14 de julho de 2015

Gazeta de Longbourn: Uma Memória de Jane Austen

Seu incomum e ligeiro senso para o ridículo levaca-a a brincar com todos os assuntos triviais da vida cotidiana, fosse relacionado a pessoas ou coisas; mas ela jamais brincava com os sérios deveres e responsabilidades, nem jamais ridicularizou alguém.
Essa foi a primeira biografia escrita sobre Jane Austen – e escrita por seu sobrinho, alguém que de fato a conheceu. Tal fato representa vantagens e desvantagens: por um lado, temos um relato em primeira mão sobre a autora; por outro, Austen-Leigh não foi dos mais imparciais biógrafos.

Uma Memória de Jane Austen serve como um bom ponto de partida para conhecer a pessoa por trás do ícone literário que Austen se tornou em tempos modernos; bem como para entender o contexto histórico-social em que ela cresceu. A prosa elegante e - porque não dizer? - afetuosa de Austen-Leigh demonstra que talento literário não era uma exclusividade da tia e flui com tranquilidade.

Curiosamente, esse é um livro importante tanto por suas revelações quanto pelo que omite. Cassandra, ao destruir boa parte das cartas escritas pela irmã, começou o trabalho de ‘editar’ a imagem de Jane, trabalho esse completado pelo sobrinho nesse livro. Ausentes ou apenas sutilmente mencionadas estão questões como o pedido de casamento de Harris Bigg-Wither; a falência de Henry; o irmão deficiente criado à parte do resto da família.

Tudo de polêmico ou potencialmente escandaloso foi suprimido, de modo a formar a imagem delicada da ‘Tia Jane’ – imagem essa tida como absoluta durante muito tempo, antes que pesquisadores começassem a escaramuçar com mais atenção os relatos de outros conhecidos de Austen na época, bem como suas cartas que sobreviveram ao grande expurgo.

Austen-Leigh é fruto da era vitoriana e, como tal, prende-se à moral da época e censura tudo aquilo que não seria considerado de bom-tom. Mais que isso, escrever a biografia da tia, adiantar-se a outros que poderiam querer empreender o mesmo trabalho, era uma forma de preservar a família.

Enfim, para quem quer conhecer a biografia de Jane Austen, eu recomendo não tomar como única fonte, mas começar por Uma Memória de Jane Austen combinada com alguma coleção de suas cartas – meu sonho de consumo é a edição anotada por Deirdre Le Faye, com todas as cartas em ordem cronológica e repletas de material contextual.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Uma Memória de Jane Austen
Autor: James Edward Austen-Leigh
Tradução: Stephanie Savalla e José Loureiro
Editora: Pedrazul
Ano: 2014
Número de páginas: 232

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Pedrazul Editora || Saraiva


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog