16 de fevereiro de 2010

Dias de Carnaval


Passei quase que todo meu carnaval com o nariz enfiado em livros... Na verdade, a família toda teve um carnaval bastante “intelectual” esse ano, uma vez que, ao chegarmos em Gravatá, a televisão não queria pegar...

Estou, contudo, me adiantando – não pela primeira e, certamente, não pela última vez. Pois é, eu tenho esse problema de querer começar a contar a história pelo meio... os capítulos iniciais, para mim, sempre são os mais difíceis de escrever.


Vamos, pois, começar do começo (não diga...), pela sexta, ao final do expediente no escritório. O que se há de fazer numa sexta-feira de tarde, quando você de repente não mais que de repente vê-se surpreendentemente com um horário livre nas mãos?

Bem, não sei vocês, mas eu vou ao cinema.

Eu estava na dúvida entre assistir Percy Jackson e o Ladrão de Raios e Lobisomem. Acabei por me decidir por Percy Jackson, primeiro por se tratar do filme de que eu tinha visto mais críticas positivas e, segundo, por estar curiosa com a idéia de transferir os mitos gregos para nossa realidade.

Não sei exatamente o que eu esperava... não li os livros da série, não tenho base de comparação alguma... exceto se eu quiser comparar a história de Percy à mitologia clássica ou a outra série famosa nos dias atuais.

Falando bastante sério, eu poderia ter ido assistir Percy Jackson pensando que era Harry Potter...

Talvez eu aproveite a deixa para falar um pouco sobre mitologia clássica aqui no Coruja. Já escrevi sobre vampiros e zumbis; porque não posso conjecturar sobre o apetite insaciável de Zeus pela mulher do próximo, geralmente usando formas animais para realizar suas conjunções carnais?

Vamos mudar de assunto antes que eu comece a fazer comentários cretinos (eu os guardarei para um artigo próprio apenas sobre o assunto...).

Fiquei fula da vida que só havia cópias do filme dubladas (blergh), mas o filme inteiro acabou valendo à pena quando o sátiro chama a versão humana de Hades de Zé Ramalho. Sério, essa piadinha foi, para mim, o ponto alto do filme.

Semana que vem, assisto Lobisomem... e aproveito a deixa para falar do arquétipo dos lobisomens para fazer parte da minha coleção de artigos sobre criaturas sobrenaturais.

E falando nisso, terminei minha super-maratona de Sobrenatural, as cinco temporadas, até o episódio que foi lançado essa semana. Farei os devidos comentários posteriormente; ainda estou digerindo todos os volteios da história.

Em todo caso... após o cinema, foi voltar para casa, terminar de arrumar as malas e partir para Gravatá. Chegamos de noite e não havia muito mais que fazer além de capotar na cama.

No sábado é que as coisas começam a ficar interessantes. Para começo de conversa, a televisão só está pegando um canal: o canal de compras. Todos os produtos possíveis e imagináveis, todos os milagres mais desejados, tudo está disponível no canal de compras.

Meu pai começou a ler Morte no Nilo. Meio que a passo de tartaruga, mas, quem se importa? O importante é que, uma vez que ele termine, tricotarei com ele sobre Poirot.

Além disso eu finalmente, finalmente comecei a agir na minha resolução de ano novo de não ser mais tão sedentária. Sábado de manhã comecei o dia na piscina. Umas braçadas para um lado, umas braçadas para o outro, cheguei à conclusão de que estava entediada em nadar sozinha e decidi ir atrás do meu irmão.

A meio caminho, contudo, de chamar Felipe para uma amigável partida de vôlei na piscina, encontrei o pai lavando o carro... e decidi que seria uma boa atividade pai/filha se eu o ajudasse.

Devo observar que foi surpreendentemente divertido lavar o carro com meu pai, especialmente quando a mangueira escapava e molhava um dos participantes. Descobri que pó de grafite – o grafite que usamos para escrever – é um lubrificante (papai o coloca nos vidros e nas molas das portas); que carros são lavados com um xampu especial e que você não pode enfiar a mangueira no cano de escapamento – não necessariamente nessa ordem.

Mais tarde, é claro, eu paguei o preço de ter passado até onze e tanta da manhã no sol. De frente, eu continuo com minha saudável cor branco-perolado-de-escritório. Minhas costas, contudo, estão num tom vermelho-camarão característico de queimaduras em... algum grau. Encostar minhas costas em qualquer lugar tem sido um tormento e minha mãe tem absoluta certeza de que irei descascar.

Tanto por levar um pouco de sol...

Para completar, eu consegui esfolar as mãos. Não, sério. Eu esfolei as mãos de tanto torcer o paninho para limpar o carro. De acordo com mamãe, que sempre tem algum sábio comentário a fazer sobre tudo e todos, isso se deve ao fato de que eu sou “branca fina”, totalmente desacostumada a trabalhos manuais de qualquer natureza.

Eu discordo dela. Escrever não é um trabalho manual?

Além de ficar no sol até virar um pernil assado e esfolar minhas mãozinhas de sinhá-moça, passei o feriado colocando a leitura em dia. Quer dizer, primeiro eu terminei de assistir Supernatural e aproveitei também para ver de uma única sentada a primeira temporada de Hoje é Dia de Maria (ao mesmo tempo em que professava inúmeras vezes meu eterno amor a tio Fafa, que me deu o DVD de presente).

Então, comecei a ler.

Terminei Apocalípticos e Integrados do Eco, que eu vinha enrolando já faz quase um mês. Parti então para As memórias de Maigret, de Simenon e descobri agora um novo detetive para fazer companhia a Poirot, Miss Marple e Holmes na minha estante.

Assim que eu terminar de ler todos os livros que ainda estão acumulados na estante desde o ano passado, providenciarei mais volumes das investigações de Maigret.

Terminando Maigret, fui para Interworld, de Neil Gaiman e Michael Reaves. Mais um livro acerca de universos paralelos, com toda uma base científica – viajada, mais ainda assim crível – para explicar a idéia de como decisões realmente importantes são capazes de criar novos mundos.

Esse é outro assunto sobre o qual escreverei um artigo algum dia. Alguns dos meus livros favoritos trabalham a teoria de que existem diversas dimensões paralelas, nascidas de decisões que tomamos, decisões capazes de alterar toda uma realidade.

Eu não gostaria de conhecer o universo onde Hitler ganhou a guerra...

A única crítica que tenho a fazer do livro é... QUERO UMA CONTINUAÇÃO! E, quando eu for escrever sobre Gaiman, eu comento mais dele.

Após Interworld, fui ler O 18 Brumário de Luís Bonaparte, de Marx. Passei de romances policiais para ficção científica para política e história. Talvez no próximo feriado eu eleja um único tema sobre o qual ler/assistir.

Terminado Marx... descobri que se tinham acabado os livros que eu trouxera. E que a televisão continuava pegando apenas o canal de compras. Continuava sem poder levar sol, uma vez que estava toda ardida.

Assim, terminei meu carnaval hibernando. Aliás, isso parece estar se tornando um padrão quando vou para Gravatá. Normalmente, eu nunca durmo muito, já que tenho insônia. Lá, se me deixarem, eu passo o dia inteiro dormitando.

Não encontrei mais minha lagartixa debaixo do lavabo. Acho que ela se mudou. Estou tentando fazer amizade com as lagartixas do jardim, mas receio que elas não vão muito com a minha cara. Toda vez que tento me aproximar delas, elas saem correndo.

No próximo feriadão, semana santa, eu vou viajar para Maringá. Não fosse por isso, acho que eu ia começar a providenciar uma sacola maior para os livros...

Ok, já me alonguei suficientemente hoje no meu mui tedioso carnaval. E vocês, como foram de folia? Espero que tenham se divertido ou, pelo menos, descansado.

Afinal, o ano só está começando, de verdade, agora...



A Coruja


Arquivado em

____________________________________

 

6 comentários:

  1. Well, meu carnaval tava indo bem até domingo. Sexta e sábado eu fiquei mexendo no meu blog e lendo o primeiro livro daquela serie da Julia Quinn, a família Bridgerton, que você nos indicou. Daí no domingo a gripe resolveu me atacar. O resto do meu planejamento de Carnaval - que incluía a re-leitura dos livros de cartas do Rilke e do Tchekov pra escrever um artigo - foi por água abaixo. Estou escrevendo agora na base do antigripal.

    E por incrível que pareça acho isso mais legal do que assistir o desfile das escolas de samba... =P

    ResponderExcluir
  2. Meu carnaval foi encurtado ontem porque minha irmã levou uma queda em Olinda e torceu o pé... Para mais informações, checar longo especial sobre o feriado no Vegetando XD Mas apesar de tudo, foi bem divertido, e eu terminei de ler Belas Maldições, que um amigo me emprestou depois que eu descobri que estava esgotado na editora. É genial *-*

    Assistiu Supernatural? Não é massa? =P Na verdade, só funciona por causa dos dois atores que fazem os protagonistas, mas eu adoro... Vou procurar saber mais sobre Interworld, parece interessante...

    Vou indo lá... Até outro dia o/

    ResponderExcluir
  3. Passei o carnaval em casa mexendo no pc,e dormindo. Assisti 2 filmes q eu gostei muito e agora tô vendo um filme de crossdressers que a Globo tá passando, tudo pq perdi o filme da Elvira que tava passando antes :_(

    ResponderExcluir
  4. Tem muitas coisas da 4ª e 5ª temporadas de Sobrenatural que me fizeram ter arrepios.
    E quando eu tenho um arrepio é pq a idéia é muito boa!

    ResponderExcluir
  5. Meu carnaval foi... bem, meuio tristonho... Como o Daniel foi para Portugal pro IJUP (Simpósio de Iniciação Científica... Ele é tão chique *--*), eu fiquei em casa =/ O bom foi que terminei "Guardas! Guardas!", que eu gostei (apesar de que prefiro "A Magia de Holy Wood"); assisti alguns episódios de "The Vampire Diaries"; descobri mais um livro para a coleção "quero ler um dia" (Se chama 'Fallen', pesquise que acho que você vai gostar); pintei meu quarto e... Respondi cartas. Sim, a sua será colocada ainda essa semana no correio! \o/

    Além disso, comecei um novo livro (tenho que parar de fazer isso), e desenterrei o começo de um outro que também estou escrevendo. =/


    Tia, a propósito, vou te adicionar no Skype... Se eu não conseguir te encontrar, o meu é lilytety (ou lily.tety, não lembro ness eexato segundo).


    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Lulu, me empresta 10 livros seus? Qualquer um que você acha que eu irei gostar...
    Levando em conta meu tempo para ler livros ultimamente devo devolver nas minhas férias! Eu poderia ir até sua casa só para devolver ;)

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog