de frango. Eu prefiro de frango, então a receita de hoje vai ser com ele.

Agora, normalmente, usamos aqui sobras de algum outro prato – carne moída que sobrou da macarronada da mamma ou frango que ficou do que iria para um strogonoff ou uma torta.

Dessa vez, dona mãe, que é minha instrutora do ‘Curso de Culinária para Pessoas Ineptas na Cozinha Mesmo’, decidiu que íamos começar do zero. O que é sempre bom saber, embora eu realmente ache a arte de temperar qualquer coisa como uma ciência arcana, algo quase metafísico em seu mistério.

Enfim... vamos ao que interessa.

Pra começar, você vai precisar de meio quilo de peito de frango. Cozinhe ele com água e algumas gotinhas de limão ou vinagre (para tirar o cheiro) e uma pitada bem pequena de sal. Essa primeira parte é necessária para dar uma boa escaldada e deixar o frango em condições de ser desfiado, que é o que você vai fazer depois que ele cozinhar e você tiver escorrido a água.

Depois que você tiver desfiado todo o frango, você vai colocar na panela óleo suficiente que dê para cobrir o fundo. Não é pra derramar o óleo à vontade, é só melar o fundo mesmo e deixar tudo coberto. Então... temos o óleo e o frango para refogar e aqui começa a parte de ciência arcana: você vai temperar a gosto.

O temperar a gosto de D. Mãe é sair pegando tudo o que tem na geladeira de interessante e largando dentro, mas em resumo, o mais importante aqui foi:

- meia cebola média ralada (toda, não só um pedaço)
- cheiro-verde (um ramo de cebolinha e um ramo de coentro ou salsa)
- coloral e cominho

Tempero: tudo o que você achar sobrando na geladeira
Ela ainda decidiu colocar duas rodelas de pimentão picadas bem pequeno, mais duas rodelas de tomate que sobraram da salada de ontem, um pouco de pasta de alho e mais um tempero de ervas que ela faz aqui em casa e coloca em tudo. Se você gostar de pimenta, ela disse que pode colocar também, mas ninguém aqui em casa come, então pimenta está quase sempre ausente das nossas receitas.

Como dito anteriormente, ciência arcana...

Enfim, depois de você temperar a gosto com o que quer que você decida colocar na comida, refoga tudo por uns três minutos e então acrescenta água que dê para cobrir o frango e mais meio caldo de galinha - o caldo de galinha aqui entrou no lugar do sal, porque D. Mãe acha mais gostoso, mas se você não tiver aqueles tabletes legais, coloca sal a gosto, sem maiores problemas.

Depois disso é só deixar cozinhar até secar a água.

Depois de ter pego o gosto, a cor e tudo o mais
Você pode fazer uma quantidade maior de frango e congelar para comer outro dia ele temperado com batatas ou numa torta. Aqui em casa normalmente se faz isso – fizemos a receita com um quilo de frango e o que sobrou, foi para o freezer e vai ser usado depois para outras receitas.

Molho Branco

O molho é mais fácil de fazer e não tem tanto segredo quanto a parte do tempero, que depende diretamente do que você tem em casa – dá para ter uma lista de ingredientes mais direta. Vamos lá...

Ingredientes

- meia cebola ralada
- uma colher (sopa) de margarina
- uma pitada (a pontinha pequena de uma colher de chá) de noz moscada
- uma colher (sopa) rasa de amido de milho
- meio litro de leite
- uma pitada (meia colher de café, a menor que tem, bem rasa) de sal
- uma colher (sopa) de requeijão
- 200g (uma caixa) de creme de leite
- uma colher (sobremesa) rasa de queijo ralado.

Modo de Fazer

Refoga a cebola e a margarina. Quando estiver tudo douradinho, joga a pitada de noz moscada. Tire do fogo. Coloque um pouco do leite na panela e o amido de milho, dissolvendo o segundo. Quando o amido estiver dissolvido, acrescente o resto do leite e mais o sal. Leve novamente ao fogo, mexendo até engrossar. Coloque o requeijão, deixe tudo misturar.

Os pontinhos no creme são a noz moscada
Coloque o creme de leite e desligue o fogo em seguida. Quando estiver tudo homogêneo, coloque o queijo ralado. Prove o sal – o creme de leite tende a deixar tudo mais adocicado. Se for necessário, coloque mais sal, de pouquinho em pouquinho até que chegue no seu gosto. Reserve.

Montagem

O caneloni se faz principalmente na montagem. Agora, se o Dé estivesse aqui, ele provavelmente mandaria fazer sua massa em casa e aí seria mais um passo na receita e seria ainda mais trabalhoso, especialmente a parte de abrir massa e deixa-la fininha e etc, etc, etc...

Brincando de pintar com dedinhos
Como sou super a favor de praticidade, uso massa de lasanha pronta fresca. Mas se você preferir fazer sua massa em casa... bem, aí é com você.

Ingredientes

- presunto fatiado (a quantidade vai depender de quantos rolinhos você vai fazer, mas normalmente umas cinco a sete fatias é o suficiente)
- queijo fatiado (você vai precisar de um pouco mais do queijo, porque ele tanto vai dentro dos rolinhos como em cima)
- massa de lasanha pronta fresca
- todo o resto que apareceu acima.

Modo de Fazer

Mele um refratário com margarina. Depois coloque um pouco de molho branco que dê para cobrir o fundo.

Aí é montar os rolinhos: uma fatia da massa de lasanha (d. Mãe, que é um troll, pediu para lembrar de tirar o plástico), uma fatia de presunto, uma fatia de queijo, uma colher de frango, tudo posicionado a partir de um dos cantos da massa – de onde você vai começar a enrolar.

Massa, presunto, queijo
Massa, presunto, queijo, frango
Enrola!
Quando terminar o rolinho, coloque-o com a emenda para o lado de baixo (para ele não correr o risco de se abrir depois) no refratário. Aí você vai enrolar quantos rolinhos couber na vasilha, lembrando de deixar um espaço entre um e outro para que o molho se encaixe ali.

Isso é importante porque a massa vai cozinhar no molho e se você não deixar espaço, a massa de um e de outro vai colar e além de ficar difícil de tirar do prato depois, a massa vai ficar seca naquele ponto.

Não se esqueça do espaço!
Após montar todos os rolinhos, jogue o molho branco por cima até que cubra tudo INTEGRALMENTE (mais uma vez, a massa vai cozinhar no molho, tem de estar tudo melado para não ficar seco). Aí é colocar as fatias de queijo por cima cobrindo tudo e depois colocar orégano para dar aquele perfume gostoso de comida no forno.

Queeeeeeeeeeijo!
Não esqueça o banho maria!
Leva ao forno em fogo médio (180ºC) em banho-maria e deixa cozinhar até gratinar o queijo e o molho estar borbulhando. Aí é só tirar do forno, deixar esfriar um pouco e servir!

Salivando aqui...
O canoli não é uma massa particularmente leve e aqui em casa normalmente servimos com salada de alface, cenoura ralada, maça e passas (fica muito bom!), arroz... e suco de uva, porque sou uma viciada em suco de uva.

Enfim, espero que tenham gostado e se experimentarem fazer, digam aqui como ficou o resultado final. Volto no mês que vem e vou tentar algo doce da próxima vez ;)


A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog