2 de agosto de 2009

Much ado...

Ok, pessoas, voltei. Ou não, depende do ponto de vista... Eu estou mais para um zumbi que acaba de sair do túmulo que para a Lulu que todo mundo conhece...

Bem, as festividades e solenidades de formatura terminaram. O baile foi divertidíssimo, eu pulei o suficiente para que ainda hoje, dois dias depois, esteja sentindo os tornozelos. Estou surpresa por não ter tido nenhuma espécie de ataque de gastrite, considerando o quanto bebi.

Não, eu não fiquei bêbada. Apesar do meu tamanho e peso, incrivelmente, eu continuo consciente e em cima dos meus próprios pés - além de perfeitamente capaz de reconhecer os sinais sutis de dança de acasalamento e sair correndo para a saída mais próxima.

Não perguntem...


O caso foi o seguinte... Começaram servindo um vinho branco bem suave e gostoso... Três taças antes da valsa. Abriram então as mesas de coquetéis e eu simplesmente adoro aquelas coisinhas misturadas com frutas e coisas do tipo e... é... morango com leite condensado e vodca é muito bom. Mais um pouco, chega um amigo meu com uma garrafa - que pensei ser champanhe - e manda eu abrir a boca. Depois que já engoli uma boa dose da coisa e ela saiu queimando tudo garganta abaixo é que Chico se lembra de me avisar que é tequila. Não dois minutos depois, chegam minhas primas e minha cunhada com a garrafa toda de champanhe e mandam eu beber do gargalo.

Isso para não falar na mistura com gosto de soda limonada que tinha no copo de Camila e que muito tarde (depois de uns dois copos) é que vim a descobrir que era uísque com vodca, com tequila, com champanhe e guaraná.

A coisa é surpreendentemente gostosa. Por algum motivo misterioso, eu fui a única a achar isso.

E não, eu não tive ressaca, nem enxaqueca, nem dor de cabeça. Meus modos 'zumbídicos' têm a ver com algo completamente diferente. Para ser exata com a onda de gripe (não a suína) que está na cidade. Minha garganta parece um bolo de carne, meus ouvidos estão cheios de algodão (coloquei remédio neles), estou sem apetite e mais mole que um prato de papa.

Estou perdendo a voz também.

Não tive febre, mas também nunca tenho febre quando adoeço. Por mais pálida, fraca e absolutamente de cama que eu esteja, não tenho febre.

Ainda não tenho certeza se isso é bom ou ruim...

Assim, basicamente, desde ontem estou alternando momentos deitada na cama com momentos deitada no sofá. Estava lendo O Livro dos Seres Imaginários quando no verbete da fênix me lembrei de um conto sobre um clube de culinária (ou devoradores de coisas em geral) que mata e assa a ave do sol e fui atrás de ler os títulos na minha estante para descobrir quem era o autor do conto... O estilo do conto me fazia lembrar Gaiman e fui lá achar o bendito em Coisas Frágeis.

Entre uma história e outra, assisti Coração de Tinta e Confessions of a shopaholic (esqueci o nome em português, mas sei que tem alguma coisa com delírios de consumo no meio). Gostei muitíssimo do primeiro. Ah, assisti Inimigos Públicos essa semana também, quando a Ísis veio na quinta e depois escreverei uma resenha sobre o filme.

O freewebs continua não abrindo para mim, embora digam que ele tenha voltado ao normal. Alguém quer ir na ficha do Tetsu lá na amaterasu e descobrir para mim que nome eu dei para o pai do rapaz? Eu não achei meus rascunhos das fichas dos personagens (mim ser uma anta...) e preciso do danado do nome para escrever o capítulo novo...

Fiz uma nova lista de livros que quero ler. Colocarei a lista aqui depois. Também estou com uma lista de artigos para escrever aqui no coruja; das mudanças na lei Rouanet (ressucitaram o império romano) ao ano internacional da astronomia e as resenhas do que estou lendo e assistindo (ou já li e assisti). Borges me fez descobrir de onde vêm todos os mitos da criação de Discworld e estou pensando seriamente numa série só sobre meu amado, salve, salve Sir Pratchett.

Mamãe fez canja. Não gosto de canja. Mas estou gripada. Acho que não tenho muita escolha. E já falei nonsense o suficiente hoje. Vou deixar vocês em paz. Tenho um mundo de cartões, cartas, bilhetes e telegramas para responder e pretendo colocar tudo no correio ainda essa semana.

E cortar o cabelo. Eu DEFINITIVAMENTE vou cortar o cabelo essa semana.


A Coruja


____________________________________

 

Um comentário:

  1. Também ainda nunca fiquei bêbada, apesar do meu gosto por vodka.
    E acho estranho o freewebs estar nisso consigo, porque aqui abre normalmente. Bem, o nome do fulaninho é Takagi Osamu, se ainda estiver interessada.

    Espero que melhore depressa. Afinal, doença não é uma coisa "agradável" de se ter em altura nenhuma.

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog