23 de abril de 2015

Quem Conta um Conto (Março): O Conto da Ísis || Vertentes


Vertentes

Não era justo, mas nada havia sido justo desde que a maldição fora lançada. Os campos do reino, outrora verdes ou, em determinadas épocas, coloridos, estavam tomados por tons monocromáticos. O rei e a rainha haviam adoecido e, com eles, a saúde de todo o domínio havia deteriorado. Essa era a grande desvantagem de viver num lugar cuja saúde dependia da de seus soberanos. Por esse motivo, os mesmos eram protegidos da melhor forma possível, com as tecnologias mais avançadas entre todas as terras conhecidas, alguns dos mais brilhantes estrategistas, e soldados cuja fidelidade era inquestionável.

Mas alguém havia esquecido de analisar o inverso. Ou melhor, todos haviam descuidado da possibilidade inversa: se a saúde do território dependia da Família Real, talvez a desta dependesse igualmente Daquela. Era uma hipótese, apenas uma hipótese, e, talvez, temendo a repercussão de que fosse verdade, nunca fora testada. Nunca fora sequer verbalizada, por nenhum dos pesquisadores no reino, por medo que, dando voz àquele pensamento, dele se apossaria a realidade.

Infelizmente, não saber deixou o reino - e, principalmente, o casal real - completamente despreparados para a situação quando ela chegou. E a situação chegou abruptamente, sem pedir licença, e sem qualquer aviso prévio.

Peixes começaram a flutuar mortos nos rios. Em algumas partes do reino, as plantações passaram a não gerar alimentos. Em outras partes, relataram-se colheitas com cores ou cheiros estranhos. Em alguns lugares, que inicialmente pareciam não serem afetados, doenças horríveis surgiram entre os membros da população, tanto humana, quanto não.

Pouco a pouco, o que era um reino pacífico, próspero e relativamente poderoso tornou-se, em pouquíssimo tempo, um dos piores lugares a se viver. Os poucos cidadãos que escaparam fugiram para reinos vizinhos, quando não eram barrados nas fronteiras. Alguns tentaram buscar abrigo nos castelos, mas também os grandes e poderosos lordes não estavam a salvo das repentinas mudanças. Nem mesmo o castelo da Família Real foi poupado, ainda mais com o Rei e a Rainha simultaneamente tomados por mal-estares.

Sem a família real para dar ordens, vetar ou sancionar, o castelo foi logo fechado, na tentativa de evitar qualquer exposição dos Monarcas a mais perigo. Os súditos em todo o território, sem saber o que acontecia, foram tomados por raiva e rebeldia, levados ao extremo pelas condições horríveis ao redor, para uma situação onde não havia saída. A morte era apenas uma questão de tempo.

Em breve, a terra antes coberta de matizes e riquezas tornou-se uma sucessão de campos quase sem cores distintas e sem movimentos. O reino tornou-se, na verdade, um "conjunto de nada," como os poucos sobreviventes - quer fossem ex-súditos, ou simples viajantes - passaram a descrever. Logo, ficou conhecido como o Reino do Nada.

~//~

- Palas! - chamou o serviçal. - Por favor, não faça isso! Espere só mais alguns dias! Tenho certeza que Sua Majestade não consentiria tal permissão!

O cavaleiro não deu ouvidos, diretamente ignorando as súplicas do melhor amigo, enquanto descia pelos degraus de pedra maciça. Estava decidido.

- Não posso continuar engaiolado, sem fazer qualquer coisa que venha a possivelmente ser útil! – retrucou, conscientemente verbalizando as palavras de incerteza, para dar ênfase à sua preferência àquilo sobre sua até então imobilidade. Sua impossibilidade de manter-se quieto era conhecida por todos no castelo. Mais ainda, contudo, era sua lealdade ao Rei e a Rainha.

- E o que você espera conseguir lá fora?! - indagou Peter, passando a mão pelos cabelos loiros. - Você ouviu os relatórios! Não há nada sobrevivente lá fora! Você não durará dois dias, porque não terá nem comida, nem água que possa beber! Está tudo morto, morrendo, ou envenenado!

O soldado lançou um murro na parede de pedra ao seu lado, numa tentativa de controlar sua própria angústia. Embora não houvesse assim dito, as palavras soaramcomo se Peter pronunciasse a morte do Rei e da Rainha. De certa forma, era verdade.

- Eu sei disso. - gritou, apoiando, na parede, seu braço, e, nesse, a cabeça. - Mas ficar aqui não vai durar para sempre. Os mantimentos não durarão para sempre. Nós não duraremos para sempre. Estamos apenas aguardando a morte... quer a nossa, quer a do reino, quando Eles morrerem!

O silêncio em seguida cobriu-lhes como uma manta, rodeando a escada que levava à cozinha, e tornando quase impermeável o ambiente. Peter não desviou o olhar do amigo, pronto para pular em cima do mesmo, se fosse necessário, para evitar que Palas se arriscasse inutilmente. Sabia que o jovem era leal à coroa, e sabia que havia um grande motivo por trás de tamanha lealdade. Podia ser apenas um serviçal, mas não permitiria que seu melhor amigo morresse numa busca a qual, desde o princípio, estava marcada com zero possibilidade de sucesso.

Àquela altura, já não havia sequer o que buscar.

Entretanto, sua guarda baixou completamente, e seus olhos claros arregalaram-se quando, lentamente, Palas virou-se na direção do companheiro. Mesmo de cabeça baixa, o loiro sabia que, por trás da cortina de cabelos castanhos escuro, olhos azuis encontravam-se inundados. Peter não sabia se por frustração, raiva, tristeza, outra coisa, ou, talvez, uma mistura de tudo, mas duvidava que o próprio dono daqueles orbes sabia porque estavam marejados.

- Eu não posso deixá-los morrer... É injusto que sofram mais ainda! - a voz estranhamente baixa do cavaleiro soou em seus ouvidos.

Aquilo, mais que tudo, marcaria suas memórias para sempre: a visão daquele soldado, o mais bravo e mais leal do exército real, numa postura de derrota. Mesmo sendo amigos de infância, Peter nunca havia visto o outro titubear. Mesmo quando criança, o mais velho sempre tivera o dom de tomar decisões rapidamente, e ter confiança por trás das mesmas. Isso não significava que ele estava sempre certo - aliás, Palas era autor de muitos erros - mas era sua capacidade de reconhecê-los e corrigi-los que realmente o tornara um homem de caráter.

Entretanto, pela primeira vez, o Herói do Reino encontrava-se indeciso. Não por duvidar sua decisão, mas pela certeza de todos de que não havia qualquer forma de salvar o Casal Real... ou o reino.

Lentamente, Peter desceu os degraus entre eles, e, pousando a mão no ombro do amigo, tentou convencê-lo mais uma vez.

- Por favor, Palas. Não há muito o que procurar lá fora. Nossa maior esperança é que Suas Altezas consigam se recuperar. Você não pode carregar o suficiente consigo para durar uma semana, se quiser chegar longe, e também sabe que não pode contar com nada do que há lá fora. Mesmo que soubéssemos de algo que pudesse ajudar, mesmo que houvesse algo pelo que procurar, sem saber onde estaria essa ajuda milagrosa, não adiantaria.

Suas palavras foram seguidas de silêncio novamente, e Peter tomou aquilo como sinal de que o mais velho o ouvira. Calou-se, então, sabendo que, se continuasse a falar, apenas perderia qualquer vantagem que pudesse ter ganho naquela discussão. Estava, contudo, bastante ciente do tremor percorrendo o corpo do outro.

Algum tempo depois, porém, Palas ergueu a cabeça, e Peter imediatamente soube que não havia mais como detê-lo. Os olhos que normalmente eram um espelho do oceano azul que banhava a costa do Reino encontravam-se, naquele momento, apenas um ou dois tons a menos que o do céu da meia-noite.

- Eu sei como ajudá-los.

O que quer que tivesse dito então, o loiro compreendeu que havia mandado o amigo numa missão da qual não voltaria.

Minutos depois, observando pela janela a figura imponente do cavaleiro atravessando os portões, pôs-se a rezar, uma lágrima solitária escapando-lhe.

~//~

Mesmo naquele estado deplorável em que se encontrava, sem forças para se mexer, ou sequer para comer, Ela sentiu o momento em que algo mudara, quando algo alterou o equilíbrio natural que tentava desesperadamente impedir de pender permanentemente. Sem forças, contudo, para se levantar, ou mesmo para falar, não havia muito o que pudesse fazer, senão sucumbir novamente à escuridão.

~//~

Ele já rumava por dois dias, sem saber exatamente para onde ir, e sem saber exatamente o que procurar, mas sabendo, de alguma forma, que encontraria o que procurava... Podia sentir algo chamando. Não havia vozes, não havia nada familiar naquela sensação...

O cavaleiro sabia apenas que seu Senhor o guiava.

~//~

Fazia tempo que não abria os olhos, que não absorvia a luz do dia. De fato, parecia que passara uma eternidade desde a última vez que tivera discernimento o suficiente para saber o que acontecia ao seu redor. Podia ouvir o vento batendo na janela do quarto, podia sentir a seda envolta de seu corpo, podia sentir o aroma exclusivamente Dela ao seu redor.

E, mais importante, podia sentir que a Mesma estava acordada também.

Não tinha energias para fazer algo a respeito, mas reconfortou-se temporariamente no conhecimento de que algo havia mudado.

~//~

Mais dois dias haviam passado, e os mantimentos que trouxera consigo estavam prestes a acabar. Durariam, com bastante racionamento, mais outros dois dias apenas. Sabia que, uma vez que acabassem, não teria mais como se manter. Por todas as terras que percorrera, não havia visto um grão de arroz sequer. Os rios que ainda existiam estavam tingidos de cores extremamente suspeitas.

Uma vez que acabassem os mantimentos, dependeria da sorte para chegar até onde precisava... ainda que não soubesse onde ficava.

Mas ele conseguiria, tinha certeza.

Podia sentir o chamado.

~//~

Nenhum dos Dois recuperara o suficiente para levantar, mas certamente já tinham forças para abrirem os olhos e comunicarem entre si... Ainda que ninguém mais Os ouvisse.

Os serviçais cuidavam apenas de deixá-Los hidratados como podiam, mas há semanas que nenhum dos Dois tinha forças para comer. Quando muito, alguns alimentos em forma líquida eram-Lhes forçados goela abaixo. Não era muito, mas era o suficiente para mantê-Los vivos, por enquanto.

Ambos, entretanto, podiam sentir a mudança. E esta sensação deveria ser consoladora, deveria dar-Lhes esperança de que poderia haver recuperação. E, no começo, assim havia sido.

Mas, pouco depois, tudo o que Lhes causava era mais dores ainda.

~//~

Haviam-se passado três dias, desde que comera seu último pedaço de pão, e mais dois desde que bebera seu último gole de água.

Estava andando. Impulsionado apenas por sua teimosia e persistência. Sempre fora dotado de uma tremenda força de vontade, uma necessidade indomável de seguir em frente. Naquele momento, apenas isso o empurrava adiante.

E o chamado misterioso puxava.

A cada passo, sentia que chegava mais perto, mesmo já tendo perdido qualquer noção de onde estava.

~//~

Naquele dia, nenhum dos Dois abrira os olhos. Mas suas mãos haviam-se encontrado.

~//~

Já não andava, não conseguia mais sentir seu próprio corpo para poder controlar seus movimentos. Ainda assim, sabia que estava indo em frente. Arrastando-se, talvez, mas indo em frente.

Também não enxergava mais. As últimas cores que vira, ainda que nada vivas e brilhantes, haviam sumido ao que julgava serem dias.

Mas, ainda assim, ele pôde vê-La. Viu a imagem daquela que sempre idolatrara, envolta em branco.

Mesmo cego, ele sempre saberia quando Ela estava perto.

~//~

Era um tanto desconcertante ver aquela cena, e uma parte Dela desejou voltar à escuridão na qual estivera presa nos últimos meses. Entretanto, não podia dar-se àquele luxo, não quando ele estava sacrificando tudo para salvá-Los.

Mas desespero era tudo o que podia sentir naquele momento, enquanto observava, lentamente, aquele que um dia fora humano lentamente deixar sua forma. Enquanto Ela pisava numa terra infértil, espinhenta, e cheirando a morte, ele trazia consigo toda a vida que Ela e o Rei representavam há tão pouco tempo. Juntando as restantes forças de ambos, foram capazes de transportar apenas Ela àquele lugar, na tentativa de dissuadi-lo.

Infelizmente, já era tarde. E a Rainha quis gritar o mais alto que fosse capaz. Aquela agonia Lhe tomava o coração, e não havia como dissipá-la. Talvez para tentar, contudo, sentiu seu abdômen contrair-se, e algo lhe subiu por dentro. No instante seguinte, levara à boca a mão, a qual, de repente, estava coberta de algo vermelho.

A prova de que Se deteriorava por dentro, quer pelo elo, quer por Sua angústia.

Quando a noite chegasse, Ela perderia um dos dois. O homem que partilhara de Sua dor, e aquele que sempre Os protegera.

Aos prantos, a Senhora caminhou na direção dele, o tecido fino da camisola enganchando-se nos galhos e nas folhas secas, rasgando-o, mas Ela mal notara. Tinha tão pouca energia que, mesmo se arrastando, Palas cobriu mais da metade da distância, e só parou quando A alcançou.

Imediatamente, a Rainha se pôs de joelhos, involuntariamente levando a mão coberta de seu próprio sangue ao focinho daquela criatura magnífica. Os olhos claros refletiam a imagem Dela, olhando-a fixamente.

Sabia o que aquilo significava, e, apesar de tudo, encostou os lábios de leve naquele focinho.

Não era justo... Mas Ela sempre soubera que ele era um herói, Seu herói.

Assim, com um sorriso minúsculo, que mais refletia o inverso do que verdadeiramente sentia, ela permitiu que sua energia natural encostasse a dele.

Foi quando uma luz cegante os envolveu, antes de dissipar-se pelo reino.


A Elefanta


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog