19 de junho de 2015

Heróis de Papel - Capítulo 06


Capítulo 06

Início de Setembro (Ano 1)

Prezado Alex,

Parabéns por sua promoção. Vejo que está rapidamente progredindo, o que mostra os frutos de seus esforços. Meus mais sinceros aplausos.

O postal que veio junto de sua carta anterior é muito bonito. Obrigado pela lembrança. De fato, logo se nota o quanto deveria ser impressionante esse hotel, antes de ir ao chão. Os moradores locais devem ter histórias fantásticas sobre lugares assim. Espero algum dia poder conhecer algumas.

É uma pena que tenha sido alvo. Isso é algo que sempre me causou revolta ao pensar em períodos de guerra: a destruição, muitas vezes desnecessária, de monumentos ou construções que constituem uma verdadeira obra de genialidade.

Quão rápido elas desmoronam! Num piscar de olhos, já não existem mais. Quando servi ao exército, vi, senti e testemunhei tais ações. Mas esses ataques, que são considerados estratégicos por terem efeito sobre a moral do adversário, causam um impacto bem maior que isso. Eles ajudam a apagar a identidade de um povo.

Alex, eu espero que você jamais precise participar de uma missão assim. Sendo um assistente do médico de seu pelotão, você tem aliviado muitas dores e visto muito sofrimento. Mas há outros tipos de sofrimento que não podem ser tratados. Soldados são treinados, e ainda assim agonizam diante do combate. Os civis, muitos dos quais são inocentes mesmo em tempos de guerra, por vezes são aqueles que mais sofrem nesses períodos.

Aqueles que, como eu, são covardes, e que não têm o coração de um patriota, não merecem a honra de servirem ao seu país. Devemos obedecer às ordens de nossos superiores, sim, mas estaria mentindo se dissesse que isso traz alívio a corações fracos. Entretanto, algumas dores levaremos conosco pelo resto de nossas vidas, coisa que você deve entender bastante, estando faz quase um ano cuidando dos feridos...

O que me levou a imaginar se você não fez algo similar pela sua mãe. Foi por causa dela que resolveu tornar-se médico? Deve ter sido uma mulher de coragem e força, qualidades sempre admiráveis. Meu irmão também as tinha, e eu sempre me espelhei nele. Era muito valente, e também muito amado por todos. Tinha muitos amigos, e ainda hoje encontro conhecidos dele que se irrompem em lágrimas ao me verem, por lembrança a meu irmão.

Imagino que ache estranho tal reação, e que ache muito complicado ser amigo de tantos, vez que é tão difícil fazer amizade mesmo com uma pessoa sequer. Creio ser aqui que lhe devo desculpas. Não tinha intenção, com o que escrevi anteriormente, de empurrá-lo a ser algo que não é. Se você não se sente bem se relacionando com muitas pessoas, não se force a mudar, se achar que esse é seu verdadeiro “eu”. Não foi isso que quis dizer. Minha intenção era meramente enfatizar que, quando queremos, somos capazes de mudar, e que acho que seria possível para você.

Mas se realmente não tem esse objetivo, se isso é parte do que o define, e acredita que não seja necessário mudar, ignore o que mencionei antes. Perdoe-me; já me disseram um sem-número de vezes que tento impor meus gostos aos outros. Estou tentando melhorar.

Por fim, em agradecimento ao postal, resolvi retribuir a gentileza. Infelizmente, não achei um postal que não fosse genérico. Considerando que você conhece tudo por aqui, já deve estar familiarizado com os cartões postais vendidos nas lojas.

Foi por isso que decidi enviar ilustrações de cenas pelas quais passo, e que me ficam na mente tempo suficiente para colocá-las em papel ao chegar em casa. O da garotinha ajudando sua avó é meu preferido. A menina estava com um sorriso tão grande, que nem parecia que havia uma guerra acontecendo! O cachorro fuçando o lixo me causou uma dor no coração, mas tem-se tornado uma cena mais frequente. Fui tomado por uma imensa vontade de adotar todos os cães e gatos abandonados dessa cidade. Salve-me.

Cordialmente,
David

P.S.: As frutas secas são minhas preferidas. Espero que lhe agradem. E os produtos de higiene são porque era o que mais me fazia falta na minha época de serviço. Isso, e travesseiros que não me quebrassem o pescoço. Creio que esse último tenha melhorado desde então.


____________________________________

 

3 comentários:

  1. David é um doce de pessoa! Tô adorando ele! :) Fiquei feliz que a carta foi mais longa. Agonia esperar uma semana para ler algo tão curto. #exigente rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O David é mais verborrágico que o Alex; fora que o Alex tem de se policiar para escrever as cartas dele, já que tem a censura das cartas para que informações estratégicas não vazem. Mas, como a Ísis disse, à medida que eles vão ficando mais íntimos um do outro, as cartas terminarão se tornando maiores.

      Excluir
  2. Não se preocupe, elas tenderão a aumentar...
    Obrigada por ler, acompanhar e comentar. :D

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog