5 de agosto de 2014

Conversas Sobre o Tempo: Ghibli

O ano era 2001, se não me engano. Talvez 2002. O importante é que a internet banda larga ainda engatinhava e os fansubs eram uma realidade para um público seleto. Nesta época, eu aprofundei meu contato com os animes e fiz amigos que mantenho até hoje por intermédio deles. Então veio o PERO, um evento que eventualmente ficaria para a história, o precursor do já famoso SANA.

Nesse evento, realizado a tanto tempo (nossa, já são mais de 10 anos!), vários animes eram passados, intercalando entre episódios de animes mais desconhecidos, animes MUITO famosos e filmes. Nestes últimos alguns poucos se destacaram: Nausicaä do Vale dos Ventos, Susurros do Coração e Cemitério dos Vaga-Lumes.

Na época, lembro de ter apreciado bastante a qualidade da animação e das histórias. Lembro como se fosse hoje, me virar para observar o resto da sala no final de Cemitério dos Vaga-Lumes e ver um marmanjo, que devia ter por volta de 25 anos, barbado... e chorando como um bebê. Hoje em dia, se assisto esse filme, choro copiosamente, como o tal marmanjo e não me envergonho nem um pouco de admitir isso.

Com o passar dos anos, fui vendo mais e mais filmes dos Estúdios Ghibli, cujo nome vim a conhecer mais tarde. Princesa Mononoke, A Viagem de Chihiro, Porco Rosso, Serviço de Entregas da Kiki, O Retorno do Gato, O Castelo Animado, Contos de Terramar, O Castelo no Céu... Aproximadamente metade dos filmes lançados pelo estúdio fundado pelo mestre Hayaio Miyazaki. Cada um deles tem um lugar especial nas minhas memórias e na minha vida.

Meus preferidos são, sem dúvida, O Castelo Animado e  Princesa Mononoke¸este último servindo de inspiração até para um de meus personagens de RPG favorito, Orion. Acho que assim, como eu, muitas pessoas por aí consideram esse estúdio como o equivalente japonês dos Estúdios Disney, e não sem motivo. O extremo cuidado com a qualidade das animações, as histórias emocionantes (até mesmo aquelas que são apenas os chamados “Slice of life”, o simples dia-a-dia dos personagens), os cenários de tirar o fôlego e a sempre presente fixação do mestre Miyazaki com aeronaves e cenas aéreas, colocaram o estúdio no coração de milhares de fãs espalhados pelo mundo.

Por que essa declaração, vocês devem estar se perguntando. Bom, domingo passado (03/08/2014) começaram a se espalhar boatos sobre o fechamento dos Estúdios Ghibli. Admito que levei um belíssimo susto quando a Luciana deu a notícia pelo Whatsapp, e logo fui atrás de fontes seguras para confirmar ou refutar a notícia. A própria Lu forneceu uma fonte, o IMDB. Procurando melhor, vi o que é dito nessa notícia: os Estúdios Ghibli NÃO VÃO fechar!

O que a notícia disse é que os estúdios de animação irão entrar em um recesso temporário, para passar por uma reestruturação interna, que se fez necessária devido à aposentadoria de Miyazaki após o lançamento de Vidas ao Vento. A notícia não foi exatamente uma surpresa, já que o diretor já a muitos anos fala em se aposentar, e chegou a declarar aposentadoria algumas vezes.

Enquanto isso, terminarei de ver a filmografia dos estúdios. Tenho certeza absoluta de que irei gostar de todos. E tenho certeza que vocês também irão. Para aqueles que ainda tem dúvidas, este vídeo fala muita coisa.


O Bode


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Fiquei meio chocada com os boatos do fechamento do Ghibli, mas que bom que não eram verdade! Gosto muito do trabalho deles e espero que, mesmo sem o Miyazaki, eles continuem produzindo filmes fantásticos como sempre ♥

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog