21 de março de 2015

Meme do Autor || Dia 21: Qual a sua parte preferida e a que menos gosta de criar o plot?

Lulu: Gosto de estabelecer motivações. De entender o porquê das ações daquele personagem e as consequências que essas ações terão naquele universo. É a forma mais simples para mim de enxergar para onde está indo a história. Não gosto de mocinhas e vilões genéricos que são do jeito que são porque sim. Não consigo entender como isso consegue levar um plot à frente.

Pensar o quando, o porquê e o como das coisas é, sem dúvida, minha parte favorita. Mas eu detesto a parte em que tenho de sentar e sair enrolando cenas aparentemente intermináveis pelo meio da história – cenas necessárias para estabelecer o que está acontecendo, diálogos que vão lançar as sementes daquela cena épica que foi sua iluminação inicial para a história. Pavimentar o caminho para chegar no ponto que você quer que a história chegue, é o que mais me complica. Quero sempre chegar no ápice da história logo.

Ísis: A preferida é encaixar os personagens e suas razões na história. A que menos gosto é decidir o que é excesso, e o que está faltando (normalmente ambos significam cenas intermitentes). Comentei antes, não tenho paciência para ficar enrolando, sinto que estou fazendo um “disserviço” e não me sinto bem com isso, então procuro colocar elementos da história mesmo nas cenas “de intervalo”, mas...

Dé: Acho que a parte que mais gosto é o imaginar como criar o suspense e o clímax da história. Esses são, a meu ver, dois dos pontos que mais prendem os leitores, e que devem ser muito bem trabalhados.

A parte que menos gosto é imaginar um final adequado. Sério, nunca sei como criar um desfecho adequado para a história em questão. Todos nós sabemos como um final ruim pode arruinar completamente uma história, e tento evitar isso ao máximo.

Dani: Vou levar plot como cenário para mim. Em geral a perspectiva é a parte mais chata do cenário de um desenho. Acho que porque tenho grandes dificuldades com isso... às vezes você imagina um cenário todo perfeitinho na sua mente, mas na hora de passar para o papel a perspectiva não bate e você tem de mudar praticamente tudo para se encaixar. É tudo física e medidas, então é um porre mesmo...

Ísis: Dani, entendo demais isso. Já passei várias vezes pelo mesmo problema... >.>


Arquivado em

____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog