26 de novembro de 2009

Ases (Parte I - Ás de Espadas): Capítulo 03





spades Capítulo 03 spades
‘Foi só então que ela percebeu que estava sentada sobre ninguém mais ninguém menos que Lorde Alexander Seymour, Marquês de Hertford.’


MAKING-OF

Quando publiquei o segundo capítulo, observei que já tinha começado esse terceiro... na verdade, esse capítulo de hoje seria o segundo, não fosse pelo fato de que Thomas ainda tinha algumas coisas a falar antes que eu pudesse passar a palavra a Amelie e Alex...

Vejamos o que posso dizer sobre esse capítulo... Eu me diverti horrores planejando nos mínimos detalhes a queda de Amelie sobre Alexander... Especialmente ao me concentrar nos pensamentos dos dois...

Alguém mais já percebeu o quanto Alex se acha? Sério, ele tem o rei na barriga, é totalmente convencido e eu não duvido que ele pare diante de todo espelho para poder admirar a própria imagem... e, apesar disso, eu ainda gosto dele...

E é exatamente por conta dessa qualidade que, no futuro, ele vai levar na cabeça. Grandes planos, grandes planos... hehehehe...

Ok, curiosidades sobre esse capítulo... os nomes dos criados. Sério, eu tenho um sério problema em encontrar nomes, porque sempre fico rodeando e rodeando tentando encontrar algo que se ajuste perfeitamente ao espírito do personagem... e, quando o dito é um secundário, aí é que a porca torce o rabo, porque nunca sei muito bem o que fazer deles...

Então, a poodle da Amelie se chama Charlotte porque... eu estava lendo Pride and Prejudice and Zombies e a Charlotte estava lá se transformando em zumbi... e eu estava procurando um nome para a cadelinha... e uma coisa levou a outra...

É, eu sei, sou uma pessoa sem noção...

Nosso mordomo, Sebastian, tem seu nome tirado do... mordomo Sebastian de Kuroshitsuji... Com a diferença de que meu Sebastian não é um criado mefistofélico por quem seu amo vendeu a alma...

Sério mesmo, de onde eu faço essas conexões absurdas?

Por fim, Grace se chamou Grace porque na hora que eu estava procurando um nome para a coitada da criada da Amelie, começou a tocar Amazing Grace na playlist. O que mais eu podia fazer?

Não respondam...

Engraçado é que escrevi esse capítulo em, exatamente, duas sentadas. As primeiras quatro, cinco páginas, até a entrada de Charlotte, foram anteriores ao segundo capítulo... e o resto foi hoje, de uma só feita, quase um mês depois de tê-lo começado.

Achei que seria mais rápido para escrevê-lo, porque eu tinha toda a cena já desenrolada na cabeça... Mas, ao final das contas, a coisa ficou travada no meio do caminho e só hoje consegui desentupir.

Não há muitas curiosidades de época nele, então, sem novidades no anexo por hoje. No entanto, nunca se sabe quando vou adentrar de novo nas aulinhas de história, então, fiquem ligados.

No próximo capítulo, voltamos a Thomas e Emily e, se tudo der certo, teremos um convite para um baile... E planos mirabolantes da parte do marquês.

Falando em marquês, aí vai outra curiosidade... no meu esboço inicial de Ases, Alexander era uma nobre falido, que precisava se casar com uma moça que tivesse um bom dote para reerguer seu legado... Acabei abandonando esse plot (e também aquele em que Emily era, na verdade, ladra e irmã da mulher morta de Thomas... Cara, isso ser uma dramalhão mexicano...), não sei exatamente porquê... Acho que porque eu prefiro Alex arrogante e brincalhão em vez de caça-dotes.

Afff...


TRILHA SONORA


clique na imagem para fazer o download


Não deixem de baixar a trilha de Ases... prestem atenção nas letras das músicas; elas revelam muito do que virá a acontecer nos próximos episódios desse EMOCIONANTE folhetim.

E não deixem de comentar! Façam sua boa ação do dia e deixem uma criança feliz! De boa ação em boa ação, vocês farão sua escada para o céu e, tenho certeza que fazer essa criança aqui feliz conta pontos!

Comments, comments, comments!

(NOM, NOM, NOM... MIM SER ZUMBI! Ok, me deram remédio demais para gripe, não tô mais fazendo sentido...

Ei, quando é que eu faço sentido???)

editado - 27.11.09: no meu afã de publicar o capítulo ontem e escrever o making-of quase às pressas e sob forte efeito de medicamentos contra gripe, esqueci de fazer menção à Cook. Cook, a cozinheira, recebeu esse nome por causa do filme Bons Costumes. Fiquei com a cena da Larita dizendo que não vai chamar a cozinheira por um verbo (to cook - cozinhar) na cabeça e por isso minha própria cozinheira de Ases é um verbo.

Não acredito que vim aqui só para aditar isso ao texto... Ainda é o efeito dos remédios...


A Coruja


Arquivado em

____________________________________

 

2 comentários:

  1. Fazer sentido não tem graça :P O terceiro capítulo ficou genial, parabéns! Tenho que sair correndo porque querem fazer compras pela net aqui em casa (sem perguntas), então depois faço um comentário decente! o/

    ResponderExcluir
  2. Ah! Sei muito bem, por experiência própria, o transtorno que é ter animais em perseguição pela casa...

    Só que, em meu caso particular, foram dois gatos, sendo que o dono da casa é que atacou o invasor... Simplesmente O CAOS generalizado!!!

    Excelente capítulo, mais um hilariante exercício de A Marca de Lulu, que consiste em tornar o nonsense saboroso e, porque não, desejavelmente plausível ^^

    Quero mais.

    Beijocas!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog