24 de janeiro de 2010

Minha lagartixa de estimação


Cheguei agorinha de Gravatá (para onde meus pais fogem da cidade grande de quinze em quinze dias...), onde passei o fim-de-semana fazendo... absolutamente nada.

Levei meus livros para poder trabalhar, mas, quando cheguei lá, descobri que o que eu estava pesquisando não estava neles; não pude ir à piscina por causa da chuva e do nariz pingando; não assisti TV porque meu pai e meu irmão se barricaram na sala para ver futebol, praticamente só saí do meu quarto para a cozinha, de volta para o quarto, parecendo uma velhinha cheia de artrose, com direito a casaquinho e tudo o mais.


Estamos no meio do verão e lá já começou a esfriar o tempo. Não que eu esteja reclamando. Pelo contrário, prefiro mil vezes o clima de Gravatá ao de Hellcife...

Acabei ao final das contas entrando em estado meio comatoso - acho que nunca dormi tanto quanto nos dois últimos dias. É, eu provavelmente estava precisando...

Só mais um pouco, Lulu... uma semana para terminar janeiro e então... paz...

Mas, voltando a Gravatá. Entre minha mãe ocupada com as coisas dela e meu pai e meu irmão imersos no mundo futebolístico deles (sou a única pessoa que acha futebol um esporte ambíguo? Sério, são vinte e dois caras suados correndo atrás de uma bola!), passei o sábado sem ter sequer com quem conversar - quando estava acordada, é claro. Assim é que, quando a encontrei, decidi fazer dela meu novo bicho de estimação.

Sim, eu estou falando da lagartixa.

Eu a encontrei debaixo do meu lavabo. A princípio, levei um susto, porque estava sem óculos e só conseguia ver uma coisa meio escura se rastejando nas imediações do meu pé. Antes de entrar em pânico, contudo, eu me abaixei para ver do que se tratava o animalzinho rastejante.

Não achem que isso foi uma questão de lógica ou de bom senso. Se eu estivesse razoavelmente acordada, eu teria saído do banheiro aos tropeços, enfiado os óculos na cara e, de longe, tentado descobrir o que era. Se fosse uma barata ou uma aranha, eu então procederia à histeria, implorando para que um dos homens da casa viessem me livrar da besta cruel.

É, eu também me envergonho de mim mesma às vezes...

Para minha sorte, porém, quando me abaixei, ainda meio bêbada de antialérgico (eu culpo tudo no antialérgico, já perceberam?), era uma lagartixa ainda filhote, pequenininha.

Novamente, devo dizer que isso foi uma sorte, porque, mesmo em meu estado letárgico, se eu tivesse me deparado com uma barata ou uma aranha, teria me levantado de vez horrorizada, enfiado a cabeça debaixo da pia e, de acordo com o humor de Murphy, acabaria arrebentando meu cocoruto e ido parar na emergência.

Minha imaginação às vezes me assusta...

Em todo caso... era uma lagartixa. E eu gosto de lagartixas. Lagartixas são legais. E, decididamente, depois de me sentar no chão do banheiro e passar meia hora conversando com a lagartixa, cheguei à conclusão de que elas são também excelentes bichinhos de estimação.

Passo a explicar...

Lagartixas se alimentam de insetos. Muriçocas são insetos. Lulu tem alergia a insetos. Lulu está cheia de potocas nos braços por causa de picadas de muriçocas. Ergo, se lagartixas livram Lulu de muriçocas, Lulu gosta delas.

Lagartixas são parentes distantes das iguanas, dos camaleões e das salamandras. Iguanas e camaleões são animais de estimação muito interessantes e salamandras, de acordo com os antigos, são animais de propriedades mágicas.

Lagartixas estão sempre balançando a cabeça de forma afirmativa. Então, se você conversa com elas, tecnicamente, elas estão sempre concordando com tudo o que você diz. E, de vez em quando, isso é legal também (mas não sempre. Afinal de contas, toda unanimidade é burra).

Tudo bem que lagartixas são são exatamente o tipo de bichinho fofinho para quem você faz festas, abraça e deixa te lamber a cara... mas, hei, eu gosto de corujas, animal que o povo diz que traz mau augúrio, então, porque eu não ia gostar de lagartixas?

Vou chamar minha lagartixa que mora sob o lavabo de Fido...

... e acho que preciso de um método alternativo para fazer meu nariz parar de pingar. Ou talvez eu devesse olhar o prazo de validade na caixa do antilérgico...


A Coruja
(hoje, em apresentação única e inédita, de lagartixa)


p.s.: Diego, eu leio todos os comentários. Dá depois uma olhada nos comentários do post sobre Eco, que te respondi lá. ;)


Arquivado em

____________________________________

 

10 comentários:

  1. Ah, eu concordo com você em algumas coisas. Antialérgico deixa as pessoas bêbadas de sono mesmo, então eu apóio colocar a culpa no antialérgico. Eu tbm acho futebol um esporte ambíguo (e tosco, rs), são 22 caras suados correndo atrás de uma bola e ainda por cima se agarrando vez em quando... e lagartixas são fofas mesmo; eu nasci de 8 meses por causa de uma, mas sempre que eu as vejo eu tomo o maior cuidado pra não assustá-las. E quando encontro uma, o nome da pobrezinha fica sempre Emengarda... =P

    ResponderExcluir
  2. Uma vez eu tentei ter uma lagartixa de estimação também. Um dia ela sumiu e, um mês depois, descobri o cadáver amassado dela entre duas capas de fita VHS.
    Desde então desisti de bichinhos de estimação muito pequenos ='(

    ResponderExcluir
  3. Viva!!!! Eu não sou a única a gostar de lagartixas!!!! Nem a única a mantê-las como bichinhos de estimação...

    Já me sinto melhor com essa confissão de vocês, amigos!

    ResponderExcluir
  4. Futebol só presta pra jogar, se você não se incomoda com os hematomas, claro =P Desculpe ter sumido dos comentários, mas estou acompanhando. Eu sou indiferente a lagartixas, mas gosto mais delas do que rãs/sapos/pererecas, pelo menos. Uma vez no interior, eu fui pegar papel higiênico no banheiro e havia uma lá embaixo, escondida. Sensação não muito legal, coisa gelada e grudenta na sua mão. @_@ Prefiro não repetir a experiência.

    E quando a baratas e aranhas... Uma vez eu e minha irmã armamos uma cena por causa de um louva-deus, mas, enfim... *GOTA*

    Até a próxima, espero que você a lagartixa se dêem bem o/

    ResponderExcluir
  5. Luluzíssima,

    eu sempre digo que futebol é um esporte essencialmente feminino, ainda mais quando jogado por representantes do sexo masculino oriundos do solo europeu. Preciso explicar muito não, né? XD

    (Ah, Cannavaro! Totti! Owen! Beckham! Figo!... - e eu poderia continuar por linhas e linhas, hehehehehe!)

    Quanto à (ou ao?) Fido: desde criança que adoro lagartixas; acho-as muito simpáticas, fora aquela sensação de Túnel do Tempo que elas causam...

    Na secretaria da escola tem duas, que chamo de "minhas amiguinhas": uma, de pele salmão, vive debaixo do suporte de luz; outra, rajada de marrom, mora detrás do quadro de avisos. É divertido vê-las abocanharem gulosamente os cupins em noites de calor. ^^

    Lulu, abandone esse antialérgico que não te ajuda em nada e faça um tratamento com homeopatia. De rinítica para rinítica, presto-lhe meu depoimento: é uma maravilha. Você até se emociona ao lembrar de cheiros há muito esquecidos e de sensações de liberdade como andar na chuva impunemente e dormir sem cobertas e com a janela aberta!...

    Quanto a Murphy... melhor não comentar.

    Beijocas!!!

    ResponderExcluir
  6. "Sensação não muito legal, coisa gelada e grudenta na sua mão. @_@ Prefiro não repetir a experiência."

    Rafa, você tá falando da lagartixa ou do que tava no papel higiênico?
    Até onde eu sei as lagartixas tem a pele seca...

    Nem entendo todo esse espanto com as lagartixas, são bichinhos tão do bem.
    Mas uma tia minha não acha, uma vez minha mãe foi brincar e deixou uma lagartixa de plástico perto dela.
    O resultado foi desastroso!
    O susto foi tão grande que ela menstruou!

    ResponderExcluir
  7. Eu estou pensando com meus botoões como responder aos últimos comentários, especialmente aos da Régis...

    ResponderExcluir
  8. Futebol é um esporte ambíguo, concordo totalmente. Antialérgicos são malvados, a última vez que tomei, fiquei muito dopada. Meu namorado toma quase todo dia [ele tem alergia ao meu gato] e, portanto, eu conheço os efeitos. Pode colocar a culpa nos pobres remédios, eles merecem!
    Lagartixas são legais, pena que meu gato não gosta delas, então nunca há nenhuma aqui em casa...

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog