19 de setembro de 2010

Continuando a colar os dedos...

Continuando no meu novo hobby de cortar e colar, hoje eu fiz alguns dos youkais que tinha no Le blog de Jerom - de novo, terminei com mais cola nos dedos que no papel e como não consegui atinar como fazer os braços do kappa, ele ficou desmembrado, mas, hei, eu estou só começando, não é verdade?

Se bem que o André me mandou agorinha por email um monstruoso 'corte e cole' de Coruja, que se tornará meu novo desafio da semana.

Ao menos ele vem com instruções detalhadas... Será que eu consigo?


Enquanto não me adianto com a coruja, deixo para vocês minhas experiências com os youkais. Gostaria de deixar registrado que, conhecendo um tantinho assim de mitologia, não consigo me lembrar de nenhuma outra cultura que tenha criaturas tão absoluta esquisitas quanto a japonesa.

Aliás, a generalização youkai é errada, já que ela se refere a um tipo específico de criatura; mais acertadamente deveríamos falar em bakemonos, que significa literalmente, segundo o the Obakemono Project (minha principal referência no assunto por conta da Amaterasu), uma coisa mudada, diferente, "something perverted and altered and moved beyond its natural state - a monster".

Feitos esses comentários, vamos começar com a primeira das minhas experiência, um karakasa-obake (clique no link para ver o modelo de papel e fazer você mesmo).

Agora, se você quer ver um exemplo de criatura esquisita do folclore japonês, o karakasa-obake é um bom começo, uma vez que ele é um guarda-chuva com uma perna só e uma língua enorme. Ele é uma sub-espécie de tsukumogami, espíritos que se originam de objetos com 100 anos. Então, se você tem um guarda-chuva centenário em casa, não se assuste quando ele começar a pular por aí como um saci - é completamente normal e esperado.

Claro que com a qualidade dos guarda-chuvas de hoje, esperar que eles cheguem ao seu centenário é meio utópico, mas...

Em todo caso, eis aqui o meu karakase-obake:



Fiquei particularmente orgulhosa dele, porque apesar de ter me colado toda, consegui fazê-lo direitinho...

Em seguida, temos uma kitsune. Agora, kitsunes são minhas criaturas favoritas do folclore japonês - depois das corujas, raposas são os animais de que mais gosto. As kitsunes têm uma natureza divina, mas são criaturas também bastante brincalhonas, dadas a pregar peças e coisas do tipo. Com o passar dos anos, à medida que fica mais sábia, elas ganham mais caudas (uma a cada século) até o número nove, quando alcançam o auge de seu poder.

Eis a minha kitsune:



Para terminar por hoje, temos um kappa. Leitores de Harry Potter talvez reconheçam o nome, já que Remus Lupin aparece com um tanque deles no terceiro livro e, salvo engano, há uma entrada também em Animais Fantásticos e Onde Habitam.

Kappas são demônios aquáticos, cujo poder provêm do reservatório de água que eles tem na cabeça. Eles não são criaturas essencialmente malignas - alguns têm um certo gosto por tentar afogar humanos - mas de forma geral, eles gostam de se pavonear e demonstrar sua força, muitas vezes desafiando as pessoas que passam por seus lagos para lutas de sumô.

Eles não são muito espertos, porém e você pode vencê-lo se conseguir convencê-lo a fazer uma mesura e abaixar a cabeça, derrubando a água, o que vai enfraquecê-lo ou mesmo deixá-lo imobilizado.



Deixei o pobre sem braços, mas, bem, pelo menos ele tem um polvo morando na água da cabeça dele...

Quando tiver tempo e puder fazer mais dessas artes, posto para vocês verem. Por hora, estão todos indo disputar espaço com os livros na estante - e eu espero que minha mãe não pergunte que tanto de bicho estranho é aquele que apareceu de repente na prateleira...



A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Vou esperar pra ver a coruja, viu? E ela ainda é o mesmo tipo de coruja do layout novo, uma coruja-das-neves! Pode até batizar ela de Edwiges depois. =P

    Em relação ao karakase-obake, sua origem vem na crença nos kami. Teóricamente, tudo que existe possui espírito, não apenas seres vivos, mas tambpem objetos ou até o ambiente. Depedendo de quão bem tratado o objeto (e portanto, o espírito)é, mais e mais "desperto" ele se torna, e eventualmente, podem até ganhar vida própria. Claro que eu posso estar redondamente enganado, não enteder PN e ter dito um monte de merda. =P

    E devo dizer... coitado do Kappa! ficou desmembrado! O que ele vai dizer pra ti quando completar 100 anos e ganhar vida? xD

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog